Leitura em voz alta e discussões orais: estratégias de ensino nas aulas de Língua Portuguesa

Main Article Content

Márcia Andréa Almeida de Oliveira
Alessandra Karina Gomes de Araújo

Resumo

Neste artigo, discute-se o efeito das instruções de leitura nas aulas de Língua Portuguesa. Com base nos estudos sobre leitura, bem como nas pesquisas qualitativa e documental e na análise de conteúdo, buscamos verificar os tipos de instrução que foram usados nas aulas ministradas por uma estagiária e com que frequência cada um foi mobilizado, bem como a relação entre eles e o engajamento dos alunos nas atividades e a quantidade de questionamentos que fizeram. Os resultados revelam que quanto mais leitura em voz alta e discussão oral sobre o texto maior é o engajamento dos alunos do 9º do Ensino Fundamental e menor a quantidade de dúvidas por eles demonstradas. O estudo também evidenciou que na prática de leitura silenciosa eles mostraram compreender menos os textos lidos em sala de aula.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Oliveira, M. A. A. de, & Araújo, A. K. G. de. (2019). Leitura em voz alta e discussões orais: estratégias de ensino nas aulas de Língua Portuguesa. Ensino Em Re-Vista, 26(3), 763-785. https://doi.org/10.14393/ER-v26n3a2019-7
Seção
Artigos/Articles

Referências

ALVES, M. de F. O ensino de leitura na escola: resultados e perspectivas. Revista Letr@ Viv@, v. 11, n. 1, p. 46-54. 2012. Disponível em: < http://periodicos.ufpb.br/index.php/lv/article/view/15313>. Acesso em: 29 mar. 2019.

ANGELO, C. M. P.; MENEGASSI, R. J. M. A leitura compartilhada em sala de apoio. Educação em Revista Belo Horizonte, v.32, n. 3, p. 267-292, jul./set. 2016. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/edur/v32n3/1982-6621-edur-32-03-00267.pdf>. Acesso em: 29 mar. 2019.

ANTUNES, I. Aula de português: encontro e interação. São Paulo: Parábola, 2003.

BAKHTIN, M. A estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BARRETO, R. G.; GUIMARÃES, G. C. O Ensino da leitura no discurso pedagógico contemporâneo. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 40, n. 2, p. 573-590, abr./jun. 2015. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/edreal/v40n2/2175-6236-edreal-46065.pdf>. Acesso em: 29 mar. 2019.

BECK, I.; MCKEOWN, M. Text-talk: Capturing the benefits of read-aloud experiences for young children. The Reading Teacher, v. 55, p. 10-20. 2001. Disponível em: < https://www.jstor.org/stable/20205005>. Acesso em: 29 mar. 2019.

CAGLIARI, L. C. Alfabetização & Linguística. 10 ed. São Paulo: Scipione, 2002.

CAMILO, T. M. Práticas de leitura em sala de aula: modos de ler. Revista Brasileira de Educação e Cultura, n. XII, p. 78-99, jul/dez. 2015. Disponível em: < http://periodicos.cesg.edu.br/index.php/educacaoecultura>. Acesso em: 29 mar. 2019.

CHARTIER, R. Do códice ao monitor: a trajetória do escrito. Estudos Avançados, São Paulo, v. 8, n. 21, p. 185-199, ago. 1994. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/ea/v8n21/12.pdf>. Acesso em: 29 mar. 2019.

DANIA, R. C. Processamento em leitura, estrategias metacognitivas e ensino: revisitando os temas. Signo, Santa Cruz do Sul, v.43, n. 77, p. 125-142, maio/ago. 2018. Disponível em: < https://online.unisc.br/seer/index.php/signo/article/view/12022>. Acesso em: 29 mar. 2019.

DUKE, N.; MARTIN, N. Best practices in informational text comprehension instruction. In: GAMBRELL, L. B.; MORROW, L. M. Best practices in literacy instruction. 5 ed. New York: Guilford Press, 2015. p. 249-267.

ECROYD, C. A. Motivating students through reading aloud. English Journal, v. 80, n. 6, p.76-78, out. 1991.

FANG, Z. Approaches to developing content area literacies: a synthesis and a critique. Journal of Adolescent & Adult Literacy, v. 56, n. 2, p. 103-108. 2012. Disponível em: . Acesso em: 29 mar. 2019.

FISHER, D. et al. Interactive read-alouds: is there a common set of implementation practices? The Reading Teacher, v. 58, n. 1, p. 8-17, set. 2004. Disponível em: < https://www.jstor.org/stable/20205442>. Acesso em: 29 mar. 2019.

