O funcionamento do discurso sobre o ingresso dos negros no ensino superior em campanhas publicitárias de vestibular

Main Article Content

Guilherme Marques Pereira

Resumo

À luz da Análise de Discurso, objetivou-se identificar o funcionamento do discurso do ingresso dos negros em campanhas publicitárias de vestibular. Mediante as análises, não se pode esquivar de que o Estado que visa conceber igualdade não pode segregar seus indivíduos. Constatou-se que existem outros problemas a serem enfrentados pelo Estado para provocar uma nova conjuntura social e constitucional, tais como a oferta de condições decentes para que brancos, pardos e negros possam viver em sociedade, de modo pacificado, mediante a promoção de empregos e ensino de qualidade garantidos a todos. Concluiu-se que os problemas que envolvem a (falta de) igualdade e a (falta de) dignidade não se extinguirão, pois como o problema da questão racial é um tanto quanto complexo, as políticas públicas devem buscar solucioná-lo em sua origem, e não tratá-lo no seu fim.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Pereira, G. M. (2020). O funcionamento do discurso sobre o ingresso dos negros no ensino superior em campanhas publicitárias de vestibular. Ensino Em Re-Vista, 27(Especial), 1430-1450. https://doi.org/10.14393/ER-v27nEa2020-11
Seção
Artigos

Referências

BARCELOS, A P. A eficácia jurídica dos princípios constitucionais. Rio de Janeiro: Renovar, 2008.

BARROS, A. F. M. A (in) constitucionalidade das cotas raciais em face do direito à igualdade. JurisWay, 22 jun. 2011. Disponível em: < https://www.jurisway.org.br/v2/dhall.asp?id_dh=6091>. Acesso em: 14 jul. 2019.

BASSO, D.; BEZERRA NETO, L. As influências do neoliberalismo na educação brasileira: algumas considerações. Revista Itinerarius, v.1, n.16, jan./jul., 2014.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: Senado, 1988.

______. Casa Civil. Lei 12.711, de 29 de agosto de 2012. Disponível em < http://www.planalto.gov.br/ccivil03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm>. Acesso em: 14 jul. 2019.

______. Ministério dos Direitos Humanos. Em 3 anos, 150 mil negros ingressaram em universidades por meio de cotas. Secretaria de Políticas de Promoção de Igualdade Racial, 21 mar. 2016. Disponível em: < http://www.seppir.gov.br/central-de-conteudos/noticias/2016/03-marco/em-3-anos-150-mil-negros-ingressaram-em-universidades-por-meio-de-cotas>. Acesso em: 17 jul. 2019.

CAPEZ, F. Curso de direito penal. Parte geral. 16.ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

CARROZZA, G. Mídia e espaço público. Rua, n. 14, v.1, 2008.

______. Consumo, publicidade e língua. Campinas: Editora RG, 2011.

FERREIRA, A. A. O Brasil e o preconceito: uma análise teórica e crítica da Lei 7.716/89 frente à realidade brasileira. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XVIII, n. 134, mar. 2015.

GENTILI, Pablo. Pedagogia da exclusão: o neoliberalismo e a crise da escola pública. Petrópolis: Vozes, 1995.

HORTA, J. C. M.; AVELAR, J. B. Cotas raciais. Âmbito Jurídico, Rio Grande, XVIII, n. 137, jun. 2015.

LIBÂNEO, J. C.; OLIVEIRA, J. F.; TOSCHI, M. S. Educação Escolar: políticas, estrutura e organização. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

LUDWIG, C. A transformação jurídica na ótica da Filosofia transmoderna: a legitimidade dos novos direitos. Revista da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Paraná, Curitiba, n.41, p.29-42, jul. 2004.

NOGUEIRA JÚNIOR, A. A. A inconstitucionalidade das cotas raciais nas instituições públicas de ensino superior. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XX, n. 162, jul. 2017.

ORLANDI, E. Discurso e Texto. Campinas: Pontes, 2001.

______. Cidade dos Sentidos. Campinas, SP, Pontes, 2004.

PAYER, M. O. Linguagem e Sociedade Contemporânea – sujeito, mídia e mercado. RUA, Campinas, v.11, n.1, p.9-25. 2005.

SANFELICE, J. L. Pós-modernidade, globalização e educação. In: LOMBARDI, José Claudinei. (org.) Globalização, pós-modernidade e educação. 4. ed. Campinas: Autores Associados, 2011.

SANTANA, P. E. A. As influências do (neo)liberalismo na formação de professores. Londrina, 2008. 165f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Londrina: Universidade Estadual de Londrina, 2008.

SCHWARTZMAN, J.; SCHWARTZMAN, S. O ensino superior privado como setor econômico. 2002. Disponível em: < http://www.schwartzman.org.br/simon/pdf/suppriv.pdf>. Acesso em: 20 jul. 2018.

SILVA, J. S. A prática discursiva publicitária do Ensino Superior privado. Revista Dissol, Pouso Alegre, ano IV, n. 6, jul./dez., 2017.

TAVARES, A. R. Curso de direito constitucional. 8.ed. rev. e atual. São Paulo: Saraiva, 2010.