Variação linguística na primeira pessoa do singular: o professor em formação na condição de sujeito

Main Article Content

Marizete Bortolanza Spessatto
Luana de Gusmão Silveira

Resumo

Uma formação linguística democrática, assegurando a todos que passam pela escola o direito de reconhecer seus modos de falar como legítimos e o direito ao conhecimento das variedades consideradas de prestígio, demanda a intervenção dos professores de todas as áreas do conhecimento. Com essa premissa, este artigo visa contribuir com as discussões acerca das variações linguísticas presentes em sala de aula; analisar as diferentes ações dos professores diante delas e propor alternativas de trabalho nessa direção. Trata-se da análise de uma experiência desenvolvida junto a cursistas de pós-graduação, na qual as temáticas foram colocadas em discussão. Percebeu-se, com a análise dos dados, que: i) os professores reconhecem a diversidade linguística que chega à escola e as questões sociais às quais estão relacionadas; ii) tomam a escrita como referência para julgamento das variantes empregadas pelos estudantes na oralidade; iii) propõem estratégias de trabalho a serem aplicadas em sala de aula.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Spessatto, M. B., & Silveira , L. de G. (2020). Variação linguística na primeira pessoa do singular: o professor em formação na condição de sujeito . Ensino Em Re-Vista, 27(3), 1106-1130. https://doi.org/10.14393/ER-v27n3a2020-14
Seção
Varia

Referências

BAGNO, Marcos. Dramática da língua portuguesa: tradição gramatical, mídia & exclusão social. São Paulo: Loyola, 2000.

BAGNO, Marcos. A inevitável travessia: da prescrição gramatical à educação lingüística. In.: BAGNO, Marcos; STUBBS, Michael; GILLES, Gagné. Língua materna: letramento, variação & ensino. São Paulo: Parábola, 2002.

BAGNO, Marcos; STUBBS, Michael; GILLES, Gagné. Língua materna: letramento, variação & ensino. São Paulo: Parábola, 2002.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Educação em língua materna, a sociolingüística na sala de aula. São Paulo: Parábola, 2004.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Nós cheguemu na escola, e agora? Sociolingüística e educação. 2ª ed. São Paulo: Parábola, 2006a.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. O estatuto do erro na língua oral e na língua escrita. In.: GORSKI, Edair Maria e COELHO, Izete Lehmkuhl (orgs.) Sociolingüística e Ensino – contribuições para a formação do professor de língua. Florianópolis: Editora da UFSC, 2006b.

CALLOU, Dinah; LEITE, Yonne. Iniciação à Fonética e à Fonologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

CORACINI, Maria José. A celebração do outro: arquivo, memória e identidade – línguas (materna e estrangeira), plurilinguismo e tradução. Campinas: Mercado de Letras, 2006.

GATTI, Bernardete A. Análise das políticas públicas para formação continuada no Brasil, na última década. Revista Brasileira de Educação v. 13 n. 37 jan./abr. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v13n37/06.pdf. Acesso em 18 nov. 2019.

GORSKI, Edair Maria e COELHO, Izete Lehmkuhl. Variação linguística e ensino de gramática. I. Revista Work. Pap. Linguist., 10 (1): 73-91, Florianópolis, jan. Jun., 2009.

FERRERI, Silvana (a cura di). Dieci tesi per l’educazione linguistica democrática. Viterbo: Sette Città, 2010.

LABOV, William. Padrões Sociolinguísticos. São Paulo: Parábola, 2008 [1972].

MARINE, Talita de Cássia; BARBOSA, Juliana Bertucci. Em busca de um ensino sociolinguístico de Língua Portuguesa no Brasil. SIGNUM: Estud. Ling., Londrina, n. 19/1, p. 185-215, jun. 2016. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/signum/article/view/23161. Acesso em 15 dez. 2017.

NEVES, Iara et. al. (Org.). Ler e escrever: compromisso de todas as áreas. 9 ed. Porto Alegre: UFRGS, 2011.

RAJAGOPALAN, Kanavillil. O conceito de identidade em linguística: é chegada a hora para uma reconsideração radical? In.: SIGNORINI, Ines (org). Língua (gem) e identidade: elementos para uma discussão no campo aplicado. Campinas: Mercado de Letras; São Paulo: Fapesp, 1998.

SIGNORINI, Ines (org). Língua (gem) e identidade: elementos para uma discussão no campo aplicado. Campinas: Mercado de Letras; São Paulo: Fapesp, 1998.

SPESSATTO, Marizete Bortolanza. Variação linguística e ensino: por uma educação linguística democrática. Florianópolis, SC, 2011. 237 p. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Florianópolis, 2011. Disponível em: http://www.bu.ufsc.br/. Acesso em 06 nov. 2019.

TARALLO, Fernando. A pesquisa sociolinguística. São Paulo: Ática, 1999.