Sinais embrionários de autoria em escritas infantis

Main Article Content

Adriana Pastorello Buim Arena

Resumo

A escrita é compreendida como um trabalho laborioso, extensivo, reflexivo e ou mesmo mítico, quando se concebe a criação literária como resultante de inspiração. No campo epistemológico e filosófico, diferentes correntes teóricas investigam a natureza da produção escrita e sua relação com o pensamento. Este artigo tomará como ponto de partida a concepção vigotskiniana de que o ato de escrever não registra somente as ideias concebidas no pensamento, mas provoca um movimento intenso e dialético gerado pelo confronto entre pensamento e palavra. Ao tentar textualizar os enunciados mentalmente construídos, o autor entra num processo de racionalização, próprio do universo do mundo da escrita, que provoca um movimento intelectual que não poderia se desenvolver sem o exercício da escrita. Este estudo de caso tem como objetivo analisar dois textos narrativos - primeira versão e versão revisada - produzidos por uma criança de oito anos, matriculada no 2o ano do ensino fundamental, em fase de apropriação da escrita. Entre a primeira produção e a segunda produção, a professora conversou individualmente com a aluna e expressou suas incompreensões em relação ao texto produzido. Esse diálogo não será aqui apresentado. Os dados analisados provêm apenas dos dois manuscritos. A função de interlocutora, exercida pela professora, provocou mudanças radicais na segunda produção. Pode-se concluir que os textos produzidos pela criança para cumprir uma tarefa escolar já apresentam os indícios de marcas de autoria e indícios de ideias apresentadas na primeira versão e desenvolvidas na versão revisada. Nesse contexto particular, a escrita foi um instrumento para constituir, organizar e modificar o pensamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Buim Arena, A. P. (2017). Sinais embrionários de autoria em escritas infantis . Ensino Em Re-Vista, 1(1), 61-79. https://doi.org/10.14393/ER-v24n1a2017-14
Seção
DOSSIÊ

Referências

BAKHTIN, Mikhail Mjkhailovitch. Estética da criação verbal. Tradução feita a partir do francês por Maria Emsantina Galvão G. Pereira revisão da tradução Marina Appenzellerl. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

______. Marxismo e Filosofia da Linguagem: Problemas fundamentais do Método Sociológico na Ciência da Linguagem. Tradução de Michel Lahud e Yara Frateschi Vieiracom a colaboração de Lúcia Teixeira Wisnik e Carlos Henrique Chagas Cruz. 2ª ed. São Paulo: HUCITEC, 1981.

BRONCKART, Jean-Paul. Atividade de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo socio discursivo. Tradução Anna Raquel Machado e Péricles Cunha. 2ª ed. São Paulo: EDUC, 2012.

BRONCKART, Jean-Paul; BOTA, Cristian. Bakthin Desmascarado: história de um mentiroso, de uma fraude, de um delírio coletivo. Trad. Marcos Marcionilo. São Paulo: Parábola, 2012.

FOUCAULT, Michel. O que é um autor?Tradução António Fernandes Cascais. Lisboa: Passagens, 1992.

SCHNEUWLY, Bernard. DOLZ, Joaquim. (Org.). Gêneros orais e escritos na escola. Tradução de Roxane Rojo e Gaís Sales Cordeiro. Campinas: mercado de letras, 2004.

SÉRIOT, P. Préface. Volosinov, la Philosophie de l’enthytème et la Double nature du signe. In VOLOSINOV, V. N. Marxisme et philosophie du langage: les problèmes fondamentaux de la méthode sociologique dans la science du langage. Nouvelle édition bilíngüe traduite du russe par Patrick Sériot et Inna Tylkowski-Ageeva. Limoges: Lambert-Lucas, 2010.

VYGOTSKY, Lev Semionovich. A formação social da mente. São Paulo, Martins Fontes, 1994.

______. Obras escogidas. Madrid: Visor, 1995. v. 3.

______. A Construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2000.