Das superfícies de aplainamento aos pulsos climáticos holocênicos: a evolução da paisagem em relevos de chapada
PDF-pt
PDF-en (English)

Palavras-chave

Evolução da Paisagem
Chapada
Superfícies de Aplainamento
Pulsos Climáticos

Como Citar

MOREIRA, V. B.; PEREZ FILHO, A. Das superfícies de aplainamento aos pulsos climáticos holocênicos: a evolução da paisagem em relevos de chapada. Sociedade & Natureza, v. 32, p. 176-195, 23 mar. 2020.

Resumo

Na Porção central do Brasil ocorrem extensas e contínuas chapadas de superfície aplainada, que se apresentam de maneira escalonada, separadas por vales fluviais encaixados, dentre estas, destaca-se na região do Triângulo Mineiro – MG a chapada Uberlândia-Uberaba. Sobre esta ocorrem feições geomorfológicas como veredas e depressões de cimeira povoados por murundus, comumente associados a rede de drenagem em relevo tabular, entendidos aqui, como ambientes chave para interpretação paleoambiental. Para caracterizar e compreender os processos de formação destes ambientes e sua evolução na paisagem foram elaborados índices morfométricos, perfis topográficos e modelos evolutivos de paisagem, apresentando um panorama geral e demonstrando a importância dos elementos geomorfológicos e das paisagens desde as superfícies de aplainamento paleogênicas até os pulsos climáticos holocênicos.

https://doi.org/10.14393/SN-v32-2020-46867
PDF-pt
PDF-en (English)

Referências

AB’SÁBER, A. N. Participação das depressões periféricas aplainadas na compartimentação do Planalto brasileiro. Geomorfologia, São Paulo. n. 28, p. 1-38, 1972.

AB’SÁBER, A. N. Compartimentação topográfica e domínios de sedimentação Pós-Cretácios do Brasil. 1962. 80f. Tese (Concurso para a cadeira de Geografia Física) Depto. Geografia, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1962.

AB’SÁBER, A. N. Os Domínios de Natureza no Brasil. 6ª ed. São Paulo: Ateliê,, 2003.

ALMEIDA, F. F. M. Os fundamentos geológicos do relevo paulista. Boletim do Instituto de Geografia e Geologia, São Paulo. n. 41, p. 169-263, 1964.

BACCARO, C. A. D. Unidades Geomorfológicas do Triângulo Mineiro Estudo Preliminar. Sociedade & Natureza, v. 3, n (5 e 6), p. 37-42, 1991.

BARBOSA, G. V. Relevo. In: BDMG. (Coord.) Diagnóstico da economia mineira: o espaço natural. Belo Horizonte: BDMG, 1967v. 2, p.69-108.

BARBOSA, I. O.; LACERDA, M. P. C.; BILICH, M. R. Relações pedomorfogeológicas nas chapadas elevadas do Distrito Federal. Rev. Bras. Ciênc. Solo, Viçosa, v. 33, n. 5, p. 1373-1383, Oct, 2009. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-06832009000500029.

BARBOSA, O. Quadro provisório das superfícies de erosão e aplainamentos no Brasil. Notícia Geomorfológica, São Paulo, n. 4, p. 31-33, 1959.

BARCELOS, J. H. Reconstrução Paleogeográfica da Sedimentação do Grupo Bauru Baseada na sua Redefinição Estratigráfica Parcial em Território Paulista e no Estudo Preliminar Fora do Estado de São Paulo. 1984. 190p. Tese (Livre Docência) - Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 1984.

BARCELOS, J. H. Geologia Regional e Estratigrafia Cretácica do Triângulo Mineiro. Sociedade & Natureza, v.5, n (9 e 10), p. 9-24, 1993.

BATEZELLI, A. Análise da Sedimentação Cretácea no Triângulo Mineiro e sua correlação com áreas adjacentes. 2003. 187f. Tese (Doutorado em Geologia Regional) Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2003.

BEHLING, H. A high resolution Holoceno pollen record from lago pires, SE Brazil: vegetation, climate and fire history. Journal of Paleolimnology, v. 14, p. 253-268, 1995.

