A neurociência na formação inicial de professores: uma investigação científica

Main Article Content

Márcia Gorett Ribeiro Grossi
Eliane Silvestre Oliveira
Fabiane Angélica de Aguiar

Resumo

Este artigo objetivou verificar se os cursos de Pedagogia no Brasil têm preparado os professores para o uso da neurociência nas suas práticas escolares. Assim, foi repetida a pesquisa Neurociência na formação de professores: um estudo da realidade brasileira, desenvolvida por Grossi et al. em 2013, para identificar o que mudou, passados seis anos. A metodologia empregada foi a análise de conteúdo com abordagem qualitativa. Os resultados encontrados mostram que no Brasil ainda é pequena a influência da neurociência na sala de aula, pois dos 1.317 cursos de Pedagogia e do Programa especial de formação pedagógica de docentes pesquisados, apenas 7,97% possuem disciplinas de neurociência e correlatas. Então, a realidade percebida há seis anos é a mesma e, continua a necessidade de mudança nas matrizes curriculares destes cursos, incluindo disciplinas que preparem os professores para aplicarem os conhecimentos da neurociência em suas salas de aula, norteando suas condutas pedagógicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Grossi, M. G. R., Oliveira, E. S., & Aguiar, F. A. de. (2019). A neurociência na formação inicial de professores: uma investigação científica. Ensino Em Re-Vista, 26(3), 871-895. https://doi.org/10.14393/ER-v26n3a2019-12
Seção
Artigos/Articles

Referências

AMARAL, Jonathan Henriques do. Educação no século do cérebro: análise de interlocuções entre Neurociências e Educação a partir dos Estudos da Ciência. 2016. 127 f. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016.

BRASIL. Casa Civil. Lei nº13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o plano nacional de educação - PNE e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm>. Acesso em: 31 mai. 2019.

______. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Parecer CNE/CP nº 5, de 13 de dezembro de 2005. Aprova as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Pedagogia. Brasília. DF, 2005. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/pcp05_05.pdf>. Acesso em: 24 mar. 2019.

______. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP nº 1, de 15 de maio de 2006. Institui diretrizes curriculares nacionais para o curso de graduação em Pedagogia. Brasília, DF, 2001. Disponível em: < http:// http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf>. Acesso em: 24 mar. 2019.

______. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP nº 1, de 9 de agosto de 2017. Altera o Art. 22 da Resolução CNE/CP nº 2, de 1º de 2015, que define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70141-rcp001-17-pdf/file>. Acesso em: 24 mar. 2019.

______. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Parecer CNE/CP nº 10 de 2017. Altera o Art. 22, da Resolução CNE/CP nº 2, de 1º de julho de 2015, que trata das Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/publicacoes-para-professores/30000-uncategorised/45901-2017-pareceres-do-conselho-pleno>. Acesso em: 31 mai. 2019.

______. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP nº 3, de 03 de outubro de 2018. Altera o Art. 22 da Resolução CNE/CP nº 2, de 1º de 2015, que define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/docman/outubro-2018-pdf-1/98131-rcp003-18/file>. Acesso em: 30 jun. 2019.

______. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Fundamentos pedagógicos e estrutura geral da BNCC. Brasília, DF, 2017. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=56621-bnccapresentacao-fundamentos-pedagogicos-estrutura-pdf&category_slug=janeiro-2017-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: mai. 2019.

BARTOSZECK, A. B. Neurociência na educação. Revista Eletrônica Faculdades Integradas Espírita, v. 1, p. 1-6, 2006.

CARVALHO, D.; BOAS, C. A. V. Neurociências e formação de professores: reflexos na educação e economia. Ensaio: aval.pol.públ.Educ., Rio de Janeiro, v. 26, n.98, p. 231-247, 2018.

COSENZA, R.M.; BEZERRA, L. G. Neurociência e educação: como o cérebro aprende. Porto Alegre: Artmed, 2014.

GROSSI, M.G.R; LOPES, A.M.; COUTO, P.A. Neurociência na formação de Professores: Um estudo da realidade brasileira. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 23, n. 41, p. 27-40, jan./jun. 2014.

GUERRA, L. B. Como as neurociências contribuem para e educação escolar? FGR em revista, Belo Horizonte, ano 4, n. 5, p. 6-9, out. 2010.

HERCULANO-HOUZEL, S. Uma breve história da relação entre o cérebro e a mente. In: LENT, R. (Coord.). Neurociência da Mente e do Comportamento. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE INFORMAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA - IBICT. Biblioteca Digital de Teses e Dissertações. 2019. Disponível em: < http://bdtd.ibict.br/vufind/>. Acesso em: 12 mai. 2019.

KANDEL, E. R. et al. Princípios de neurociências. Porto Alegre: AMGH, 2014.

LENT, R. Cem bilhões de neurônios: conceitos fundamentais de neurociência. São Paulo: Editora Atheneu, 2010.

MARKOVA, Dawna. O natural é ser inteligente: padrões básicos de aprendizagem a serviço da criatividade e educação. São Paulo: Summus, 2000.

MIGLIORI, R. Neurociências e educação. São Paulo: Brasil Sustentável Editora, 2013.

MORIN, Edgar. É preciso educar os educadores. Revista Fronteiras do pensamento, online, 2017. Disponível em: < https://www.fronteiras.com/entrevistas/entrevista-edgar-morin-e-preciso-educar-os-educadores>. Acesso em: 31 mai. 2019.

OLIVEIRA, G. G. Neurociências e os processos educativos: um saber necessário na formação de professores. Uberaba, 2011. Disponível em: < https://www.uniube.br/biblioteca/novo/base/teses/BU000205300.pdf>. Acesso em: 31 mai. 2018.

PEREIRA, M. A. C. M.; AMPARO, D. M.; ALMEIDA, S. F. C. O brincar e suas relações com o desenvolvimento. Psicologia Argumento, v. 24, n. 45, p. 15-24, 2006.

RELVAS, M. Neurociência do aprendizado e a sala de aula. In METRING, R. e SAMPAIO, S. (Org.) Neuropsicopedagogia e aprendizagem. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2016.

TABAQUIM, Maria L. M. Avaliação Neuropsicológica nos Distúrbios de Aprendizagem. In: Distúrbio de aprendizagem: proposta de avaliação interdisciplinar. (Org.). Sylvia Maria Ciasca. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003.

VALIZADEH, S. A, et al. Identification of individual subjects on the basis of their brain anatomical features. Scientific Reports, v.8, n.5611, 2018.