O emprego de técnicas estatísticas para a compartimentação geoambiental da Serra de Martins-RN
PDF-pt
PDF-en (English)

Palavras-chave

Análise sistêmica
Serra de Martins
Análise Multivariada
Análise de Agrupamentos

Como Citar

MEDEIROS, J. F. DE; CESTARO , L. A. O emprego de técnicas estatísticas para a compartimentação geoambiental da Serra de Martins-RN. Sociedade & Natureza, v. 32, p. 404-415, 29 jun. 2020.

Resumo

A abordagem sistêmica tem sido amplamente disseminada, com significativa aceitação e aplicabilidade na ciência geográfica, principalmente na Geografia Física. A abordagem geossistêmica se refere, muitas vezes apenas ao simples agrupamento de informações temáticas sobre os elementos naturais, empregando a sobreposição de mapas e a interpretação visual como as principais técnicas para individualização e espacialização das unidades homogêneas. Nesse sentido, esse artigo objetiva apresentar a compartimentação geoambiental da Serra de Martins-RN, realizada com suporte na abordagem sistêmica e utilizando a análise multivariada de agrupamento (cluster analysis) como técnica de identificação e de espacialização das unidades geoambientais. Os procedimentos metodológicos utilizados seguiram a ordem: tratamento e análise dos dados, taxonomia das unidades, descrições físico-geográficas, tabulação, e cartografia. Para a aplicação das técnicas estatísticas foi utilizado um conjunto de dados envolvendo variáveis geológicas, geomorfológicas, pedológicas, fitogeográficas e de cobertura da terra, das quais foram selecionadas as mais significativas aplicando-se a técnica de Análise de Componentes Principais a partir da variância mínima. O método possibilitou identificar e espacializar seis Classes de Fácies. Ao final, constatou-se que, embora exista conhecimento mais aprofundado em manipulação de dados e no uso de técnicas complexas, a aplicação de tratamento estatístico mostrou-se objetiva e eficaz para a compartimentação geoambiental.

https://doi.org/10.14393/SN-v32-2020-46691
PDF-pt
PDF-en (English)

Referências

ALENCAR, B. J. Análise multivariada aplicada ao tratamento da informação espacial: uma abordagem matemático-computacional em análise de agrupamentos e análise de componentes principais. Tese (Doutorado em Geografia e Tratamento da Informação Espacial) – Belo Horizonte: PUC. 2009.

BAILEY, R. G. Ecosystem Geography: From Ecoregions to Sites. 2ed. New York: Springer. 2009.

BARROS, J. S.; CASTRO, A. A. J. F. C. Compartimentação geoambiental no Complexo de Campo Maior, PI: uma área de tensão ecológica. Interações, Campo Grande, v. 8, n. 13, p. 119-130, 2006. https://doi.org/10.1590/S1518-70122006000200013

BRASIL. Decreto nº 4.297, de 10 de julho de 2002. 2002. Disponível em: <http://www.icmbio.gov.br/cepsul/images/stories/legislacao/Decretos/2002/dec_4297_2002_zoneamentoecologico_economicodobrasil_zee_altrd_dec_7378_2010.pdf>. Acesso: Junho 06, 2015.

BRASIL. Decreto nº 5.300 de 7 de dezembro de 2004. 2004. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2004/Decreto/D5300.htm>. Acesso: Junho 25, 2015.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente - Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável – Programa Zoneamento Ecológico-Econômico. Programa ZEE do Território Nacional: diretrizes metodológicas para o Zoneamento Ecológico-Econômico do Brasil. 3. ed. Brasília: MMA, 2006.

CARVALHO, R. G.; MEIRELES, A. J. A. Dinâmica Ambiental como critério para o zoneamento do litoral leste de Fortaleza - CE. Mercator, Fortaleza, v.7, n. 14, p. 166-178, 2008. Disponível em: <http://www.mercator.ufc.br/mercator/article/view/217>. Acesso: July 07, 2015.

CAVALCANTI. L. C. de S. Da Descrição de Áreas à Teoria dos Geossistemas: Uma Abordagem Epistemológica sobre Sínteses Naturalistas. Tese (Doutorado em Geografia) – Recife: UFPE. 2013.

CAVALCANTI, L. C. S. Geossistemas de Curuçá, Bahia. Clio Arqueológica (Recife-UFPE), v. 32, n 3, p. 61-87. 2017. Disponível em: <https://www3.ufpe.br/clioarq/images/documentos/V32N3-2017/artigo3v32n3.pdf>. Acesso: Julho 07, 2015.