BIGARELLA J. J.; MOUSINHO, M. R., SILVA; J. X. Pediplanos, pedimentos e seus depósitos correlativos. Boletim Paranaense de Geografia, n (16 e 17), p.117-155, 1965.

BOAVENTURA, R. S. Veredas o Berço das Águas. Belo Horizonte: Ecodinâmica,. 2007.

CODEMIG - Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais. Projeto Triângulo Mineiro - Mapa Geológico 1:100.000. 2017. Disponível em: http://www.portalgeologia.com.br/index.php/mapa/. Acessado em: 10 de maio de 2018.

DE MARTONE. Problemas morfológicos do Brasil Atlântico. Geografia, v .5, n. 4, p. 523-550, 1943.

DIAS, R. L.; PEREZ FILHO, A. Geocronologia de terraços fluviais na bacia hidrográfica do rio Corumbataí-SP a partir de Luminescência Opticamente Estimulada (LOE). Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 16, n. 2, p. 341 – 349, 2015. http://dx.doi.org/10.20502/rbg.v16i2.644

FAIRBRIDGE, R. W. World sea-level and climatic changes. Quaternaria, v. 6, p.lll-134, 1962.

FELTRAN FILHO, A. A estruturação das paisagens nas chapadas do Oeste Mineiro. 1997. 251f. Tese (Doutorado em Geografia Física) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1997.

FERREIRA, I. M. O afogar das Veredas: uma análise comparativa espacial e temporal das Veredas do Chapadão de catalão (GO). 2003. 242 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Instituto de Geociências e Ciências exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2003.

FEAM - Fundação Estadual do Meio Ambiente; Universidade Federal de Viçosa; Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais; Universidade Federal de Lavras. Mapa de solos do Estado de Minas Gerais. 2010. Disponível em: http://www.feam.br/banco-de-noticias/949-mapas-de-solo-do-estado-de-minas-gerais. Acessado em: 15 de março de 2018.

HIMURA, S. T.; PONÇANO, W. L. Densidade de drenagem e sua relação com fatores geomorfo-pedológicos na área do Alto Rio Pardo, SP e MG. Revista do Instituto Geológico, v. 15, p. 49 – 57, 1994.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Cartas Topográficas – Projeto São Paulo / Minas Gerais / Goiás. 2006. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/. Acesso em: 12 de junho, 2017.

KING, L. C. A Geomorfologia do Brasil Oriental. Revista Brasileira de Geografia,v. 18, n. 2, p. 147-267, 1956.

LIMA, S.do C.; QUEIROZ NETO, J. P. As veredas e a evolução do relevo. Sociedade & Natureza, v. 15, p. 481- 488, 1996.

MAMEDE, L. ROSS, J. L. S.; SANTOS, L. M.; NASCIMENTO, M. A. L. S. Folha SE-22. Goiânia: Geomorfologia. In: RADAMBRASIL. Rio de Janeiro: Ministério das Minas e Energia/ Secretaria Geral, v. 31, p. 338-410, 1983.

MARQUES NETO, R. As superfícies Geomorfológicas e a evolução do relevo brasileiro: transcurso das ideias e correspondência no sul de Minas Gerais, sudeste do Brasil. Ra'e ga, Curitiba, v. 32, p. 267-295, 2014. http://dx.doi.org/10.5380/raega.v32i0.33726

MARQUES, J. J.; SCHULZE, D. G.; CURI, N. MERZTMAN, S. A. Major element geochemistry and geomorphic relationships in Brazilian Cerrado soils. Catena, v. 119, p. 179-195, 2004. https://doi.org/10.1016/S0016-7061(03)00260-X

MARTINS, F. P.; SALGADO, A. A. R. Chapadas do Brasil: abordagem científica e conceitual. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 17, n. 1, (Jan-Mar), p.163-175, 2016. http://dx.doi.org/10.20502/rbg.v17i1.806

MOREIRA, V. B. Geocronologia em ambientes de veredas e campos de murundus na chapada Uberlândia-Uberaba : subsídios à evolução da paisagem. 2017, 123f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2017.

