Fatores a serem observados na criação de Áreas Protegidas: o caso do Parque Nacional do Descobrimento (Prado/BA)
PDF-pt
PDF-en (English)

Palavras-chave

Biologia da Conservação
Manejo de Parques
Conservação da Biodiversidade

Como Citar

PONTES, E. J.; FERNANDES, G. W.; PEREIRA NETO, P. A. Fatores a serem observados na criação de Áreas Protegidas: o caso do Parque Nacional do Descobrimento (Prado/BA). Sociedade & Natureza, v. 32, p. 1-16, 7 jan. 2020.

Resumo

A criação de áreas protegidas é um dos mecanismos encontrados para garantir a proteção da biodiversidade frente às constantes e crescentes ameaças. Neste estudo buscou-se analisar conceitos da Biologia da Conservação e sua aplicação na criação e ampliação do Parque Nacional do Descobrimento/BA, a partir da coleta de dados primários e secundários sobre a UC bem como a utilização de ferramentas de geoprocessamento. A criação da UC foi guiada basicamente pela oportunidade de aquisição da área, sendo que grandes oportunidades para a conservação da biodiversidade na região foram desconsideradas no processo. Discute-se também o grau de confiabilidade dos instrumentos de planejamento da UC bem como situações envolvendo a inserção da mesma na Zona de Amortecimento.

https://doi.org/10.14393/SN-v32-2020-39010
PDF-pt
PDF-en (English)

Referências

ALMEIDA, D. S.; NUNES, B. G.; COUTO, P. G. ARAÚJO, R. P.; RIOS, R. Rede de Reservas Particulares Interligadas do entorno do Parque Nacional do Descobrimento. Proposta da Ameparna para conservação ambiental do entorno do Parque Nacional do Descobrimento. Prado. Bahia. 2006. Disponível em: . Acesso em 10/04/2017.

BARBOSA, N. P. U.; WILSON FERNANDES, G.; CARNEIRO, M. A. A.; JÚNIOR, L. A. C. Distribution of non-native invasive species and soil properties in proximity to paved roads and unpaved roads in a quartzitic mountainous grassland of southeastern Brazil (rupestrian fields). Biological Invasions, v. 12, n. 11, 2010. https://doi.org/10.1007/s10530-010-9767- y

BARRYMAN, A. A. Population: a central concept for ecology? Oikos, v. 97, n. 3. 2002. https://doi.org/10.1034/j.1600- 0706.2002.970314.x

BRASIL. Decreto s/n, de 20/04/1999. Disponível em: , Acesso em 10/04/2017. BRASIL. Lei 9.985, de 18 de julho de 2000. Disponível em , Acesso em 10/04/2017.

BRASIL. Decreto Federal no 4.340, de 22 de agosto de 2002. Disponível em , Acesso em 10/04/2017.

BRASIL. Decreto s/no, de 05 de junho de 2012. Disponível em: , Acesso em 10/04/2017.

BUCCI, T. M. Implementação da Reserva Extrativista Marinha do Corumbau-BA: relações de atores e processos de mudanças. Dissertação de mestrado apresentada na Universidade Estadual de Santa Cruz. 2009. Disponível em . Acesso em 10/04/2017.

CADDOTTE, M. W.; DAVIES, T. J. Rarest of the rare: advances in combining evolutionary distinctiveness and scarcity to inform conservation at biogeographical scales. Diversity and Distributions, v. 16. 2010. https://doi.org/10.1111/j.1472- 4642.2010.00650.x

CARVALHO, S. P. A área e o perímetro de um círculo. 1o Colóquio da Região Sudeste. Universidade Federal de Minas Gerais. 2011. Disponível em: . Acesso em 10/04/2017.

CHIARELLO, A. G. Density and population size of mammals in remnants of Brazilian Atlantic Forest. Conservation Biology, v. 14, n. 06. 2000.

CHIARELLO, A. G. Influência da caça ilegal sobre mamíferos e aves das matas de tabuleiro do norte do estado do Espírito Santo. Bol. Mus. Biol. Melo Leitão, 11/12. 2000.

CHRISTEN, D. C.; MATLACK, G. R. The habitat and conduit functions of roads in the spread of three invasive species. Biological Invasions, v. 11. 2009. https://doi.org/10.1007/s10530-008- 9262-x

D’AMICO, A. R. Efetividade dos diagnósticos ambientais para subsidiar o planejamento de Unidades de Conservação Federais no Brasil. Dissertação de mestrado em Ecologia, Conservação e Manejo da Vida Silvestre. Belo Horizonte. UFMG. 2016. Disponível em: . Acesso em 10/04/2017.