CESTARO, L. A.; ARAÚJO, P. C. MEDEIROS, C. N.; CISNEIROS, R.; ARAÚJO, L. P. Proposta de unidades geoambientais para o Rio Grande do Norte. In: Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada – natureza, geotecnologia, ética e gestão do território, 2007, Natal. Anais... Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2007.

CHRISTOFOLETTI, A. Modelagem de sistemas ambientais. São Paulo: Edgard Blücher, 1999.

CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. São Paulo: Edgard Blücher, 1980. 188 p.

HAIR, J. F.; ANDERSON, R. E.; TATHAM, R. L.; BLACK, W. C. Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman, 2005.

HAMMER, O.; HARPER, D. A. T.; RYAN, P. D. PAST – Paleontological Statistics, ver. 1.81 (http://folk.uio.no/chammer/past). 2008.

HOFFMANN, R. Componentes principais e análise fatorial. 4. ed. Piracicaba: ESALQ/USP, 1999.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Zoneamento Geoambiental do Estado do Maranhão: diretrizes gerais para ordenação territorial. Divisão de Geociências da Bahia, Salvador. 1997.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Manual técnico de Geomorfologia. Rio de Janeiro: IBGE. 2 ed. 2009. (Manuais Técnicos em Geociências).

ISACHENKO, A. G. Principles of landscape Science and physical-geographic regionalization. Melbourne: Melboune University Press, 1973.

LIMA, F. J.; CESTARO, L. A.; ARAÚJO, P. C. Sistemas geoambientais do municípo do Crato/CE. Mercator, Fortaleza, v. 9, n. 19, p. 129-142. 2010. https://doi.org/10.4215/RM2010.0919.0010.

PHILIPPS, J. D. Earth Surface Systems: Complexity, ordes and scale. Oxford: Blackwell, 1999.

RODRIGUES, J. M. M.; SILVA, E. V.; CAVALCANTI, A. P. B. Geoecologia das Paisagens: uma visão geossistêmica da análise ambiental. 3. ed. Fortaleza: Edições UFC, 2010.

RODRIGUES, J. M. M.; SILVA, E. V. da. Planejamento e Gestão Ambiental: subsídios da geoecologia das paisagens e da teoria geossistêmica. 2. ed. Fortaleza: Edições UFC, 2016.

ROGERSON, P. A. Métodos estatísticos para Geografia: um guia para o estudante. 3ª Ed. Porto Alegre: Bookman, 2012.

ROSSETE, A. N.; SANTOS, J. E. Zoneamento Ambiental do Município de Querência (MT). In: SANTOS, J. E.; SILVA, C. J.; MOSCHINI, L. E. (Org.). Paisagem, biodiversidade e cultura. São Carlos: Rima Editora 2012, p. 01-32.

SALES. V. C. Geografia, sistemas e análise ambiental: abordagem crítica. Espaço e Tempo, São Paulo, n. 16, p.125-141, 2004. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2004.73959.

SANTOS, R. F. Planejamento ambiental: Teoria e prática. São Paulo: Oficina de Textos, 2004. 184 p.

SATO, S. E.; CUNHA, C. M. L. Carta de unidades geoambientais do município de Itanhaém, São Paulo, Brasil. Revista da Gestão Costeira Integrada, v. 13, p. 329-342, 2013. Disponível em: <http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1646-88722013000300006>. Acesso: July 06, 2015.

SILVA, J. S. V; SANTOS, R. F. Zoneamento para o planejamento ambiental: vantagens e restrições de métodos e técnicas. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, v. 21, n. 2, p. 221-263, 2004. Disponível em: <https://seer.sct.embrapa.br/index.php/cct/article/view/8710>. Acesso: JulHO 14, 2015.

SOTCHAVA, V. B. O estudo de geossistemas. São Paulo, Instituto de Geografia USP: Métodos em Questão, n. 16, p. 51, 1977.

SOTCHAVA, V. B. Introdução à Teoria do Geossistema. Novasibéria: Nauka, 1978.

SOUZA, M. J. N.; CARVALHO, G. M. B. S.; SANTOS, S. M.; OLIVEIRA, V. P. V.; CRUZ, L. B. Compartimentação Geoambiental do Estado do Ceará. Fortaleza: FUNCEME, 2009.

TRICART, J.; KIEWITDEJONGE, C. Ecogeography and rural management. Harlowl: Longman Scientific, 1992.

VICINI, L. Análise multivariada da teoria à prática. 2005. 215pf. Monografia (Especialização em Estatística e Modelagem Quantitativa no Departamento de Estatística) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria. 2005.

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Downloads

Não há dados estatísticos.