O preconceito econômico-social na percepção de estudantes de odontologia: uma perspectiva crítica

Main Article Content

Celso Zilbovicius
Leonardo Carnut
Tarsila Teixeira Vilhena Lopes

Resumo

Este estudo teve como objetivo compreender a percepção dos graduandos de odontologia sobre os conteúdos relativos ao preconceito econômico-social e sua relação com a saúde. Para isso, realizou-se uma pesquisa-ação pedagógica, crítico-colaborativa, com graduandos do 1º ano da Faculdade de Odontologia da Universidade São Paulo, Campus Capital, em 2016. Para fins analítico-interpretativos, optou-se pela análise de conteúdo clássica, tomando-se como unidade textual as sentenças/proposições dispostas nos textos e para interpretação das percepções utilizou-se a matriz marxista. Foram construídas 18 categorias que sintetizam as percepções sobre o tema. As percepções sobre ‘as doenças, independente de qual lado atingem, são motivos de estigmas e preconceitos’ e ‘os preconceitos socioeconômicos e racial estão conectados’ foram as mais presentes na percepção deste grupo. Ao final, compreendeu-se que as percepções sobre o preconceito econômico-social é plural e contraditória, com momentos de reprodução e crítica do instituído, inclusive sobre o próprio papel dos estudantes nesse processo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Zilbovicius, C., Carnut, L., & Lopes, T. T. V. (2019). O preconceito econômico-social na percepção de estudantes de odontologia: uma perspectiva crítica. Ensino Em Re-Vista, 26(3), 896-918. https://doi.org/10.14393/ER-v26n3a2019-13
Seção
Artigos/Articles

Referências

ALBUQUERQUE JÚNIOR, D. M. Preconceito contra a origem geográfica e de lugar - As fronteiras da discórdia. 1. ed. São Paulo: Cortez, 2007. 135p.

ALTHUSSER, L. Aparelhos Ideológicos de Estado. 3ª edição. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1991.

BANDEIRA, L.; SORIA, A. B. Preconceito e discriminação como expressões de violência. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 119-141, 2001.

BASTOS, J. L. et al. Experiências de discriminação entre universitários do Rio de Janeiro. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 44, n. 1, fev. 2010.

BAUDELOT, C.; ESTABLET, R. La escuela capitalista. México: Siglo Veintiuno, 1975.

BAUMGARTEN, A. et al. Discrimination, gender and self‐reported aesthetic problems among brazilian adults. Community Dent Oral Epidemiol, Porto Alegre, v. 46, n. 1, p. 24-29, fev. 2017.

BENSAÏD, D.; LÖWY, M. Centelhas. São Paulo: Boitempo, 2017.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em Educação: fundamentos, métodos e técnicas. In: Investigação qualitativa em educação. Portugal: Porto Editora, 1994, p. 176-182.

BOWLES, S.; GINTIS, H. Schooling in capitalist America. 1. Ed. Nova Iorque: Basic Books, 1977.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução n° CNE/CES 3/2002 de 19 de fevereiro de 2002. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Farmácia e Odontologia. Diário Oficial, Brasília, 04 mar. 2002, seção 1, p. 10.

BREILH, J. Da Epidemiologia Linear à Epidemiologia Dialética. In: BREILH, J. Epidemiologia crítica: ciência emancipadora e interculturalidade. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2006. p. 191-218.

BUONICORE, A. C. Marxismo, história e revolução brasileira: encontros e desencontros. In: São Paulo: Anita Garibaldi, 2009.

CABRAL, E. D.; CALDAS JÚNIOR, A F.; CABRAL, H. A. M. Influence of the patient's race on the dentist's decision to extract or retain a decayed tooth. Community Dentistry and Oral Epidemiology, Recife, v. 33, n. 6, p. 461-466, out. 2005.

CORREIA, M. O. G. Por uma crítica imanente sobre os limites das políticas públicas de direitos sociais e o Estado na produção do bem comum no modo de produção capitalista. Saúde e sociedade, São Paulo, v. 24, supl. 1, p. 55-65, 2015.

COSTA, A. B. et al. Prejudice toward gender and sexual diversity in a brazilian public university: prevalence, awareness, and the effects of education. Sexuality Research and Social Policy, Porto Alegre, v. 12, n. 4, p. 261–272, dez. 2015.

ENGELS, F. As Grandes Cidades. In: ENGELS, F. A situação da classe trabalhadora na Inglaterra. São Paulo: Boitempo, 2008. p. 67-76.

FLICK, U. Utilização de documentos como dado. In: Introdução a pesquisa qualitativa. 3. ed. São Paulo: Editora Artmed, 2009, pp.143-166.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. 29. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2006.

