Análise das concepções de formadores de professores de Química acerca da inclusão de alunos com deficiência no ensino superior

Main Article Content

José Gonçalves Teixeira Júnior
Nayara Costa Souza

Resumo

Este trabalho tem como objetivo investigar as concepções de formadores de professores de Química sobre as possibilidades e potenciais dificuldades para ensinar conceitos químicos para licenciandos com deficiências. Mais do que um diagnóstico, compreende-se que as concepções dos formadores de professores acerca da inclusão influenciam também, as concepções dos futuros professores de Química. Para isso, os formadores de uma instituição de ensino superior foram entrevistados, a fim de levá-los a refletir sobre suas metodologias, as necessidades de adaptação, assim como as possíveis dificuldades em lidar com esses alunos. Os resultados apontaram que, embora alguns dos docentes tenham se mostrado receptivos às possibilidades da educação de alunos com necessidades educacionais especiais, nenhum deles sente-se preparado para atuar na diversidade.


 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Teixeira Júnior, J. G., & Souza, N. C. (2019). Análise das concepções de formadores de professores de Química acerca da inclusão de alunos com deficiência no ensino superior. Ensino Em Re-Vista, 26(2), 437-456. https://doi.org/10.14393/ER-v26n2a2019-7
Seção
Dossiê Revisitando a Educação em Ciências e em Matemática

Referências

BARBOSA, K. C. M.; PACHECO, D. Química e surdez: novas propostas no processo de ensino. In: Anais do IV Simpósio Nacional de Ensino de Ciências e Tecnologia. Ponta Grossa-PR, p. 1-12, 2014.

BONI, V.; QUARESMA, S. J. Aprendendo a entrevista: como fazer entrevistas em ciências sociais. Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC, v. 2, n. 1 (3), p. 68-80,2005.

BRASIL, Casa Civil, Lei n. 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei brasileira de inclusão da pessoa com deficiência. Brasília: Diário Oficial, 2015.

_____. Constituição da República Federativa do Brasil: texto constitucional promulgado em 5de outubro de 1988, 35ª ed. Brasília: Câmara dos Deputados, 2012.

_____, Ministério da Educação, Decreto n. 5.626, de 22 de dezembro de 2005 –que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais –Libras. Brasília: Diário Oficial da União, p. 28, 2005a.

_____. Base nacional comum curricular: Proposta preliminar. 2a versão revista. Brasília, 2016.

_____. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Grafia Química Braile para uso no Brasil. 2ª ed. Brasília: SECADI, 54p. 2011a.

_____, Secretaria de Educação Especial. Documento subsidiário à política de inclusão. 48f. Brasília: MEC, 2005b.

_____. Lei n. 9394/96–Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Diário Oficial da União, p. 27833, 1996.

_____. Ministério das Relações Exteriores. Decreto n. 3.956. de 8 de outubro de 2001 –Convenção Interamericana para eliminação de todas as formas de discriminação contra as pessoas portadoras de deficiência. Diário Oficial da União, p. 1, 2001.

_____. Secretaria de Direitos Humanos. Convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência. Brasília: SDH, 100f., 2011b.

CAMARGO, E. P.; NARDI, R. Planejamento de atividades de ensino de Física para alunos com deficiência visual: dificuldades e alternativas. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 6, n. 2, p. 378-401, 2007.

DUARTE, R. Entrevistas em pesquisas qualitativas. Educar, n. 24, p. 213-255, 2004.

FERNANDES, T. C.; HUSSEIN, F. R. G. S.; DOMINGUES, R.C. P. R. Ensino de química para deficientes visuais: a importância da experimentação num enfoque multissensorial. Química Nova na Escola, v. 39, n. 2, p. 195-203, 2017.

GALIAZZI, M. C.; GONÇALVES, F. P. A natureza pedagógica da experimentação: uma pesquisa na licenciatura em Química. Química Nova, v. 27, n. 2, p. 326-331, 2004.

GONÇALVES, F. P.; REGIANI, A. M.; AURAS, S. R.; SILVEIRA, T. S.; COELHO, J. C.; HOBMEIR, A. K.T. A educação inclusiva na formação de professores e no ensino de Química: a deficiência visual em debate. Química Nova na Escola, v. 35, n. 4, p. 264-271, 2013.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU,1986.

