Contribuições da Atividade Orientadora de Ensino para a Educação do Campo

Main Article Content

Algacir José Rigon

Resumo

O presente estudo objetivou explicitar alguns pressupostos fundamentais da Educação do Campo e da Atividade Orientadora de Ensino (AOE). Com isso, procura-se demonstrar que a possibilidade de emancipação humana e transformação social, especialmente no que diz respeitos aos povos do campo, passa pela atividade educativa, sendo que a AOE é um meio fundamental para que esse processo ocorra satisfatoriamente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Rigon, A. J. (2020). Contribuições da Atividade Orientadora de Ensino para a Educação do Campo. Obutchénie: Revista De Didática E Psicologia Pedagógica, 310-333. https://doi.org/10.14393/OBv4n2.a2020-57484
Seção
DOSSIÊ - Atividade Orientadora de Ensino

Referências

BRASIL. Decreto n.º 7.352, de 4 de novembro de 2010. Dispõe sobre a política de educação do campo e o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária - PRONERA. http://portal.mec.gov.br/docman/marco-2012-pdf/10199-8-decreto-7352-de4-de-novembro-de-2010/file.

BRASIL. Parecer CNE/CEB 1- Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo, de 3 de abril de 2002. http://pronacampo.mec.gov.br/images/pdf/mn_resolucao_%201_de_3_de_abril_de_2002.pdf.

CALDART, R. S. Por uma educação do campo: traços de uma identidade em construção. In: CALDART, R. S.; KOLLING, E. J.; CERIOLI, P. R. Educação do Campo: identidade e políticas públicas. Brasília, DF: Articulação Nacional Por uma Educação do Campo, 2002.

CALDART, R. S. Sobre educação do campo. In: SANTOS, C. A. dos (org.). Por uma educação do campo: Campo - Políticas Públicas – Educação. Brasília: INCRA/MDA, 2008, p. 44-74.

HELLER, A. Sociología de la vida cotidiana. Barcelona: Península, 1977.

LÊNIN, V. U. Que fazer? Lisboa/Portugal: Editorial Avante, 1978.

LÊNIN, V. U. Discurso na conferência de toda a Rússia dos comitês de instrução política das seções de Gubérnia e Uezd da instrução pública. In: Obras Escolhidas. Tomo 3. Lisboa/Portugal: Edições Avante, 1982.

LÊNIN, V. U. As três fontes. 4ª reimpressão. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

LEONTIEV, A. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Horizonte Universitário, 1978.

LURIA, A.R. Desenvolvimento Cognitivo. São Paulo: Ìcone, 1990.

MARIÁTEGUI, J. C. Sete ensaios de interpretação da realidade peruana. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

MARX, K. O Capital: crítica da economia política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

MARX, K. O 18 Brumário de Luiz Bonaparte. São Paulo: Centauro, 2003.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã – Crítica da mais recente filosofia alemã em seus representantes Feuerbach, B. Bauer e Stirner, e do socialismo alemão em seus diferentes profetas (1845-1846). São Paulo: Boitempo, 2007.

MARX, K.; ENGELS, F. Textos sobre Educação e Ensino. Campinas, SP: Navegando, 2011.

MOURA, M. O. A atividade de ensino como unidade formadora. Bolema, São Paulo, ano II, n. 12, p. 29-43, 1996.

MOURA, M. O. A atividade de ensino como ação formadora. In: CASTRO, A.; CARVALHO, A. (Org.). Ensinar a ensinar: didática para a escola. São Paulo: Pioneira, 2001.

MOURA, Manoel Oriosvaldo de Moura et al. A atividade pedagógica na teoria histórico-cultural. Brasília: Liber, 2010.

MOURA, M. O.; ARAUJO, E. S.; SERRÃO, M. I. B. Atividade Orientadora de Ensino. Linhas Críticas: v. 24, 2019. https://doi.org/10.26512/lc.v24i0.19817.

PRADO JÚNIOR, C. A Revolução brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1977.

RIGON, A. J. O desenvolvimento psíquico na teoria histórico-cultural. Passo Fundo: UPF Editora, 2009.

RIGON, A. J. Ser sujeito na atividade de ensino e aprendizagem. 2011. Tese (doutorado). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 8ª ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2003.

VYGOTSKY, L. S. Obras Escogidas. Madrid: Visor, 1997, V.1

VIGOTSKI, L. S. Manuscrito de 1929. Educação & Sociedade, Campinas/SP, v. 71, n. especial, p. 21-44, 2000.