Unidade de conservação, rodovia e território: uma análise da relação entre BR 319 e a Reserva de Desenvolvimento Sustentável Igapó Açú, Amazonas, Brasil
PDF-pt
PDF-en (English)

Palavras-chave

Amazônia
Turismo
Áreas Protegidas
Planejamento

Como Citar

SANSOLO, D. G. Unidade de conservação, rodovia e território: uma análise da relação entre BR 319 e a Reserva de Desenvolvimento Sustentável Igapó Açú, Amazonas, Brasil. Sociedade & Natureza, v. 32, p. 210-224, 2 abr. 2020.

Resumo

O presente trabalho trata das ameaças e potencialidades da relação entre áreas protegidas, rodovias e o turismo na Amazônia. Refere-se a um estudo de caso, no interflúvio das bacias do Rio Purus e Madeira, no sul do estado do Amazonas, mais especificamente na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Igapó Açu, atravessada pela rodovia BR 319. Por meio de revisão bibliográfica, documental e trabalhos de campo, elaborou-se uma análise sobre a potencialidade, fragilidades, ameaças e oportunidades do desenvolvimento territorial a partir do turismo na região. Conclui-se que a unidade de conservação pode ser um fator importante para o desenvolvimento territorial, pautado pela melhoria das condições sociais e resguardo da conservação da natureza, se a lógica do desenvolvimento turístico for subordinada a comunidade local.

https://doi.org/10.14393/SN-v32-2020-46996
PDF-pt
PDF-en (English)

Referências

AMAZONAS. Decreto nº 28.420, de 27.03.2009: cria a Reserva de Desenvolvimento Sustentável Igapó-Açu nos Municípios de Borba, Manicoré e Beruri, e dá outras providências, 2009. Disponível em : <http://www.pge.am.gov.br/wp-content/uploads/2017/12/Vade-Mecum-.pdf> Acessado: Dezembro de 2019.

AMAZONAS. Amazonastur. Síntese dos indicadores de turismo do Amazonas, 2003-2014. Manaus, Amazonastur, 2015. Disponível em: <https://docplayer.com.br/17419914-Sintese-dos-indicadores-de-turismo-do-amazonas-2003-2014.html>. Acessado: Janeiro de 2020.

AMAZONAS. Secretaria de Estado da Região Metropolitana de Manaus. Plano de desenvolvimento sustentável e integrado. Manaus, Secretaria de Estado da Região Metropolitana de Manaus. Consórcio Vetec-Valente, 2010.

BANZATO, B. M.; FAVERO, J. M.; AROUCA, J. A. C.; CARBONARI, J. H.B. Análise ambiental de unidades de conservação através dos métodos swot e gut: O caso do parque estadual restinga de Bertioga. RBGA (Pombal – PB – Brasil) v.6, n.1, p. 38-49 Janeiro/dezembro de 2012. Disponível em: <https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/RBGA/article/view/1772>. Acessado: Agosto de 2019.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. 4. ed. Lisboa: Edições 70, 2010.

BARNI, P. E.; FEARNSIDE, P. M.; GRAÇA, P. M. L. A. Simulating deforestation and carbon loss in Amazonia impacts in Brazil’s Roraima state from reconstructing highway BR-319 (Manaus-Porto Velho). Environmental Management, v. 55, p. 259:278, Feb, 2015. https://doi.org/10.1007/s00267-014-0408-6

BARTHOLO, R.; SANSOLO, D.G.; BURSZTYN, I. Turismo de base comunitária diversidade de olhares e experiências brasileiras. Rio de Janeiro: Editora Letra e Imagem, 2009.

BEGROW, A. Uma proposta de manejo para a pesca esportiva no médio rio Uatumã - Estado do Amazonas, Brasil. 2002. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais). Manaus, UFAM, CCA, Pós-Grad. em Ciências Ambientais e Sustentabilidade na Amazônia, 2002.

BECKER, B. K. Revisão das políticas de ocupação da Amazônia: é possível identificar modelos para projetar cenários? Parcerias Estratégicas, n. 12, pp. 135-159, setembro 2001. Disponível em: <http://seer.cgee.org.br/index.php/parcerias_estrategicas/article/view/178/172> Acessado: Abril de 2018.

