Aspectos teóricos sobre o ensino de ciências por investigação

Main Article Content

José Galúcio Campos
Daniel Richardson de Carvalho Sena

Resumo

Este texto apresenta considerações teóricas sobre o ensino por investigação. Em atenção a diversidade de atribuição de significados a esta abordagem didática apresentamos duas possíveis delimitações: primeiramente sobre o tipo de investigação que se deve praticar, em segundo, sobre o tipo de problema que se deve investigar; tanto a primeira como a segunda apresentam-se no contexto da escola básica. Em seguida, propomos três bases epistemológicas que devem fundamentar o ensino de ciências por investigação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Campos , J. G., & Sena, D. R. de C. (2020). Aspectos teóricos sobre o ensino de ciências por investigação. Ensino Em Re-Vista, 27(Especial), 1467-1491. https://doi.org/10.14393/ER-v27nEa2020-13
Seção
Artigos

Referências

ABBAGNANO, N. Dicionário de Filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

ABD-EL-KHALICK, F. et al. Inquiry in science education: International perspectives. Science education, v. 88, n. 3, p. 397 – 419, 2004.

BACON, F. Novum Organun. In: Os pensadores. [S.l.]: Abril Cultural, 1988.

BARROW, L. H. A brief history of inquiry: From Dewey to standards. Journal of Science Teacher Education, v. 17, n. 3, p. 265 – 278, 2006.

BECKER, F. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003.

CAMPOS, J. G. Desenvolvendo o pensamento abstrato no ensino de física por investigação. 2018. Tese (Doutorado) – Escola Normal Superior, Universidade do Estado do Amazonas, Manaus.

CARVALHO, A. M. P. de (org). Termodinâmica: um ensino por investigação. 1ª ed. São Paulo: Livraria da Física, 2014.

CASTAÑON, G. A. O que é construtivismo? Caderno de História e Filosofia da Ciência, v. 1, n. 4, p. 209 – 242, 2015.

CLARK RICHARD E.; KIRSCHNER, P. A.; SWELLER, J. Putting students on the path to learning the case for fully guided instruction: the case for fully guided instruction. American Educator, v. 36, n. 1, p. 6 – 11, 2012.

CRATO, N. O eduquês em discurso directo: uma crítica da pedagogia romântica e construtivista. 11a ed. Lisboa: Gradiva, 2010.

FERREIRA, L. H.; HARTWIG, D. R.; OLIVEIRA, R. C. de. Ensino experimental de química: uma abordagem investigativa contextualizada. Química Nova na Escola, São Paulo, v. 32, n. 2, p. 101 – 106, 2010.

GASPAR, A. Atividades experimentais no ensino de Física: uma nova visão baseada na teoria de Vigotski. 1ª ed. São Paulo: Livraria da Física, 2014.

HESSEN, J. Teoria do conhecimento. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

HUME, D. Investigação sobre o entendimento humano. In: Os pensadores. 3ª ed. São Paulo: Abril Cultural, 1984.

KANARI, Z.; MILLAR, R. Reasoning from data: How students collect and interpret data in science investigations. Journal of research in science teaching, Wiley Online Library, v. 41, n. 7, p. 748 – 769, 2004.

KANT, I. Crítica da razão pura. In: Os pensadores. São Paulo: Abril, 1983.

KANT, I. Crítica da razão pura. São Paulo: Fundação Calouste Goubenkian, 1994.

KASSEBOEHMER, A. C.; FERREIRA, L. H. Elaboração de hipóteses em atividades investigativas em aulas teóricas de química por estudantes de ensino médio. Química nova na escola, São Paulo, v. 35, n. 3, p. 158 – 165, 2013.

NCR. National science education standards. [S.l.]: National Academies Press, 2000.

NUSSENZVEIG, H. M. Curso de física básica: Mecânica. Porto Alegre: Editora Blucher, 2013. v. 1.

RODRIGUES, B. A.; BORGES, A. T. O ensino de ciências por investigação: reconstrução histórica. Anais do XI Encontro de Pesquisa em Ensino de Física, 2008, Florianópolis, p. 1 – 12.

SANTOS, J. C. F. dos. Aprendizagem significativa: modalidades de aprendizagem e o papel do professor. 5ª ed. Porto Alegre: Mediação, 2013.

SASSERON, L. H. Alfabetização científica, ensino por investigação e argumentação: relações entre ciências da natureza e escola. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 17, n. spe, p. 49 – 67, 2015.

STERNBERG, R. J.; STERNBERG, K. Psicologia cognitiva. 2a ed. São Paulo: CENGAGE Learning, 2016.

TERRIBILE, M. de A. A relação entre a crítica de Jean Piaget às epistemologias clássicas e a explicação do processo de produção de novidade. Schème, Marília, v. 11, n. 1, p. 4 – 21, 2019.

TRÓPIA, G. Percursos históricos de ensinar ciências através de atividades investigativas. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 13, n. 1, p. 121 – 138, 2011.

WILLINGHAM, D. T. Por que os alunos não gostam da escola? Respostas da ciência cognitiva para tornar a sala de aula mais atrativa e efetiva. 1ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2011.

ZÔMPERO, A. F.; LABURÚ, C. E. Atividades investigativas no ensino de ciências: aspectos históricos e diferentes abordagens. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 13, n. 3, p. 67 – 80, 2011.