FISHER, D; FREY, N. Best practices in adolescent literacy instruction. In: GAMBRELL, L. B.; MORROW, L. M. Best practices in literacy instruction. 5 ed. New York: Guilford Press, 2015. p. 149-166.

FOUNTAS, I.; PINNELL, G. S. Teaching for comprehending and fluency. Portsmouth, NH: Heinemann, 2006.

FUZA, A. F.; OHUSCHI, M. C. G.; MENEGASSI, R. J. Concepções de linguagem e o ensino da leitura em língua materna. Linguagem & Ensino, Pelotas, v. 14, n. 2, p. 479-501, jul./dez. 2011. Disponível em: < http://www.rle.ucpel.tche.br/index.php/rle/article/view/36>. Acesso em: 29 mar. 2019.

GAMBRELL, L. B.; MORROW, L. M. Best practices in literacy instruction. 5 ed. New York: The Guilford Press, 2015.

GODOY, A. S. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, v. 35, n. 3, p. 20-29. 1995. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-75901995000300004>. Acesso em: 29 mar. 2019.

GOLDMAN, S.; SNOW, C.; VAUGHN, S. Common themes in teaching reading for understanding: lessons from three projects. Journal of Adolescent & Adult Literacy, v. 60, n. 3, p. 255-264. 2016. Disponível em: < https://doi.org/10.1002/jaal.586>. Acesso em: 29 mar. 2019.

GOMES, R. Análise de dados em pesquisa qualitativa. In: MINAYO, C. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro: Vozes, 1994. p. 67-80.

GOMES, S. dos S. Avaliação das capacidades de leitura. Educar em Revista, Curitiba, n. 63, p. 221-236, jan./mar. 2017. Disponível em: < https://revistas.ufpr.br/educar/article/view/46325/0>. Acesso em: 29 mar. 2019.

HELDER, R. Como fazer análise documental. Porto: Universidade de Algarve, 2006.

HOLMES, B. C. The effect of four different modes of reading on comprehension. Reading Research Quarterly, v. 20, n. 5, p. 575-585. 1985. Disponível em: < https://www.jstor.org/stable/747944>. Acesso em: 29 mar. 2019.

KINTSCH, W.; KINTSCH, E. Comprehension. In: PARIS, S. G.; STAHL, S. A. (Org.). Children’s reading comprehension and assessment.New Jersey: Lawrence, 2005. p. 71-92.

KLEIMAN, Â. Oficina de leitura: teoria e prática. São Paulo: Pontes, 1992.

KLESIUS, J. P.; GRIFFITH, P. L. Interactive storybook reading for at-risk learners. The Reading Teacher, v. 49, p. 552-560. 1996.

KOCH, I. V.; ELIAS, V. M. Ler e compreender os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2014.

LUCAN, L.; HAPGOOD, S.; PALINCSAR, A. S. Teachers’ specialized knowledge for supporting student comprehension in text-based discussions. The Elementary School Journal, v. 112, n. 1, p. 61-82, set. 2011. Disponível em: < https://www.jstor.org/stable/10.1086/660689>. Acesso em 29 mar. 2019.

MARINAK, B. A.; GAMBRELL, L. B. Intrinsic motivation and rewards: what sustains young children's engagement with text? Literacy Research and Instruction, v. 47, n. 1, p. 9-26. 2008. Disponível em: < https://doi.org/10.1080/19388070701749546>. Acesso em: 29 mar. 2019.

McGEE, L. M.; SCHICKEDANZ, J. A. Repeated interactive read-alouds in preschool and kindergarten. The Reading Teacher, v. 60, n. 8, p. 742-751, maio. 2007. Disponível em: < https://www.jstor.org/stable/20204534>. Acesso em: 29 mar. 2009.

McELHONE, D. Tell us more: Reading comprehension, engagement, and conceptual press discourse. Reading Psychology, v. 33, n. 6, p. 525-561. 2012. Disponível em: < https://doi.org/10.1080/02702711.2011.561655>. Acesso em: 29 mar. 2019.

MEDINA, M. B.; PRADES, D. A formação de mediadores: por que e para que promover a leitura? In: PRADES, D.; LEITE, P. B. P. (Org.). A formação dos mediadores. São Paulo: Livros da Matriz, 2015. p. 16-28.

MENEGASSI, R. J. Leitura e ensino. 2 ed. Maringá: Editora da Universidade de Maringá, 2010.

MERCER, N.; DAWES, L. The value of exploratory talk. In: MERCER, N. HODGKINSON, S. (Org.). Exploring talk in school. Thousand Oaks, CA: Sage, 2008. p. 55-72.

