Adolescência e juventude: contribuições e desafios de escritos soviéticos para a análise da realidade brasileira

Main Article Content

Angelina Pandita Pereira

Resumo

Este texto se constitui como um ensaio teórico que tem por objetivo realizar, a partir da Psicologia Histórico-Cultural, uma reflexão sobre a periodização do desenvolvimento na adolescência e na juventude na realidade brasileira. Parte de uma crítica às concepções naturalizantes de adolescência, entendendo este período do desenvolvimento como historicamente constituído. Apresenta as compreensões de adolescência e juventude de autores soviéticos de base marxista, focando-se principalmente nas compreensões sobre situação social de desenvolvimento e atividade-guia. Contextualiza o desenvolvimento na sociedade brasileira, dando destaque às desigualdades de classe, raça e gênero que a constituem, e levanta questões sobre como tais desigualdades podem condicionar o processo de desenvolvimento na adolescência e na juventude. Por fim, reflete sobre como os princípios teórico-metodológicos da Psicologia Histórico-Cultural, e seus conceitos explicativos acerca da periodização do desenvolvimento, podem contribuir para a compreensão do desenvolvimento no Brasil. Ao mesmo tempo, levanta um possível desafio para a explicação, a partir destes princípios e conceitos, da particularidade da periodização do desenvolvimento em uma sociedade marcada por desigualdades estruturais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Pereira, A. P. (2019). Adolescência e juventude: contribuições e desafios de escritos soviéticos para a análise da realidade brasileira . Obutchénie: Revista De Didática E Psicologia Pedagógica, 3(3), 1-25. https://doi.org/10.14393/OBv3n3.a2019-51706
Seção
Dossiê: Periodização histórico-cultural do desenvolvimento humano

Referências

ABRAMO, H.W. O uso das noções de adolescência e juventude no contexto brasileiro. In: FREITAS, M. V. de (Orgs.). Juventude e adolescência no Brasil: referências conceituais. São Paulo: Ação educativa, 2005, p. 19-35.

ABRAMO, H. W. Condição juvenil no Brasil Contemporâneo. In: ABRAMO, H. W.; BRANCO, P. P. M. Retratos da juventude brasileira: análises de uma pesquisa nacional. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo e Instituto da Cidadania, 2011. p. 37-72. https://doi.org/10.1590/s0103-20702005000200020

ARIÈS,P. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: LTC – Livros Técnicos e Científicos Editora, 1981.

BOCK, A.M.B. A adolescência como construção social: estudos sobre livros destinados a pais e educadores. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, vol. II, n. I, p. 63-76, jan/jun 2007. https://doi.org/10.1590/s1413-85572007000100007

BOZHOVICH, L. I. La personalidad y su formación en la edad infantil: Investigaçiones psicológicas. Habana: Editorial Pueblo y Educación, 1981.

CIMI (Conselho Indigenista Missionário). Relatório Violência contra os povos indígenas no Brasil – Dados de 2016. CIMI, 2017. Disponível em: https://www.cimi.org.br/pub/relatorio/Relatorio-violencia-contra-povos-indigenas_2016-Cimi.pdf. Acesso em 02 mar. 2017. https://doi.org/10.26512/emtempos.v0i21.19845

DAVYDOV, V.V. Problems of Developmental teaching. Soviet Education, vol. 30, n. 8, p. 6-97, aug. 1988.

DAYRELL, J. T.; CARRANO, P. C. R. Juventude e Ensino Médio: quem é este aluno que chega à escola. In: DAYRELL, J. T.; CARRANO, P. C. R; MAIA, C. L. M. (coords). Juventude e Ensino Médio: sujeitos e currículos em diálogo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014, p. 101-133. https://doi.org/10.1590/s0101-73302011000400010

DELVAL, Juan. El desarrollo humano. Madrid: Siglo XXI, 1998.

ELKONIN, D. Desarrollo psiquico de los escolares. In: SMIRNOV, A. A. et al. Psicologia. Mexico: Grijalbo, 1969, p. 523 – 560.

