O Fracasso escolar discursivizado por alunos do Ensino Fundamental

Main Article Content

Soraya Maria Romano Pacífico
Aparecida Pin Ribeiro Pedrassi
Debora Cristina Piotto

Resumo

Este artigo objetiva analisar os sentidos produzidos por alunos do Ensino Fundamental de uma escola pública de Ribeirão Preto - SP sobre o fracasso escolar. Para isso, foram lidos e interpretados, em sala de aula, textos literários, jornalísticos e tirinhas que abordam temas sobre Educação, avaliação e fracasso escolar. Com base nisso, os alunos produziram textos argumentativos, orais e escritos, que constituíram o corpus da pesquisa. A análise fundamentou-se nos conceitos de discurso, ideologia, arquivo, formação discursiva e na noção de esquecimentos propostos por Michel Pêcheux, bem como nos estudos sobre Educação e fracasso escolar. Podemos dizer que o discurso dominante sobre o fracasso escolar, qual seja, o que atribui a culpa pela não aprendizagem ao próprio aluno, é repetido pelos sujeitos da pesquisa, que não duvidam do efeito da ideologia, tampouco instauram uma argumentação contrária a esse discurso.


 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Pacífico, S. M. R., Pedrassi, A. P. R., & Piotto, D. C. (2018). O Fracasso escolar discursivizado por alunos do Ensino Fundamental. Ensino Em Re-Vista, 25(3), 810-833. https://doi.org/10.14393/ER-v25n3a2018-15
Seção
Varia

Referências

AIELLO, A.L.R. Efeitos sobre um procedimento de resposta construída sobre a rede de relações de equivalência envolvida em leitura e escrita em crianças com história de fracasso escolar. São Paulo, 1995. Tese (Doutorado)–Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo.

ALGARTE, R. A. Escola brasileira e lógica do fracasso: estudo sobre dissimulação e cooptação na política educacional. 1991. Tese (Doutorado) — Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 1991.

BOSSA, N. A. Fracasso escolar: um sintoma da contemporaneidade revelando a singularidade. 2000. Tese (Doutorado) —Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.

BOURDIEU, P. A escola conservadora: as desigualdades frente à escola e à cultura. In: NOGUEIRA, M.A.; CATANI, A. (orgs). Escritos de educação. Petrópolis: Vozes, 1998.

_____. Os herdeiros: os estudantes e a cultura / Pierre Bourdieu e Jean-Claude Passeron; tradução Ione Ribeiro Valle, Nilton Valle. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2014.

DUBET, F. O que é uma escola justa? Cadernos de Pesquisa, v. 34, n. 123, p. 539-555, set./dez. 2004. Disponível em www.scielo.br/pdf/cp/v34n123/a02v34123.pdfAcesso em: 02/04/2017.

LAGAZZI, S. O recorte significante da memória. In: INDURSKY,F.; LEANDRO FERREIRA, M.C.; MITTMANN, S. O discurso na contemporaneidade: materialidades e fronteiras. São Carlos: Claraluz, 2009.

MALDIDIER, D. A inquietação do discurso: (Re)ler Michel Pêcheux hoje. Tradução Eni P. Orlandi. Campinas: Pontes, 2003.

NOGUEIRA, M.A.; NOGUEIRA, C.M.M. Bourdieu e a educação. BH: Autêntica, 2004.

NOGUEIRA, C.M.M.;NOGUEIRA, M.A.Os Herdeiros: fundamentos para uma sociologia do ensino superior.Educ. Soc.[online]. 2015, vol.36, n.130, pp.47-62. Disponível em: www.scielo.br/pdf/es/v36n130/0101-7330-es-36-130-00047.pdf. Acesso em: 02/04/2017.

ORLANDI, E. P. O objeto de ciência também merece que se lute por ele. In: MALDIDIER, D. A inquietação do discurso: (Re)ler Michel Pêcheux hoje. Tradução Eni P. Orlandi. Campinas: Pontes, 2003.

_____. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos.6ª ed. Campinas-SP: Editora da Unicamp, 2007.

_____. Análise de Discurso. In: ORLANDI, E. P.; LAGAZZI-RODRIGUES, S. (orgs.) Introdução às ciências da linguagem –Discurso e textualidade. Campinas, SP: Pontes, 2010.