MORRISON, V.; WLODARCZYK. Revisiting read‐aloud: instructional strategies that encourage students' engagement with texts. The Reading Teacher, v. 63, n. 2, p. 110-118, out. 2009. Disponível em: < https://doi.org/10.1598/RT.63.2.2>. Acesso em: 29 mar. 2019.

MURPHY, P. K. et al. Examining the effects of classroom discussion on students' comprehension of text: a meta-analysis. Journal of Educational Psychology, v. 101, n. 3, p.740-764. 2009. Disponível em: < http://quality-talk.org/pdf/Murphy_et_al_2009.pdf>. Acesso em: 29 mar. 2019.

OLIVEIRA, A. C. de. A leitura oral na escola do mundo contemporâneo: uma prática marginal ou inexistente? Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v.3, n .l, p. 133-184. 2003. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rbla/v3n1/09.pdf>. Acesso em: 29 mar. 2019.

PÁDUA, E. M. M. de. Análise de conteúdo, análise de discurso: questões teórico-metodológicas. Revista de Educação. Campinas, n. 13, p. 21-30. 2002. Disponível em: < https://docplayer.com.br/15960170-Analise-de-conteudo-analise-de-discurso-questoes-teorico-metodologicas.html>. Acesso em: 29 mar. 2019.

PANICHELLA, F. C. Concepções de leitura: diferentes perspectivas para a linguagem e o texto em sala de aula. Revista Leitura, v. 2, n. 56, p. 42-59, jul/dez. 2015. Disponível em: < http://www.seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/2204>. Acesso em: 29 mar. 2019.

PEREIRA, V. W.; SANTOS, T. V. dos. Estratégia de leitura de predição na escola: uso e consciência linguística no seu uso. Linguagem em (Dis)curso. Tubarão, v. 17, n. 3, p. 361-380, set./dez. 2017. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/ld/v17n3/1518-7632-ld-17-03-00361.pdf>. Acesso em: 29 mar. 2019.

PIERCE, K.M.; GILLES, C. From exploratory talk to critical conversations. In: MERCER, N.; HODGKINSON, S. (Org.). Exploring talk in school. Thousand Oaks, CA: Sage, 2008. p. 37-54.

RASINSKI, T.; PADAK, N. Effective reading strategies: teaching children who find reading difficult. 2 ed. Ohio: Merrill-Prentice Hall, 2000.

RODRIGUES, N. C. Leitura nos ensinos fundamental e médio: reflexões sobre algumas práticas. Linguagem em (Dis)curso. Tubarão, v. 7, n. 2, p. 215-240, mai./ago. 2007. Disponível em: < http://linguagem.unisul.br/paginas/ensino/pos/linguagem/linguagem-em-discurso/0702/070203.pdf>. Acesso em: 29 mar. 2019.

SHANAHAN, T.; SHANAHAN, C. Teaching disciplinary literacy to adolescentes: rethinking content-area literacy. Harvard Educational Review, v. 78, n. 1, p. 40-59. 2008.

SILVA, E. T. da. Concepções de Leitura e suas consequências no ensino. Perspectiva, Florianópolis, v.17, n. 31, p. 11-19, jan./jun., 1999. Disponível em: < https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/viewFile/10708/10213>. Acesso em: 29 mar. 2019.

SILVA, L. L. M. da. Pra Que a Gente Lê? Perspectiva, Florianópolls, v. 1, n. 4, 15-26, jan./dez. 1985. Disponível em: < https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/viewFile/8827/8166>. Acesso em: 29 mar. 2019.

SMITH, F. Compreendendo a leitura: uma análise psicolinguística da leitura e do aprender a ler. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

SOLÉ, I. Estratégias de leitura. 6. ed. Porto Alegre: Editora Artmed, 1998.

SOTER, A. O. et al. What the discourse tells us: talk and indicators of high-level comprehension. International Journal of Educational Research, v. 47, n. 6, p. 372-391. 2008. Disponível em: < https://doi.org/10.1016/j.ijer.2009.01.001>. Acesso em: 29 mar. 2019.

TASSONI, E. C. M.; RIBEIRO, R. S. As práticas de leitura e escrita de alunos de um 2º ano do ensino médio. Linguagem em (Dis)curso. Tubarão, v. 13, n. 1, p. 157-186, jan./abr. 2013. Disponível em: < http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/Linguagem_Discurso/article/view/1498>. Acesso em: 29 mar. 2019.

VANDEWEGHE, R. What kinds of classroom discussion promote reading comprehension? English Journal, v. 96, n. 3, p. 86-91, jan. 2007.