Currículo e Educação Matemática: o que pensam um grupo de estudantes de pós-graduação

Main Article Content

Maria Elizabete de Souza Couto
Zulma Elizabete de Freitas Madruga

Resumo

Este artigo objetiva compreender como estudantes de pós-graduação em Educação Matemática percebem o currículo, no contexto do próprio currículo e nas suas relações com a Educação Matemática. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, com a participação de 26 alunos de mestrado em Educação Matemática de uma universidade pública do sul da Bahia. Na disciplina de Matemática, Currículo e Diversidade Cultural, os estudantes escreveram sobre o que pensavam acerca do currículo e do currículo de Matemática. Como método de análise dos dados, foi utilizada a Análise Textual Discursiva (ATD). Os resultados indicam que os alunos percebem o currículo de três formas diferentes: como documento/parâmetros; como lista de conteúdos; e como saberes e desenvolvimento de competências e habilidades. No que se refere ao currículo de Matemática, expressam a ideia de uma área abstrata, com pouca ou nenhuma relação com a realidade, sugerindo uma teoria tradicional na qual pouco prioriza a diversidade e/ou a interdisciplinaridade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Couto, M. E. de S., & Madruga , Z. E. de F. (2020). Currículo e Educação Matemática: o que pensam um grupo de estudantes de pós-graduação. Ensino Em Re-Vista, 27(3), 857-880. https://doi.org/10.14393/ER-v27n3a2020-4
Seção
Dossiê Currículos em Educação Matemática II

Referências

APPLE, M. W. A política do conhecimento oficial: faz sentido a ideia de um currículo nacional? In: MOREIRA, A. F. B.; SILVA, T. T. da. Currículo, Cultura e Sociedade. 9ª, São Paulo: Cortez, 2006.

BEHRENS, Marilda Aparecida. O paradigma emergente e a prática pedagógica. 5ª ed, Rio de Janeiro: Vozes, 2011.

BIEMBENGUT, M. S. Modelagem Matemática no Ensino Fundamental. Blumenau: Editora da FURB, 2014.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação Qualitativa em Educação. Porto, Portugal: Editora Porto, 2010.

BRASIL. Parecer CNE/CES 1.302/2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Matemática, Bacharelado e Licenciatura, 2001.

D’AMBROSIO, U. Etnomatemática. Elo entre as tradições e a modernidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

DICIO. Dicionário Online de Português. Disponível em: < https://www.dicio.com.br/ > Acesso em 11 jul. 2019.

DEWEY, John. Vida e educação. Tradução de Anísio S. Teixeira. 7ª ed, São Paulo: Edições Melhoramentos, 1971.

GEORGE, F. Modelos de Pensamentos. Trad. Mário Guerreiro. Petrópolis, RJ: Vozes, 1973.

KILPATRICK, J. Investigación em educación matemática: su historia y algunos temas de actualidad. In: KILPATRICK, J.; GÓMEZ, P.; RICO, L. Educación Matemática: Errores y dificultades de lós Estudiantes. Resolución de problemas. Evaluación. Historia. Bogotá: Universidad de lós Andes, 1998. p. 1-18.

LOPES, A. C.; MACEDO, E. Teorias de Currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

LUBART, T. Psicologia da criatividade. Trad. Márcia Conceição Machado Moraes. Porto Alegre: Artmed, 2007.

MACEDO, R. S. Currículo: campo, conceito e pesquisa. 3ª ed. Petrópolis: Vozes, 2009.

MADRUGA, Z. E. F. Processos criativos e valorização da cultura: possibilidades de aprender com modelagem. Tese (Doutorado em Educação em Ciências e Matemática). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016.

MADRUGA, Z. E. F.; BIEMBENGUT, M. S. Modelagem & Aleg(o)rias: um enredo entre Cultura e Educação. Editora Appris, 2016.

MADRUGA, Z. E. F.; GALLON, M. S.; SILVA, C. M. Criatividade e Transdisciplinaridade: reflexões acerca de suas contribuições à educação. Revista de Educação Dom Alberto n. 9, v. 1, jan./jul. 2016.

MARIOTTI, H. Os operadores cognitivos do pensamento complexo. 2007.
Disponível em < http://pavoniking.hospedagemdesites.ws/imagens/trabalhosfoto/402007_operadores.pdf > Acesso em 10 jul. 2019.

MORAES, M. C. Tecendo a rede, mas com que paradigma? In. MORAES, M. C. Educação a Distância: fundamentos e práticas. Campinas: Unicamp/Nied, 2002.

MORAES, R. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. In: Ciência & Educação, v.9, n.2, p. 191-211, 2003.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. C. Análise Textual Discursiva. 2ed. Ijuí: Editora Unijuí: 2013.

MOREIRA, A. F. B. Indagações sobre currículo: currículo, conhecimento e cultura. Organização do documento Jeanete Beauchamp, Sandra Denise Pagel, Aricélia Ribeiro do Nascimento. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007.

MOREIRA, A. F. B.; TADEU, T. Sociologia e teoria crítica do currículo: uma introdução. In: MOREIRA, A. F. B.; TADEU, T. (Orgs.) Currículo, cultura e Sociedade. 12. ed. São Paulo: Cortez. p. 7-12.

MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Trad. Eloá Jacobina. 8ªed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

PAQUAY, L.; PERRENOUD. P.; ALTET, M.; CHARLIER, E. Formando professores profissionais: três conjuntos de questões. In: PAQUAY, L.; PERRENOUD. P.; ALTET, M.; CHARLIER, E. Formando professores profissionais. Quais estratégias? Quais competências? 2ª ed, Porto Alegre: ArTmed, 2001.

PARAÍSO, M. A. (Org.). Antonio Flávio Barbosa Moreira. Pesquisador em Currículo. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.

PIRES, C. L. C; GODOY, E. V.; SILVA, M. A.; SANTOS, V. M. O currículo de Matemática em revista: um editorial. In: Bolema, Rio Claro (SP), v. 28, n. 49, p. 485-490, ago. 2014.

SILVA, T. T. da. Documentos de Identidade. Uma introdução às teorias de currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

VEIGA-NETO, A. De geometrias, currículos e diferenças. In: Educação & Sociedade. ano XXIII, nº 79, agosto/2002.