MELO, F. R. L. V. (org.) Inclusão no ensino superior: docência e necessidades educacionais especiais. Natal: EDUFRN, 2013.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. C. Análise textual discursiva. 2.ed. Ijuí: Unijuí. 2011.

OLIVEIRA, B. T.; LACERDA, N. O. S. Educação inclusiva: análise da legislação dos portadores de deficiência na educação do Brasil. In: Anais do III Congresso de Ensino, Pesquisa e Extensão da UEG, Pirenópolis-GO, p. 1-7, 2016.

OMOTE, S. Atitudes em relação à inclusão no ensino superior. Journal of Research in Special Educational Needs, v. 16, n. 1, p. 211-215, 2016.

PACHECO, R. V.; COSTAS, F. A. T. O processo de inclusão de acadêmicos com necessidades educacionais especiais na Universidade Federal de Santa Maria. Revista Educação Especial, n. 27, p. 151-167, 2006.

PEREIRA, F.; SOUSA, J. A.; MATA, P.; LOBO, A. M. Desenvolvimentos no ensino da Química a cegos e a grandes amblíopes. Boletim da Sociedade Portuguesa de Química, série II, n. 112, p. 7-15, 2009.

PEREIRA, L. L. S.; BENITE, C. R. M.; BENITE, A. M. C. Aula de Química e surdez: sobre interações pedagógicas mediadas pela visão. Química Nova na Escola, v. 33, n. 1, p. 47-56, 2011.

PIRES, R. F. M.; RAPOSO, P. N.; MÓL, G. S. Adaptação de um livro didático de Química para alunos com deficiência visual. In: Anais do VI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Florianópolis: 2007.

RADMANN, T.; PASTORIZA, B. S. Educação Inclusiva no ensino de Química. In: Anais do XVIII Encontro Nacional de Ensino de Química (XVIII ENEQ), Florianópolis-SC, 2016.

REIS, M. X.; EUFRÁSIO, D. A.; BAZON, F. V. A formação do professor para o ensino superior: prática docente com alunos com deficiência visual. Educação em Revista, v. 26, n. 1, p.111-130, 2010.

RETONDO, C. G.; SILVA, G. M. Ressignificando a formação de professores de Química para a educação especial e inclusiva: uma história de parcerias. Química Nova na Escola, n. 30, p. 27-33, 2008.

RIBEIRO, E. B. V. Formação de professores de ciências e educação inclusiva em uma instituição de ensino superior em Jataí-GO. Dissertação(Mestrado em Educação em Ciências e Matemática). Universidade Federal de Goiás. 107f. 2011.

ROCHA, T. B.; MIRANDA, T.G. A inclusão de alunos com deficiência no ensino superior: uma análise de seu acesso e permanência. In: DÍAZ, F., BORDAS, M.; GALVÃO, N.; MIRANDA, T. (org.). Educação inclusiva, deficiência e contexto social: questões contemporâneas [online]. Salvador: EDUFBA, p. 27-37, 2009.

SANTANA, M. Z.; FERNANDES, P. Políticas de educação inclusiva no Brasil: uma reflexão acerca da inclusão do estudante com necessidades educativas especiais no ensino superior a partir da legislação. In: Anais do I Seminário Internacional em Direitos Humanos e Escola Inclusiva: construindo boas práticas. Portugal/Algarve, p. 278-290, 2014.

SANTOS, S. R. B.; DANIEL, L. X. L.; SILVA, A. A.; SILVA, P. R. A.; MEDEIROS, E. A. S.; SANTOS, L. M. Química experimental para deficientes visuais. Latin American Journal of Science Education, 2, 12015, p.1-7, 2015.

SOUSA, S. F.; SILVEIRA, H. E. Terminologias químicas em Libras: a utilização de sinais na aprendizagem de alunos surdos. Química Nova na Escola, v. 33, n. 1, p. 37-46, 2011.

VILELA-RIBEIRO, E. B.; BENITE, A. M. C. A educação inclusiva na percepção dos professores de Química. Ciência & Educação, v. 16, n. 3, p. 585-594, 2010.