Variação da cobertura vegetal com ênfase na identificação de mancha de cerrado em um perfil topográfico do semiárido pernambucano - Brasil
PDF-pt
PDF-en (English)

Palavras-chave

Cobertura vegetal
Mancha de cerrado
Perfil topográfico
Semiárido de Pernambuco

Como Citar

SANTOS, L. S.; BARROS SILVA, H. P.; PEREIRA, E. C. G.; SILVA, H. A. Variação da cobertura vegetal com ênfase na identificação de mancha de cerrado em um perfil topográfico do semiárido pernambucano - Brasil. Sociedade & Natureza, v. 32, p. 335-345, 18 maio 2020.

Resumo

O semiárido nordestino é uma das regiões brasileiras mais desconhecidas, no tocante à diversidade vegetacional, uma vez que são propagadas, injustamente, informações que versam sobre as poucas plantas endêmicas da Caatinga. Entretanto, apesar desse bioma ter sofrido bastante pela ação antrópica, este apresenta uma grande diversidade de tipos vegetacionais, inclusive apresentando disjunções de outros biomas em áreas de exceção, como ocorrem nos brejos de altitude, que de maneira pontual estão presentes na paisagem do semiárido nordestino. Com isso, neste estudo buscou-se realizar uma análise no sentido da diferenciação da cobertura vegetal ao longo de um perfil topográfico, em recorte espacial do agreste meridional pernambucano, compreendendo porções dos municípios de Águas Belas, Iati e Saloá, através das dez parcelas instaladas ao longo desse perfil. A aplicação do Índice de Vegetação por Diferença Normalizada (NDVI) mostrou a variação dos valores em função da topografia, revelando que nas áreas de depressão, em que se observa uma caatinga mais seca, obteve-se o menor valor do NDVI (0,18). Em contrapartida, nas áreas de relevo mais elevado, onde se desenvolvem matas serranas e o cerrado, foram encontrados os maiores valores (0,49), mostrando, desta forma, a influência da topografia na distribuição da umidade e feições vegetacionais.

https://doi.org/10.14393/SN-v32-2020-45721
PDF-pt
PDF-en (English)

Referências

AB’SABER, A. N. Os Domínios de Natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê Editorial, 3ª edição, 159 p. 2005.

ASNER, G. P.; NEPSTAD, D.; CARDINOT, G.; RAY, D. Drought stress and carbon uptake in an Amazon forest measured with spaceborne imaging spectroscopy. PNAS, v. 101, n. 16, pp. 6039–6044. 2004. https://doi.org/10.1073/pnas.0400168101

ASNER, G. P.; WARNER, A. S. Canopy shadow in Ikonos satellite observations of tropical forest and savanas. Remote Sensing of Environment, v. 87, p. 521-533, 2003. https://doi.org/10.1016/j.rse.2003.08.006

ASRAR, G.; FUCHS M.; KANEMASU, E. T.; HATFIELD, J. L. Estimating absorbed photosynthetic radiation and leaf area index from spectral reflectance in wheat. Agronomy Journal, v. 76, pp. 300–306. 1984. https://doi.org/10.2134/agronj1984.00021962007600020029x

BASTOS, L. M.; FERREIRA, I. M. Composições fitofisionômicas do bioma Cerrado: Estudo sobre o subsistema de Vereda. Espaço em Revista, v.12, p.99-108, 2010. Available at: https://www.revistas.ufg.br/espaco/article/view/17656 Accessed: May 10, 2015.

BITENCOURT, M. D.; MESQUITA Jr., H. N.; MANTOVANI, W.; BATALHA, M. A.; PIVELLO, V. R. 1997. Identificação de fisionomias de cerrado com imagem índice de vegetação. Pp. 316-320. In: L. L. Leite. & C. H. Saito (orgs.). Contribuição ao Conhecimento Ecológico do Cerrado. Editora Universidade de Brasília, Brasília. 1997.

BURIL, M. L. L; MARTINS, M. C. B; PEREIRA, E. C. G; SILVA, N. H. Estudo comparativo da fração fenólica da imobilização em sistema de fluxo contínuo de Cladonia verticillaris (Raddi) FR. (Ascomycota: Lecanoromycetes) de duas ÁREAS DISTINTAS DE CERRADO. In: 61° Congresso Nacional de Botânica. Manaus, Amazônia, Brasil. 2010.

CARVALHO JÚNIOR, O. A.; SAMPAIO, C. S.; SILVA, N. C.; COUTO JÚNIOR, A. F.; GOMES, R. A. T.; CARVALHO, A. P. F.; SHIMABUKURO, Y. E. Classificação de Padrões de Savana Usando Assinaturas Temporais NDVI do Sensor MODIS no Parque Nacional Chapada dos Veadeiros. Revista Brasileira de Geofísica. Vol. 26 (4). p. 505-517, 2008. https://doi.org/10.1590/S0102-261X2008000400010

CONTI, J. B.; FURLAN, S. A. Geoecologia: O Clima, os Solos e a Biota. In: ROSS, J. S. (Org.). Geografia do Brasil. 4. ed. 1 reimp. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo. 2003.