ELKONIN, D. Sobre el problema de la periodizacion del desarrollo psíquico en la infância. In: SHUARE. M. (Org.). La Psicologia evolutiva y pedagogica en la URSS. Moscú: Editorial Progreso, 1987, p. 104-124. https://doi.org/10.5093/rhp2019a14

IBGE (Instituto Brasileiro de Feografia e Estatística). Censo Demográfico 2010: Características Gerais dos Indígenas. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

IBGE. Pesquisa Nacional por amostra de domicílios: síntese de indicadores 2015. Rio de Janeiro: IBGE, 2016. https://doi.org/10.21710/rch.v25i0.451

IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada). NERI, M.; SOUZA, P.F.; VAZ, F. Pobreza e desigualdade: duas décadas de superação – Primeiras Análises IPEA da PNAD 2012. https://doi.org/10.17013/risti.23.103-118

IPEA/ FBSP (Fórum Brasileiro de Segurança Pública). Atlas da violência. Rio de Janeiro: RJ. 2018.

KNOBEL, M. A síndrome da adolescência normal. In: ABERASTURY, A; KNOBEL, M. Adolescência Normal. Porto Alegre: Artes Médicas, 1981, p. 24-62.

LEÓN, O. D. Adolescência e juventude: das noções às abordagens. In: FREITAS, M. V. de (Orgs.). Juventude e adolescência no Brasil: referências conceituais. São Paulo: Ação educativa, 2005, p. 9-18.

LEONTIEV, A.N. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Livros Horizonte, 1978.

LEONTIEV, A.N. Actividad, conciencia y personalidad. Ciudad de la Habana, Cuba: Editorial Pueblo y Educación, 1983

MARTINS, L.M.; CARVALHO, S.R. Educação escolar e resistência: a (des)qualificação do ensino e a obnubilação da consciência. Cadernos de pesquisa em educação. Vitória, vol. 19, n. 46, p.68-88, jul-dez. 2017.

OLIVEIRA, B. A dialética do singular-particular-universal. In: ABRANTES, A. A.; SILVA, N. R. da; MARTINS, S. T. F. Método histórico-social na psicologia social. Rio de Janeiro: Vozes, 2005. p. 25–51.

OIT (Organização Internacional do Trabalho). Global employment trends for youth 2017: Path to a better working future. International Labour Office – Geneva: ILO, 2017.

OXFAM. Uma economia para os 99%. 2017. Disponível em: https://www.oxfam.org.br/sites/default/files/arquivos/economia_para_99-relatorio_completo.pdf. Acesso em 24 fev. 2017.

PANDITA-PEREIRA, A. A constituição de motivos às atividades escolares em jovens estudantes do ensino técnico integrado ao Ensino Médio. Tese (Doutorado – Programa de Pós graduação em Psicologia). Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, 2016. https://doi.org/10.11606/t.47.2016.tde-07102016-141023

PNAD CONTÍNUA (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios). Educação. 2016. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/media/com_mediaibge/arquivos/95090ddfb63a3412f04fedafd6d65469.pdf. Acesso em 02 abr. 2018.

PNAD. Estatísticas de Gênero: Indicadores sociais das mulheres no Brasil. Estudos e Pesquisas. Informação demográfica e socioeconômica, n. 38, 2018.

SAFIOTTI, H. Diferença ou Indiferença: Gênero, Raça/Etnia, Classe Social In: ADORNO, S. A Sociologia entre a Modernidade e a Contemporaneidade. Porto Alegre: Editora da Universidade UFRGS, 1995, p. 159-165.

SNJ/IPEA (Secretaria Nacional da Juventude / Instituto Brasileiro de Estatística Aplicada. Boletim Juventude informa, n. 1, 2014.

SPOSITO, M. P. Algumas reflexões e muitas indagações sobre as relações entre juventude e escola no Brasil. In: ABRAMO, H. W.; BRANCO, P. P. M. Retratos da juventude brasileira: análises de uma pesquisa nacional. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo e Instituto da Cidadania, 2011. p. 87-127. https://doi.org/10.1590/s0103-20702005000200020

VIGOTSKI, L. S. Teoria e método em psicologia. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

Vigotski, L.S. Quarta aula. O problema do meio na pedologia. Sete aulas de L.S. Vigotski sobre os fundamentos da pedologia. Rio de Janeiro: E-papers, 2018, p. 73-92. https://doi.org/10.4025/rtpe.v22i1.47437

VYGOTSKI, L.S. Obras escogidas. Tomo IV. Madrid: Anita Machado Libros, 2012.