A vulnerabilidade de populações indígenas: qualidade da água consumida pela comunidade Maxakali, Minas Gerais, Brasil
PDF-pt
PDF-en (English)

Palavras-chave

Qualidade da água
Água superficial
Água subterrânea
Índios Maxakali
Vulnerabilidade

Como Citar

DE ASSIS, E. M.; SANTOS, E. M.; FARIA, M. C. DA S.; RODRIGUES, J. L.; GARCEZ, A.; BOMFETI, C. A.; BARCELLOS, N. T. A vulnerabilidade de populações indígenas: qualidade da água consumida pela comunidade Maxakali, Minas Gerais, Brasil. Sociedade & Natureza, v. 32, p. 279-290, 4 maio 2020.

Resumo

Com aproximadamente 1800 indivíduos, distribuídos em quatro aldeias, o povo Maxakali é a segunda maior população indígena aldeada no Estado de Minas Gerais. A avaliação da qualidade da água utilizada para consumo e lazer nesta população geralmente é realizada por meio de critérios de palatabilidade e visuais. Dessa forma, realizou-se um estudo descritivo incluindo amostras de água superficial e subterrânea consumida em quatro aldeias, considerando a coleta em três períodos sazonais durante o ano de 2015. Foram mensurados o pH (potencial de hidrogeniônico), turbidez, concentração de oxigênio dissolvido, condutividade, nitrato, coliformes totais e termotolerantes. As aldeias com maior número de amostras com valores superiores aos toleráveis  foram a Aldeia Verde (100%), seguido da Aldeia Água Boa (85,7%) e Pradinho (71,4%). O oxigênio dissolvido e os coliformes totais e termotolerantes estiveram alterados em todas as aldeias, com percentuais superiores a 50% das amostras. A turbidez e a condutividade tiveram alterações detectadas em três das quatro aldeias analisadas. Assim, a água consumida por essa comunidade, in natura, conforme a tradição local, apresenta elevado risco para a ocorrência de doenças de veiculação hídrica nesse grupo populacional.

https://doi.org/10.14393/SN-v32-2020-43436
PDF-pt
PDF-en (English)

Referências

ALABURDA, J.; NISHIHARA, L. Presença de compostos de nitrogênio em águas de poços. Revista de Saúde Pública, v. 32, n. 2, p. 160-165, 1998. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101998000200009

AMARAL, L. A. et al. Água de consumo humano como fator de risco à saúde em propriedades rurais. Revista de Saúde Pública, v. 37, n. 4, p. 510-514, 2003. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102003000400017

APHA - American Public Health Association. Standard Methods for the Examination of Water e Wastewater, 22 ed. Washington, NW, 2012.

ASSIS, E. M. et al. Prevalência de parasitos intestinais na comunidade indígena Maxakali, Minas Gerais, Brasil, 2009. Cadernos de Saúde Pública, v. 29, n. 4, p. 681-690, 2013. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2013000400006

BEVILACQUA, P. D. et al. Perfil parasitológico e qualidade da água para consumo humano: aplicação da metodologia da avaliação de risco. Revista Brasileira de Epidemiologia, Suplemento Especial:454, 2002.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Resolução 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Conselho Nacional do Meio Ambiente-CONAMA. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 18 mar. 2005. Disponível em: < http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=459 >. Acesso em: 02 jun. 2016.

______ . Ministério do Meio Ambiente. Resolução n° 396, de 3 de abril de 2008. Dispõe sobre a classificação e diretrizes ambientais para o enquadramento das águas subterrâneas e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 07 abril. 2008. Disponível em: < http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=562 >. Acesso em: 14 jun. 2016.

______ . Fundação Nacional de Saúde. Manual prático de análise de água. 3. ed. Brasília: Funasa, 2009.

______ . Ministério da Saúde. Portaria nº 2914, de 12 de dezembro de 2011. Dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 14 dez. 2011. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2914_12_12_2011.html >. Acesso em: 18 nov. 2016.

______ . Ministério da Saúde. Sistema de Informação da Atenção à Saúde Indígena 2013. Brasília, DF. Disponível em: < http://portalms.saude.gov.br/saude-indigena/gestao/siasi >. Acesso em: 20 jul. 2015.

BROOKS, G. F. et al. Microbiologia Médica de Jawetz, Melnick & Adelberg. 26 ed. Porto Alegre: AMGH Editora, 2014.