CORRÊA, A. C. B.; TAVARES, B. A. C.; MONTEIRO, K. A.; CAVALCANTI, L. C. S.; LIRA, D. R. Megageomorfologia e Morfoestruturas do Planalto da Borborema. Revista do Instituto Geológico, n.31. São Paulo. p.35-52. 2010. https://doi.org/10.5935/0100-929X.20100003

HAFFER, J. Speciation in Amazonian Forest Birds. Science, vol. 165, n. 3889. P. 131-137. 1969. https://doi.org/10.1126/science.165.3889.131

IBGE. Manual técnico da vegetação brasileira: sistema fitogeográfico, inventário das formações florestais e campestres, técnicas e manejo de coleções botânicas, procedimentos para mapeamentos. 2a ed. IBGE-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Rio de Janeiro, 275p. 2012. Available at: https://uc.socioambiental.org/sites/uc/files/2019-12/liv63011.pdf. Accessed: May 10, 2019.

MEDEIROS, J. de D. Guia de campo: vegetação do Cerrado 500 espécies. Ministério do Meio Ambiente/SBF, Brasília. 2011.

MENDONÇA, R. C.; FELFILI, J. M.; WALTER, B. M. T.; SILVA JÚNIOR, M. C.; REZENDE, A. V.; FILGUEIRAS, T. S.; NOGUEIRA, P. E. Flora Vascular do Cerrado. Pp. 289-556. In: S. M. SANO; S. P. ALMEIDA (eds). Cerrado: ambiente e flora. Planaltina, EMBRAPA-CPAC. 2008.

MOTA FILHO, F. O.; PEREIRA, E. C. G., LIMA, E. S.; SILVA, N. H.; FIGUEIREDO, R. C. B. Influência de poluentes atmosféricos em Belo Jardim (PE) utilizando Cladonia verticillaris (líquen) como biomonitor. Química Nova, vol. 30, No. 5, pp. 1072-1076, 2007. https://doi.org/10.1590/S0100-40422007000500004

MYNENI, R. B.; HALL, F. G.; SELLERS, P. J.; MARSHAK, A. L. The interpretation of spectral vegetation indexes. IEEE Transactions on Geoscience and Remote Sensing, v. 33, pp. 481–486. 1995. https://doi.org/10.1109/36.377948

NOBREGA, N. A.; RIBEIRO, S. M. A.; PEREIRA, E. C.; MARCELLI, M. M.; MARTINS, M. C. B.; FALCÃO, E. P. S.; GUSMÃO, N. B.; SILVA, N. H. Produção de compostos fenólicos a partir de células imobilizadas do líquen Parmotremaandinum (Müll. Arg.) Hale e avaliação de atividade antimicrobiana. Acta Botanica Brasilica, vol. 26 num. 1: pp. 101-107. 2012. https://doi.org/10.1590/S0102-33062012000100012

PEREIRA, E. C.; SANTOS, L. P.; SILVA, A. K. O.; SILVA, R. F.; SILVA, N. H.; BURIL, M. L. L.; MARTINS, M. C. B.; SANTIAGO, R.; VICENTE, C.; LEGAZ, M. E. Interaction of Cladoniaceae lichens with Quartzarenic Neosols in Northeastern Brazil: a mini review. Revista Brasileira de Geografia Física, vol. 12 num. 06: pp. 2302-2312. 2019.

PIZNAK, M.; BACKOR, M. Lichens affect boreal forest ecology and plant metabolism. South African Journal of Botany, v.124, pp. 530 – 539. 2019. https://doi.org/10.1016/j.sajb.2019.06.025

PRADO, D. E. As Caatingas da América do Sul. In.: LEAL, I. R.; TABARELLI, M. (Eds.) Ecologia e Conservação da Caatinga. Editora Universitária: UFPE. 2003.

RIBEIRO, J. F.; WALTER, B. M. T. As principais fitofisionomias do bioma cerrado. In: SANO, S.M., ALMEIDA, S.P de. (Ed.) Cerrado: ambiente e flora. Brasília: EMBRAPA, v.1, p.152-212. 2008.

SANTOS, L. S.; SILVA, H. P. B.; PEREIRA, E. C. G. Cerrado em área disjunta em brejo de altitude no agreste pernambucano, brasil. Boletim Goiano de Geografia. v.34, n.32, p.337-353. 2014. https://doi.org/10.5216/bgg.v34i2.31735

SILVA, M. L. A Dinâmica de Expansão e Retração de Cerrados e Caatingas no Período Quaternário: Uma Análise Segundo a Perspectiva da Teoria dos Refúgios e Redutos Florestais. Revista Brasileira de Geografia Física. v.4, p.57-73. 2011. https://doi.org/10.26848/rbgf.v4i1.232642

SOBREVILLA, C.; BATH, P. Evaluación ecológica rápida: un manual para usuarios de América Latina y el Caribe. Washington, The Nature Conservancy. 1992.

TROPPMAIR, H. Biogeografia e Meio Ambiente. 7. ed. Rio Claro: Divisa. 2006. Available at: http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/imgs-unidades-coservacao/naturezaemfoco.pdf Accessed: June 17, 2016.

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Downloads

Não há dados estatísticos.