MOREIRA, V. B.; PEREZ FILHO, A. Veredas in the bom jardim river basin: origin, typologies and topographic and morphological characterization. Caminhos de Geografia, v. 18, p. 283-295, 2017.

MOTTA, P. E. F.; CARVALHO FILHO, A.; KER, J. C.; PEREIRA, N. R.; CARVALHO JUNIOR, W.; BLANCANEAUX, P. Relações solo-superfície geomórfica e evolução da paisagem em uma área do Planalto Central Brasileiro. Pesq. agropec. bras., Brasília, v. 37, n. 6, p.869-878, 2002. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-204X2002000600017

NISHIYAMA, L. Geologia do Município de Uberlândia e Áreas adjacentes. Sociedade & Natureza, Uberlândia, v. 1, n. 1, p. 9-16, jan/dez, 1989.

OLIVEIRA, V. A.; JACOMINE, P. K. T.; COUTO, E. G. Solos do Bioma Cerrado. In: CURI, N; KER, J. C.; NOVAIS, R. F.; TORRADO P. V.; SCHAEFER, C. E. G. R. Pedologia: Solos do Bioma Brasileiro. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2017, p.177-226.

PENTEADO, M. M. Geomorfologia do Setor Centro-Ocidental da Depressão Periférica Paulista. 1968. 195f. Tese (Tese Doutorado em Geografia) - Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 1968.

PENTEADO–ORELLANA, M. M. Microrrelevos associados a térmitas no Cerrado. Notícias Geomorfológicas, Campinas, v. 20, n. 39/40, p. 61-72, 1980.

RAMOS, M. M. V. Veredas do Triângulo Mineiro: solos, água e uso. Ciênc. Agrotec, Lavras, v .30, n. 2, p.283-293, 2006. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-70542006000200014

RODRIGUES, T. R. I. Influência de reservatórios hidrelétricos na gênese e evolução da rede de drenagem no baixo curso do rio São José dos Dourados (SP). 2006. 218f. Tese (Doutorado em Engenharia Agrícola) – Faculdade de Engenharia Agrícola, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006.

SALGADO, A. A. R. Superfícies de Aplainamento: antigos paradigmas revistos pela ótica dos novos conhecimentos geomorfológicos. Geografias, v. 3, n. 1, p. 64-78, 2007.

SALGADO-LABORIAU, M, L. História Ecológica da Terra. 2ªEd. São Paulo: Edgard Blucher, 1994.

SCHNEIDER, M. O. Bacia do Rio Uberabinha: Uso agrícola do solo e meio ambiente. 1996. 157f. Tese (Doutorado em Geografia Física) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1996.

SILVA, T, M. Superfícies geomorfológicas do planalto sudeste brasileiro: revisão teórico-conceitual. Geo UERJ, Rio de Janeiro, v. 3, n. 20, p. 1-22, 2009.

STORANI, D. L.; PEREZ FILHO, A. Novas informações sobre geocronologia em níveis de baixo terraço fluvial do Rio Mogi Guaçu, SP, Brasil. Revista Brasileira de Geomorfologia, v.16, n. 2, p.191-199, 2015. http://dx.doi.org/10.20502/rbg.v16i2.656

STRAHLER, A. N. Quantitative analysis of watershed geomorphology. Transactions of the American Geophysical Union, v. 38, n. 6, p. 913–920, 1957. https://doi.org/10.1029/TR038i006p00913

USAF - UNITED STATES AIR FORCE. Fotografias aéreas pancromáticas do município de Uberlândia Escala 1:60000, 1964/1965. (Acervo do laboratório de cartografia do Departamento de Geografia da Universidade Federal de Uberlândia)

USGS - UNITED STATES GEOLOGICAL SURVEY. Shuttle Radar Topography Mission. Disponível em: https://earthexplorer.usgs.gov/. Acessado em: 15 de agosto de 2014.

VALADÃO, R, C. 1998. Evolução de longo-termo do relevo do Brasil Oriental: desnudação, superfícies de aplanamento e soerguimentos crustais. 1998. 243f. Tese (Doutorado em Geologia) – Instituto de Geociências, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 1998.

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Downloads

Não há dados estatísticos.