CARVALHO, M. A.; ALVES, T. C. G. A relação natureza e cultura entre os Maxakali: formulando conceitos. In: SEMINÁRIO VISÕES DO VALE, 2009, Anais... Belo Horizonte, Visões do Vale. 2009.

CETESB - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo. Guia nacional de coleta e preservação de amostras: àgua, sedimento, comunidades aquáticas e efluentes líquidos. Org. Carlos Jesus Brandão...[et al.]. São Paulo: CETESB, 2011.

DIEGUES, A. C. S. Ilhas e mares: simbolismo e imaginário. São Paulo: Hucitec, 1998.

FERNANDES, Â. M. F. Diagnóstico da qualidade da água subterrânia em propriedade rural no município de Planalto, RS. 2012. Monografia (Curso de Geografia) - Departamento de Humanidades e Educação da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul-UNIJUI, Ijuí, 2012.

FERRAZ, C. M. L.; VALADÃO, R. C. Barreiras: formação ou grupo? (contribuições da análise geomorfológica do litoral sul da Bahia e das" chapadas" do Jequitinhonha). In: CONGRESSO ABEQUA, 10., 2005, Guarapari. Resumos Expandidos... Guarapari: ABEQUA, 2005.

FERREIRA, P. A. Aspectos físico-químicos do solo. In: GHEI, H. R.; QUEIROZ, J. E.; MEDEIROS, J. F. Manejo e controle da salinidade na agricultura irrigada. Campina Grande: UFPB/SBEA, 1997.

GHEYI, H. R.; QUEIROZ, J. E.; DE MEDEIROS, J. F. Manejo e controle da salinidade na agricultura irrigada. Campina Grande: UFPB/SBEA, 1997.

GIACOMETTI, L. Qualidade microbiológica, concentração de nitratos em águas de consumo alternativo (minerais e de poços) da cidade de Jaboticabal-SP. 2001. Dissertação (Mestrado em Microbiologia) - Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias da Universidade Estadual Paulista, São Paulo, 2001.

GONÇALVES, M. L. C.; ARAÚJO, A. ; FERREIRA, L. F. Human intestinal parasites in the past: new findings and a review. Memorias do Instituto Oswaldo Cruz, v. 98, p. 103-118, 2003. http://dx.doi.org/10.1590/S0074-02762003000900016

LAS CASAS, R. Saúde maxakali, recursos de cura e gênero: análise de uma situação social. 2007. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) - Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.

MACÊDO, J. A. B. Águas & águas. São Paulo: Livraria Varela, 2001.

PELCZAR JR, M. J. et al. Microbiologia: conceitos e aplicações. 2 ed. São Paulo: Makron Books, 1996.

PIERZYNSKI, G. M.; VANCE, G. F.; SIMS, J. T. Soils and environmental quality. Boca Raton: CRC press, 2005.

QUEIROZ, M. F. et al. A qualidade da água de consumo humano e as doenças diarréicas agudas no Município do Cabo de Santo Agostinho, PE. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. Suplemento Especial:456, 2002.

RAZZOLINI, M. T. P.; GÜNTHER, W. M. R. Impactos na saúde das deficiências de acesso a água. Saúde e Sociedade, v. 17, n. 1, p. 21-32, 2008. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902008000100003

ROITMAN, I.; TRAVASSOS, L. R.; AZEVEDO, J. L. Tratado de microbiologia. São Paulo: Manole, 1988.

ROMERO, J. A. R. Análise espacial da pobreza municipal no Estado de Minas Gerais, 1991-2000. In: ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS, 14., 2006 Anais... Caxambu: ABEP, 2006.

TALLON, P. et al. Microbial indicators of faecal contamination in water: a current perspective. Water, Air, and Soil Pollution, v. 166, n. 1-4, p. 139-166, 2005. http://dx.doi.org/10.1007/s11270-005-7905-4

TEIXEIRA, J. C. et al. Estudo do impacto das deficiências de saneamento básico sobre a saúde pública no Brasil no periodo de 2001 a 2009. Engenharia Sanitaria e Ambiental, v. 19, n. 1, p. 87-96, 2014. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-41522014000100010

VERNIER, J. O meio ambiente. Campinas: Papirus, 1994.

VON SPERLING, M. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1996.

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Downloads

Não há dados estatísticos.