Rios urbanos e a política de canalização
PDF-pt
PDF-en (English)

Palavras-chave

Presidente Prudente
córregos urbanos
canalizações.

Como Citar

FAGUNDES, B. Rios urbanos e a política de canalização. Sociedade & Natureza, v. 32, p. 416-425, 9 jul. 2020.

Resumo

A maioria dos cursos d’água da cidade de Presidente Prudente se encontra com canalização e muitos outros são inacessíveis à população. Os cursos d’água da cidade estão degradados com leitos assoreados, processos erosivos intensos, acúmulo de lixo nas margens e nas áreas adjacentes ao córrego. Por isso, este estudo teve como objetivo investigar como as intervenções e ações do poder público afetaram os córregos urbanos de Presidente Prudente ao longo do tempo, bem como, as leis de proteção a essas águas e a sua aplicabilidade durante o processo de expansão urbana. O estudo compreendeu trabalhos de campo, entrevistas com citadinos, análise de imagens de satélite do Google Earth, de pesquisas que sobre questões ambientais e de produção do espaço urbano de Presidente Prudente, assim como, a análise de vários documentos. Os resultados revelaram que o planejamento urbano de Presidente Prudente privilegiou o setor imobiliário, sem considerar o marco legal que protege os cursos d’água da cidade. Na estruturação da cidade, suas águas foram levadas a circular por galerias de concreto, com subsequente construção de espaços públicos de lazer como solução imediata para os problemas ambientais instalados nos fundos de vale. Esse processo, associado à falta de espaços urbanos valorizando a presença das águas na paisagem, contribuiu para que a população aceitasse as canalizações como destino final das águas urbanas.

https://doi.org/10.14393/SN-v32-2020-44991
PDF-pt
PDF-en (English)

Referências

AMORIM, F. O. Parque de Uso Múltiplo (PUM) em Presidente Prudente, São Paulo - propostas de intervenção no espaço urbano. In: SIMPÓSIO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA URBANA, 2., 2009, Maringá. Anais... Maringá: [Departamento de Engenharia Civil/Universidade Estadual de Maringá], 2009. Disponível em: http://www.dec.uem.br/eventos/ii_simpgeu/arquivos/Trabalhos/122.pdf. Acesso em: 03 jan. 2018.

AMORIM, M. C. C. T. O clima urbano de Presidente Prudente (SP). 2000. 374 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.

BARROS, C. C. Saneamento básico em Presidente Prudente – São Paulo: histórico do abastecimento de água, da coleta e do tratamento de esgoto no município. 2009. 150 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Geografia) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2009.

BRASIL. Lei nº 4.771, de 15 de setembro de 1965. Institui o novo Código Florestal. Brasília, DF, 1965. Publicado no DOU de 16 set. 1965 e retificado em 28 set. 1965. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L4771impressao.htm. Acesso em: 7 maio 2017.

CAETANO, J. Os fundos de vale da política brasileira. Portal Prudentino, Presidente Prudente, 10 fev. 2011. [Seção Blogs] - Blog História e Política. Disponível em: http://www.portalprudentino.com.br/blog.php?id=81&post=100. Acesso em: 18 jan. 2018.

FAGUNDES, B. As águas da cidade de Presidente Prudente – SP - Brasil: Memória e Representação Social. 2018. 367 f. Tese (Doutorado em Geografia) - Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2018.

GODOY, M. C. T. F. de. Mapeamento geotécnico preliminar da região urbana de Presidente Prudente – SP. 1989. 2 v. Dissertação (Mestrado em Geotecnia) – Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, 1989.

HORA, M. L. F. O Projeto Cura III em Presidente Prudente: uma porta para a cidade? 1997. 273 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 1997.

IKUTA, F. A. A cidade e as águas: a expansão territorial urbana e a ocupação dos fundos de vales em Presidente Prudente-SP. 2003. 191 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2003.

MARISCO, L. M. O. Contribuição ao estudo do planejamento municipal no Brasil: o plano diretor de desenvolvimento integrado de Presidente Prudente (SP) – 1969. 1997. 276 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 1997.

MELAZZO, E. S.; SPOSITO, M. E. B. Plano diretor e legislação urbanística. In: MELAZZO, E. S.; GUIMARÃES, R. B. (Org.). Conjuntura Prudente 2002. Presidente Prudente: GAsPERR/FCT/UNESP, 2002, p. 129-131.

PLANO Diretor de Presidente Prudente. São Paulo: CPEU/FAUUSP, 1969. 5 v. Estudo elaborado para a Prefeitura Municipal de Presidente Prudente, Estado de São Paulo.

SAHR, W.-D. Apresentação. In: FAGUNDES, B. A problemática da água como representação social: um estudo de caso com os moradores do Bairro Alto da XV em Guarapuava-PR. Jundiaí: Paco, 2015, p. 9-12.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: EDUSP, 2002. p. 13-259.

SÃO PAULO. Lei nº 7.663, de 30 de dezembro de 1991. Estabelece normas de orientação à Política Estadual de Recursos Hídricos bem como ao Sistema Integrado de Gerenciamento de Recursos Hídricos. São Paulo, SP, 1991. Publicada na Assessoria Técnico-Legislativa em 30 dez. 1991. Disponível em: http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei/1991/lei-7663-30.12.1991.html. Acesso em: 03 out. 2017.

SÃO PAULO. Ministério Público. Assunto: Canalização de córregos na cidade de Presidente Prudente – SP. Parecer técnico. Autos: PT nº 439/05. Presidente Prudente, 11 nov. 2005a.

SÃO PAULO. Secretaria de Recursos Hídricos, Saneamento e Obras. Departamento de Águas e Energia Elétrica. [Outorgas – canalização]. São Paulo, 2005b. Requerimento de outorga de direito de uso de recursos hídricos ao Departamento de Águas e Energia Elétrica – DAEE. Processo nº 9400819, Provisória 12.

SAWADA, F. T.; TRAJANO, G. S.; NUNES, L. F. A.; MALAVAZZI, M. A.; FREITAS, R.; SILVA, E. W. A. Análise espaço-temporal do Parque do Povo de Presidente Prudente a partir de fotos aéreas e imagem orbital. 2007. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Engenharia Cartográfica) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2007. 1 CD-ROM.

SILVA, V. C. P. Ícones de uma cidade em expansão: imaginário e memória. 2002. 175 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2002.

SPOSITO, M. E. B. O chão em Presidente Prudente: a lógica da expansão territorial urbana. 1983. 230 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 1983.

SUDO, H.; LEAL, A. C. Aspectos geomorfológicos e impactos ambientais da ocupação dos fundos de vales em Presidente Prudente – SP. Sociedade & Natureza, Uberlândia. v. 15. 1996. p. 362-367.

SUERTEGARAY, D. M. A. Espaço geográfico uno e múltiplo. In: SUERTEGARAY, D. M. A.; BASSO, L. A.; VERDUM, R. (Org.). Ambiente e lugar no urbano: a grande Porto Alegre. Porto Alegre: Ed. Universidade, 2000. p. 13-34.

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Downloads

Não há dados estatísticos.