A centralidade das infâncias e do brincar na transição da educação infantil para o ensino fundamental

Main Article Content

Arlete Aparecida Bertoldo Miranda
Daniella Salviana Faria

Resumo

A infância tem sido objeto de estudo no Brasil, especialmente nas últimas décadas, o que levou a um avanço no âmbito do conhecimento científico e ainda na garantia de direitos das crianças. Em meio a esses estudos, o brincar e a educação nas instituições escolares têm despertado debates e reflexões sobre as políticas que regulamentam a escolarização das crianças. Este artigo que é fruto de uma pesquisa de mestrado preocupa-se em sinalizar as manifestações do lúdico e do brincar no cotidiano escolar do 2º período da Educação Infantil e do 1º ano do Ensino Fundamental, com centralidade na infância e nas crianças. Busca-se compreender de que forma o lúdico, o brincar e a infância são concebidos pelos professores e pelas crianças em um Colégio de Aplicação. Elencamos elementos teóricos que se articulam com o protagonismo das crianças, em diálogo com as políticas públicas para infância e práticas pedagógicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Miranda , A. A. B., & Faria, D. S. (2019). A centralidade das infâncias e do brincar na transição da educação infantil para o ensino fundamental. Ensino Em Re-Vista, 26(3), 828-852. https://doi.org/10.14393/ER-v26n3a2019-10
Seção
Artigos/Articles

Referências

BAKHTIN, M. Metodologia das ciências humanas. In:(Org.). Estética da criação verbal. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2003. p.393-410.

BARBOSA, M. C. S., CRAIDY, C. M. Ingresso obrigatório no Ensino Fundamental aos 6 anos. Falsa solução para um falso problema In: BARBOSA, M. C., DELGADO, A. C.C. (org.) A infância no ensino fundamental de 9 anos. – Porto Alegre: Penso, 2012.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil (1988). Brasília: Saraiva, 1988.

______. Lei nº 10.172, de 9 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Lex: Diário Oficial da União, Brasília, 10 jan. 2001. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10172.htm>. Acesso em 26 set. 2017.

______. Lei nº 11.114, de 16 de maio de 2005. Altera os arts. 6º, 30, 32 e 87 da Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, com o objetivo de tornar obrigatório o início do ensino fundamental aos seis anos de idade. Lex: Diário Oficial da União, Brasília, 2005, 17 mai 2005. Disponível em: < www.mec.gov.br/cne>. Acesso em: 26 set. 2017

______. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Lex: Diário Oficial da União, Brasília, 16 jul. 1990.

______. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lex: Diário Oficial da União, 23 de dezembro de 1996.

______. Lei nº 12.796, de 4 de abril de 2013. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Lex: Diário Oficial da União, Brasília, 5 abr. 2013a. Disponível em < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12796.htm>. Acesso em: 26 set. 2017.

CAMPOS, M. M. A educação infantil como direito In: Insumos para o debate 2 – Emenda Constitucional nº 59/2009 e a educação infantil: impactos e perspectivas. São Paulo: Campanha Nacional pelo Direito à Educação, p. 9-14, 2010.

CORSARO, W. A. Sociologia da infância. Porto Alegre: Artmed, 2011.

CORSINO, P. As crianças de seis anos e as áreas do conhecimento. In: Ensino fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de 6 anos de idade. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Departamento de Políticas de Educação Infantil e Ensino Fundamental. Coordenação-Geral do Ensino Fundamental. 2ª ed., pp. 57-68, Brasília, DF: 2007.

CRAEMER, U. O brincar na comunidade - uma comunidade se transforma com a arte lúdica. IN: MEIRELLES, R. (Org.) Território do Brincar – diálogos com escolas. São Paulo: Instituto Allana, 2015. Disponível em: http://territoriodobrincar.com.br/wpcontent/uploads/2014/02/Territ%C3%B3rio_do_Brincar_- _Di%C3%A1logo_com_Escolas-Livro.pdf (último acesso em 25/01/2017).

FRIEDMANN, A. O desenvolvimento da criança através do brincar. São Paulo: Moderna, 2006.

KRAMER, S. As crianças de 0 a 6 anos nas políticas educacionais no Brasil: Educação Infantil e/é fundamental. In: Educação e Sociedade, v. 27, n. 96 - Especial, p. 797-818, out, 2006.

______. A infância e sua singularidade. In: BRASIL, Ministério da Educação. Ensino fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade. BEAUCHAMP, J.; PAGEL, S. D.; NASCIMENTO, A. R. do. (Orgs.). 2ª ed. Brasília: FNDE, Leograf – Gráfica e Editora Ltda. 2007, pp. 13-21.

______.Infância e educação: O necessário caminho de trabalhar contra a barbárie. In: KRAMER, S.; LEITE, M. I.; NUNES, M. F.; GUIMARÃES, D. (orgs). Infância e educação infantil. Campinas: Papirus, 1999.

KUHLMANN Jr., M. Infância e Educação Infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 1998.

LERNER, D. É possível ler na escola? In: Ministério da Educação. Secretaria Educação Fundamental. Programa de Formação de Professores Alfabetizadores. M2UET3, Brasília:MEC/SEF, 2001.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MARTINS, L. M.; ABRANTES, A. A.; FACCI, M. G. (Org.) Periodização histórico-cultural do desenvolvimento psíquico: do nascimento à velhice. 1. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2016.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil. Secretaria de Educação Básica. – Brasília: MEC, SEB, 2010. 36 p. Disponível em: < http://ndi.ufsc.br/files/2012/02/Diretrizes-Curriculares-para-a-E-I.pdf>. Acesso em: 16 julho de 2018.

OLIVEIRA, S. M. P. A criança de cinco anos no ensino fundamental de nove anos: percepção de pais, diretores e juízes. Dissertação (mestrado em educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2015.

POSTMAN, N. O desaparecimento da infância. São Paulo: Ed. Graphia, 1999.

PRESTES, Z. A sociologia da infância e a teoria histórico-cultural: algumas considerações. Revista Educação Pública, v. 22, n. 49/1, p. 295-304, maio/ago. 2013.

PROUT, A. Participação, políticas e as condições da infância em mudança. In: MÜLLER, F. (Org.) Infância em perspectiva: políticas, pesquisas e instituições. São Paulo: Cortez, 2010, pp. 21-41.

SARMENTO, M. J. A globalização e a infância: impactos na condição social e na escolaridade. In: GARCIA, R. L.; FILHO, A. L. (Orgs.). Em defesa da Educação Infantil. Rio de Janeiro: DP&A, 2001, p. 13–27.

______. As culturas da infância nas encruzilhadas da Segunda Modernidade. 2003. Disponível em: < http://www.cedei.unir.br/submenu_arquivos/761_1.1_u1_as_culturas_na_infancia.pdf>. Acesso em 10/11/2017.

______. Docência na universidade, cultura e avaliação institucional: saberes silenciados em questão. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro,v. 11, n.32, p. 258-371, maio/ago. 2006.