BRASIL. Lei n. 9.985, que regulamenta o art. 225, §12, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Brasília, 2000.

BRASIL. Lei Nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, que Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Brasília, 1981.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Disponível em: http://mapas.mma.gov.br/i3geo/datadownload.htm. Acessado: Novembro de 2018.

DNIT: http://www.dnit.gov.br/mapas-multimodais/shapefiles.Acessado: Novembro de 2018.

ESCADA, M. I. S.; ALVES, D. A. Mudanças de uso e cobertura do solo na Amazônia: impactos socioambientais na ocupação de regiões de fronteira agrícola. Relatório Técnico. São José dos Campos, INPE, 2001.

FEARNSIDE, P. M. Biodiversity as an environmental service in Brazil's Amazonian forests: risks, value and conservation. Environmental Conservation, Volume 26, Issue 4, pp. 305-321, December 1999. https://doi.org/10.1017/S0376892999000429

_____________Deforestation in Brazilian Amazonia: History, Rates, and Consequences. Conservation Biology, Volume19, Issue 3, Pages 680-688, June 2005. https://doi.org/10.1111/j.1523-1739.2005.00697.x

FEARNSIDE, P. M.; LAURANCE, W, F. O futuro da Amazônia: os impactos do Programa Avança Brasil. CIÊNCIA HOJE vol. 31 nº 182, 2002. Disponível em: <http://philip.inpa.gov.br/publ_livres/2002/Ofuturo%20da%20amazonia.pdf>. Acessado: Janeiro de 2018.

FEARNSIDE, P.M.; GRAÇA, P. M. L. A (a). O EIA-RIMA da rodovia BR-319: decisão crítica sobre a abertura do coração da Amazônia ao desmatamento. Rio de Janeiro: Globo, 2009a (Avulsa). Disponível em: <http://philip.inpa.gov.br/publ_livres/2009/Comentario-BR319_4.pdf>. Acessado: Janeiro de 2018.

FEARNSIDE, P. M.; GRAÇA, P. M. L. A (b). BR-319: a rodovia Manaus-Porto Velho e o impacto potencial de conectar o arco de desmatamento à Amazônia central. Novos Cadernos NAEA, v. 12, no. 1, p. 19-50, junho. 2009b. http://dx.doi.org/10.5801/ncn.v12i1.241

FURTADO, C. S.; MONTEIRO, E. F. A importância do atual sistema de unidades de conservação e terras indígenas na conservação da biodiversidade e contenção do desmatamento na região da Br-163 no Estado do Pará. Florianópolis, Anais da 58ª Reunião Anual da SBPC, 2006.

HAESBAERT, R. O Mito da Desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

HUERTAS, C. Entrevista com Carlos Matus. O método PES. São Paulo: Edições Fundap, 1995.

INPA. Instituto Nacional de Pesquisa sobre Amazônia. Disponível em: https://ppbio.inpa.gov.br/mapas. Acessado: Agosto de 2014.

ISA_ Instituto Socio Ambiental. Unidades de Conservação no Brasil. Disponível em: <https://uc.socioambiental.org/pt-br/arp/4859>. Acessado: Abril de 2018.

LIMA, G. S de. As perspectivas de incremento para o turismo no Estado do Amazonas a partir da Recuperação da BR 319. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Turismo). Manaus, UEA, ESAT, Curso de Turismo, 2007.

MAGALHÃES, H., BONONI, V.L.R., MERCANTE, M.A. Participação da sociedade civil na gestão de unidades de conservação e seus efeitos na melhoria da qualidade ambiental da região Sudeste do Estado do Mato Grosso do Sul. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences. Maringá, v. 32, n. 2, p. 183-192, 2010. https://doi.org/10.4025/actascihumansoc.v32i2.6761

MORAES, A. C. R. de. Ordenamento territorial: uma conceituação para o planejamento estratégico, In: BRASIL (Min. da Integração Nacional). Brasília, MIN. Para pensar uma política nacional de ordenamento territorial. (anais) Oficina sobre a Política Nacional de Ordenamento Territorial, Brasília, Min. da Integração Nacional p. 43-48, 2005. Disponível em: <http://www.mi.gov.br/c/document_library/get_file?uuid=3fc31d16-e5f7-46fb-b8cc-0fb2ae176171&groupId=24915>. Acessado: Julho de 2015.