FRERES, H. A,; RABELO, J.; MENDES SEGUNDO, M. D. A função da educação no atual contexto histórico: uma análise onto-histórica. In: V Congresso Brasileiro de História da Educação: ensino e a pesquisa em história da educação. Anais do V Congresso Brasileiro de História da Educação, Aracaju: 2008. p. 1-11.

GÓIS, E. Movimento Higienista na história da vida privada no Brasil: do homogêneo ao heterogêneo. ConScientiae Saúde, São Paulo, v. 6, n. 1, p. 47-52, 2002.

IAMAMOTO, M. V.; CARVALHO, R. Relações Sociais e Serviço Social no Brasil: esboço de uma interpretação histórico-metodológica. 1. Ed. São Paulo: Cortez, 1983.

IANNI, O. A ideia de Brasil Moderno. São Paulo: Editora brasiliense, 1992.

______. Octávio Ianni: o preconceito racial no Brasil. Estudos Avançados, São Paulo, v. 18 n. 50 p. 8-20, 2004.

LOPES, A. A. Significado de Raça em Pesquisas Médicas e Epidemiológicas. In: BARATA, R. B.; BARRETO, M.L; ALMEIDA FILHO, N.; VERAS, R. P. (Orgs). Eqüidade e Saúde: Contribuições da Epidemiologia. Série Epidemiológica 1. Editora Fiocruz/ABRASCO. Rio de Janeiro, p. 245-256, 1997.

MARX, K. Crítica ao Programa de Gotha. São Paulo: Boitempo, 2012.

______. Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2004.

MARX, K.; ENGELS, F. O Manifesto Comunista. São Paulo: Boitempo, 2007.

______. A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo, 2007a.

MEYER, J. Pesquisa-ação. In: POPE, C; MAYS, N. Pesquisa qualitativa em saúde. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009, p. 135-146.

MOREIRA, G. O. et al. Inclusão social e ações afirmativas no ensino superior no Brasil: para quê?. Ensino Superior, Unicamp, Campinas – SP, Disponível em: < https://www.revistaensinosuperior.gr.unicamp.br/artigos/inclusao-social-e-acoes-afirmativas-no-ensino-superior-no-brasil-para-queij>. Acesso em: 08 mar., 2018.

NUNES, S. S. Racismo no Brasil: tentativas de disfarce de uma violência explícita. Revista Psicologia USP, São Paulo, v. 17, n. 1, p. 89-98, 2006.

OLIVEIRA, F. A. Anthropology in healthcare services: integrality, culture and communication. Interface: Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v.6, n.10, p.63-74, 2002.

PACHUKANIS, E. A teoria geral do direito e o marxismo e ensaios escolhidos (1921-1929). São Paulo: Sundermann, 2017.

PIMENTA, S. G. Pesquisa-ação crítico-colaborativa: construindo seu significado a partir de experiências com a formação docente. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 521-539, set./dez. 2005.

RAWLS, J. Uma teoria da Justiça. Tradução de Vamirch Chaeon. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1981.

SALES JÚNIOR, R. Democracia racial: o não-dito racista. Tempo Social - Revista de Sociologia da USP. São Paulo, v.18, n.2, p. 229-258, 2006.

SCHROEDER, F. C. et al. To extract or to restore the tooth? color/race and clinical decision making among undergraduate dental students from southern Brazil. Pesquisa brasileira em odontopediatria e clínica integrada, Paraíba, v. 17, n. 1, p. 1- 12, 2017.

TAUSSIG, M. Mimesis and Alterity. 1. Ed. Nova York: Routledge, 1993.

TEIXEIRA FILHO, F. L. E quando ser o que se é tornou-se uma fundada suspeita: elementos de uma estética de classe e do preconceito. Revista o público e o privado, Fortaleza, n. 28, p. 223-251, 2016.

TURATO, E. R. Tratado da metodologia da pesquisa clínico-qualitativa: construção teórico-epistemológica, discussão comparada e aplicação nas áreas da saúde e humana. Petrópolis: Vozes, 2003.

WOOD, E. M. Democracia contra o Capitalismo: a renovação do materialismo histórico. São Paulo: Boitempo, 2010.

ZALUAR, A. A máquina e a Revolta – As Organizações Populares e o Significado da Pobreza. São Paulo: Brasiliense, 1985.

ZANETTI, C. H. G. A formação do cirurgião-dentista. In: DIAS, Aldo Angelim. Saúde bucal coletiva – metodologia de trabalho e práticas. São Paulo: Editora Santos, 2007, p. 21-42.