_____. A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. Campinas, SP: Pontes, 2011.

_____. Interpretação e autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico.Campinas: Pontes, 6 ed., 2012.

_____. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. Campinas, SP: Pontes, 11 ed., 2013.

PACÍFICO, S. M. R. Argumentação e autoria: o silenciamento do dizer.2002. 190 f. Tese de Doutorado. FFCLRP-USP, 2002.

_____. Argumentação e autoria nas redações de universitários: discurso e silêncio. –1. ed. –Curitiba : Appris, 2012. (Coleção linguagens).

_____. Leitura, escrita e autoria nas séries iniciais do Ensino Fundamental. Trabalho de pós-doutorado. UNESP-Araraquara, 2013.

_____. O direito à argumentação no contexto escolar. In: PIRIS, E. L.; OLÍMPIO-FERREIRA, M. (org.) Discurso e Argumentação em múltiplos enfoques. Coimbra: Editor Grácio, 2016a, p.191-212.

_____. O discurso da avaliação externa “Provinha Brasil” sobre o ensino de Língua Portuguesa e as implicações para autoria no Ensino Fundamental. Revista da ABRALIN, [S.l.], v. 15, n. 2, jul. 2016b. ISSN 2178-7603. Disponível em: . Acesso em: 28 fev. 2017. doi:http://dx.doi.org/10.5380/rabl.v15i2.47892.

PATTO, M. H. S. A produção do fracasso escolar: histórias de submissão e rebeldia.São Paulo: Caso do Psicólogo, 1999.

PÊCHEUX, M. Análise automática do discurso. In: GADET, F e HAK, T.(org.).Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Tradução Bethania S. Mariani [et al.]. Campinas, SP.: Editora da UNICAMP,1990.

_____. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução Eni Puccinelli Orlandi [et al.] Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2009.

_____. O discurso: estrutura ou acontecimento. Tradução Eni Puccinelli Orlandi. 4. ed. Campinas, SP: Pontes, 2006.

_____. Ler o arquivo hoje. In: ORLANDI, E. P. (org.) Gestos de leitura: da história no discurso. 4ª ed. – Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2014.

PIOTTO, D.C.Retrato de um (des)encontro: camadas médias na escola pública. 2002. Dissertação (Mestrado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano) -Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde-20052008-112531/pt-br.php Acesso em: 04/02/2017.

_____.As exceções e suas regras: estudantes das camadas populares em uma universidade pública.2007. Tese (Doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano) -Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde-08122010-132830/pt-br.php Acesso em: 04/02/2017.

_____.A escola e o sucesso escolar: algumas reflexões à luz de Pierre Bourdieu. Revista Vertentes. São João Del Rey, (33), jan./jun. 2009.

ROMÃO, L. M. S; PACÍFICO, S. M. R. Era uma vez uma outra história: leitura e interpretação nasala de aula.São Paulo: DCL, 2006.

SETTON, M. G. J. A teoria do habitus em Pierre Bourdieu. Revista Brasileira de Educação, Anped, n. 20, p. 60-70, 2002.

SPOSITO, M. P. A instituição escolar e a violência. São Paulo: Caderno de Pesquisa da Fundação Carlos Chagas,n. 1, julho 1981. Disponível em
http://www.iea.usp.br/publicacoes/textos/spositoescolaeviolencia.pdf/at_download/file. Acesso em 04/01/2017.

_____. Juventude, pesquisa e educação.Trabalho apresentado na XXIV Reunião Anual da Anped, 2001. Disponível emhttp://www.cefetes.br/gwadocpub/Pos-Graduacao/Especializa%C3%A7%C3%A3o%20em%20educa%C3%A7%C3%A3o%20EJA/Publica%C3%A7%C3%B5es/anped2001/textos/encsposito.PDF. Acesso em 21/01/2015.

STREET, B. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. Tradução Marcos Bagno. –1. Ed. -São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

TELLES, E. E. Racismo à Brasileira: uma nova perspectiva sociológica. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003. p.301-329.