DIAMOND, J. M. The island Dilemma: lessons of modern biogeographic studies for the design of nature reserves. Biological Conservation, v. 7. 1975. https://doi.org/10.1016/0006- 3207(75)90052-X

DOMINGUES, J. M. L. (org). Projeto Costa do Descobrimento: avaliação da potencialidade mineral e subsídios ambientais para o desenvolvimento sustentado dos municípios de Belmonte, Santa Cruz Cabrália, Porto Seguro e Prado. Salvador, CBPM, p.163. 2000. Disponível em . Acesso em 10/04/2017.

DOUROJEANNI, M. J. Análise Crítica dos Planos de Manejo de Áreas Protegidas no Brasil In Áreas Protegidas: Conservação no Âmbito do Cone Sul (A. Bager, ed.) Pelotas, p.1-20. 2003. Disponível em . Acesso em 10/04/2017.

FAHRIG, L. Effects of habitat fragmentation on biodiversity. Annual Review of Ecology, Evolution, and Systematics, v. 34. 2003. https://doi.org/10.1146/annurev.ecolsys.34.011 802.132419

GELBARD, J. L.; BELNAP, J. Roads as conduits for exotic plant invasions in a Semiarid Landscape. Conservation Biology, v. 17, n. 2. 2003. https://doi.org/10.1046/j.1523- 1739.2003.01408.x

INSTITUTO BRASILEIRO DE MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Efetividade de gestão das Unidades de Conservação Federais do Brasil. Brasília. DF. 2007. Disponível em . Acesso em 10/04/2017.

INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE – ICMBio. Efetividade de gestão das Unidades de Conservação Federais do Brasil. Brasília. DF. 2010. Disponível em . Acesso em 10/04/2017.

INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE – ICMBio. Plano de Manejo do Parque Nacional do Descobrimento. Brasília. DF. 2014. Disponível em . Acesso em 10/04/2017.

HELZER, C. J.; JELINSK, D. E. The relative importance of patch area and perimeter-area ratio to grassland breeding birds. Ecological Applications, v. 9, n. 4. 1999. https://doi.org/10.2307/2641409

MARCHIORO, G. B.; NUNES, M. A. Avaliação de impactos da exploração e produção de hidrocarbonetos no Banco dos Abrolhos e adjacências. (G.F DUTRA; R. L MOURA, eds). Conservation International Brasil. Caravelas. 2003. Acesso em 10/04/2017.

MARCO, M. D.; BUTCHART, S. H. M.; VISCONTI, P.; BUCHANAN, G. M.; FICETOLA, G. F.; RONDININI, C. Synergies and trade-offs in achieving global biodiversity targets. Conservation Biology, v. 30. 2015. https://doi.org/10.1111/cobi.12559

MARGULES, C.; USHER, M. B. Criteria used in assessing wildlife conservation potential: a review. Biological Conservation., v. 21. 1981. https://doi.org/10.1016/0006- 3207(81)90073-2

MARTIN, L.; BITTENCOURT, A. C. S. P.; VILAS BOAS, G. S. Mapa Geológico do Quaternário Costeiro do Estado da Bahia, escala 1: 250.000. CPM/SME, Salvador, Bahia, Brasil. 1980. Disponível em . Acesso em 10/04/2017.

MEIRA NETO, J. A. A.; SOUZA, A. L.; LANA, J.; VALENTE, G. E. Composição florística, espectro biológico e fitofisionomia da vegetação de muçununga nos municípios de Caravelas e Mucuri/Bahia. Revista Árvore, v. 29, n. 1. 2005. https://doi.org/10.1590/S0100- 67622005000100015

METZGER, J. P. O que é ecologia de paisagens? Revista Biota Neotropica, v. 1, n. 1. 2001. https://doi.org/10.1590/S1676- 06032001000100006

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA. Avaliação e ações prioritárias para a conservação da biodiversidade da Mata Atlântica e Campos Sulinos: Brasil. Brasília: MMA. p.40. 2000. Disponível em . Acesso em 10/04/2017.

MYERS, N.; MITTERMEIER, R. A.; MITTERMEIER, C. G.; DA FONSECA, G. A.B.; KENT, J. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature, v. 403. 2000. https://doi.org/10.1038/35002501

NEWMARK, W. D. Extinction of mammal populations in western north-american national parks. Conservation Biology, v. 9. 1995. https://doi.org/10.1046/j.1523- 1739.1995.09030512.x

NOBRE, A. F. O futuro climático da Amazônia: relatório de avaliação científica. Patrocinado por ARA, CCST-INPE e INPA. São José dos Campos, Brasil. 2014. Disponível em . Acesso em 10/04/2017.

NODARI, P. C.; SAUGO, F. Esclarecimento, autonomia e educação em Kant. Conjectura, v. 16. 2011. Disponível em . Acesso em 10/04/2017.