MOURA, A. C. M.; MAGALHÃES, D. M. Geoprocessamento no apoio ao plano diretor de desenvolvimento integrado da região metropolitana de Belo Horizonte: acessibilidades, impedâncias e potencialidades territoriais. Rio de Janeiro, Anais do XIV ENCONTRO NACIONAL DA ANPUR. 2011.

G1. Pesca esportiva atrai mais de 10 mil turistas por ano ao Amazonas, diz governo. Portal G1, Disponível em: <https://g1.globo.com/am/amazonas/noticia/pesca-esportiva-atrai-mais-de-10-mil-turistas-por-ano-ao-amazonas-diz-governo.ghtml> Acessado: Abril, 2018.

PROENÇA, A. R. G. B. P.; OLIVEIRA, A. P. P. de; JESUS, E. L. de. Turismo de base comunitária no Amazonas: aspectos socioculturais. Curitiba, Caderno de Estudos e Pesquisas do Turismo, v. 5, no.7, p. 19-33, 2016. Disponível em: <http://www2.pucpr.br/reol/pb/index.php/turismo?dd1=16169&dd99=view&dd98=pb>. Acessado: Janeiro de 2018.

RAFESTIN, C. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.

REIHANIANA, A. N., MAHMOODA, Z. B., KAHROMB, E., HINC, T. W. Sustainable tourism development strategy by SWOT analysis: Boujagh National Park, Iran. Tourism Management Perspectives, Volume 4, P.P 223-228, October 2012. https://doi.org/10.1016/j.tmp.2012.08.005.

REZENDE, M.G.G. Governança ambiental na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Igapó Açu, Amazonas, Brasil. Dissertação (Mestrado em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade da Amazônia). Manaus, Programa de Pós-Graduação em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia, UFAM, 2016.

SAITO, E. A. et al. Efeitos da mudança de escala em padrões de desmatamento na Amazônia. Revista Brasileira de Cartografia, no. 63/03, 2011. Disponível em: <http://www.seer.ufu.br/index.php/revistabrasileiracartografia/article/view/43749> Acessado: Janeiro de 2020.

SANTOS, F.P. Reserva Extrativista e Reserva de Desenvolvimento Sustentável, uma pequena-grande diferença. Revista Geonorte, V.6, N.25, Pp. 43-60, 2015. Disponível em:<http://www.periodicos.ufam.edu.br/revistageonorte/article/view/1021170.2015.6.25.3/2125>. Acessado: Abril de 2018.

SANTOS, M. Por uma geografia nova: da crítica da geografia a uma geografia crítica. 3ª edição. São Paulo: HUCITEC, 1986. ISBN 85-314-0715-X 1

___________A natureza do espaço. 2. edição. São Paulo: Editora Hucitec, 1996. ISBN 85-314-0713-3

SAQUET, M. A. Reterritorialização e Identidade. In.: MEDEIROS, R. M. V; FALCADE, I. (Orgs). Tradição versus tecnologia: as novas territorialidades do espaço agrário brasileiro. Porto alegre: Ed. da UFRGS, 2009.

SAQUET. M.A. Abordagens e concepções de território. 3ª. Ed. São Paulo: Outras Expressões, 2013.

SCOLOZZIA, R.; SCHIRPKEB, U.; MORRID, E.; D’AMATOE, D.; SANTOLINI, R. Ecosystem services-based SWOT analysis of protected areas for conservation strategies. Journal of Environmental Management. Volume 146, 15, P.P 543-551 December 2014. https://doi.org/10.1016/j.jenvman.2014.05.040.

SOUZA, A. Americanos são 95% dos turistas de pesca no Amazonas. PANROTAS, 2014. Disponível em: <https://www.panrotas.com.br/noticia-turismo/mercado/americanos-sao-95-dos-turistas-de-pesca-no-amazonas_106142.html>. Acessado: Abril de 2018.

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Downloads

Não há dados estatísticos.