PÁDUA, C. V.; CHIARAVALLOTI, R. M. Biodiversidade e áreas protegidas. In: Áreas Protegidas / Fundo Vale. 1a ed. Rio de Janeiro. RJ. 2012. Disponível em . Acesso em 10/04/2017.

PAULA, M. D.; GROENEVELD, J.; HUTH, A. The extent of edge effects in fragmented landscapes: insights from satellite measurements of tree cover. Ecological Indicators, v. 69. 2016. https://doi.org/10.1016/j.ecolind.2016.04.018

PAVIOLLO, A.; BLANCO, Y. E. Di.; ANGELO, C. D. De; BITETTI, M. S. Di. Protection affects the abundance and activity of Pumas in the Atlantic Forest. Journal of Mammalogy, v. 90, n. 4. 2009. https://doi.org/10.1644/08- MAMM-A-128.1

PONTES, J. A. L.; MELLO, F. A. P. Uso público em Unidades de Conservação de Proteção Integral: considerações sobre impactos na biodiversidade. Anais Uso Público em Unidades de Conservação, v. 1, n. 1. Niterói, RJ. 2013. Disponível em . Acesso em 10/04/2017.

PONTES JUNIOR, E. Análise da efetividade da gestão do Parque Nacional do Descobrimento. Dissertação de mestrado apresentada na Universidade Estadual de Montes Claros. 2016. (Disponível em . Acesso em 10/04/2017.

REDFORD, K. H.; ROBINSON, J. G. Park size and the conservation of forest mammals in Latin America. In: MARES, M. A.; SCHMIDLY, D. J. (Ed). Latin American Mammalogy: history, biodiversity and conservation. Oklahoma: University of Oklahoma Press. p.277-234. 1991

RIBEIRO, M. C.; METZGER, J. P.; MARTENSEN, A. C.; PONZONI, F. J.; HIROTA, M. M. The Brazilian Atlantic Forest: How much is left, and how is the remaining forest distributed? Implications for conservation. Biological Conservation, v. 142. 2009. https://doi.org/10.1016/j.biocon.2009.02.021

ROCHA, L. C.; FERREIRA, A. C.; FIGUEIREDO, M. A. A rede global de geoparques e os desafios da integração dos Geoparques Brasileiros. Caderno de Geografia, v. 27. 2017. https://doi.org/10.5752/p.2318- 2962.2017v27nesp2p271

RODRIGUES, E. Ecologia da Restauração. Ed. Planta. Londrina. p.300. 2013. SANTOS, A. L. S.; MELLO, A. M. R. F.; EISENLOHR, P. V. Trilhas podem influenciar a composição florística e a diversidade de epífitas na Floresta Atlântica? Hoehnea, v. 37, n. 4. 2010. https://doi.org/10.1590/S2236- 89062010000400005

SAYRE, R.; ROCA, E.; SEDAGHATKISHI, G.; YOUNG, B.; KEEL, S.; ROCA, R.; SHEPPARD, S. Natureza em foco: avaliação ecológica rápida 10 anos depois. The Nature Conservancy. Arlington. 2003. Disponível em . Acesso em 10/04/2017.

SRIVASTAVA, D. S.; CADDOTE, M. W.; MACDONALD, A. A. M.; MARUSHIA, R. G.; MIROTCHNICK, N. Phylogenetic diversity and the functioning of ecosystems. Ecology Letters, v. 15. 2012. https://doi.org/10.1111/j.1461- 0248.2012.01795.x

TABARELLI, M.; GASCON, C. Lições da pesquisa sobre fragmentação: aperfeiçoando políticas e diretrizes de manejo para a conservação da biodiversidade. Megadiversidade, v. 1, n. 1. 2005.

TABARELLI, M.; LOPES, A. V. Edge-effects drive tropical forest fragments towards an early successional system. Biotropica, v. 40, n. 6. 2008. https://doi.org/10.1111/j.1744- 7429.2008.00454.x

TABARELLI, M.; PERES, C. A.; MELO, F. P. L. The “few winners and many losers” paradigm revisited: Emerging prospects for tropical forest biodiversity. Biological Conservation, v. 155. 2012. https://doi.org/10.1016/j.biocon.2012.06.020

TERBORG, J. Maintenance of diversity in tropical forests. Biotropica, v. 24, n. 2. 1992. https://doi.org/10.2307/2388523

WELNER, J. 1995. Natural communities conservation planning: An ecosystem approach to protecting endangered species. Stanford Law Review, v. 47, n. 02. https://doi.org/10.2307/1229230

WILLIANS, J. C.; REVELLE, C. S.; LEVIN, S. A. Spatial attributes and reserve design models: A review. Environmental Modeling and Assessment. v. 10. 2005. https://doi.org/10.1007/s10666-005-9007-5

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Downloads

Não há dados estatísticos.