O desenvolvimento humano na perspectiva histórico-cultural: relações entre a organização das condições de ensino e a produção da queixa escolar na educação infantil

Main Article Content

Célia Regina da Silva

Resumo

O presente estudo propõe uma reflexão sobre as concepções que norteiam a organização das condições de ensino na educação infantil, com o intuito de analisar, sob a perspectiva da psicologia histórico-cultural, algumas determinações que constituem o processo de produção das queixas escolares nesse nível de ensino. Para tanto, apresenta análises de três situações que ocorreram no cotidiano de uma escola pública de educação infantil, extraídas de nossa tese de doutorado. As análises revelam as influências das concepções espontaneístas de desenvolvimento humano, as quais levam à organização de condições de ensino propícias à ocorrência de conflitos entre adultos e crianças. Por fim, aprofunda os conceitos de desenvolvimento psíquico e periodização, na perspectiva histórico-cultural com ênfase na transição entre a primeira infância e a idade pré-escolar, denominada como crise dos três anos, demonstrando incompatibilidades entre as necessidades psíquicas das crianças e a forma como as condições de ensino, apresentadas nas situações descritas, estão organizadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Silva , C. R. da. (2019). O desenvolvimento humano na perspectiva histórico-cultural: relações entre a organização das condições de ensino e a produção da queixa escolar na educação infantil. Obutchénie: Revista De Didática E Psicologia Pedagógica, 3(3), 1-29. https://doi.org/10.14393/OBv3n3.a2019-51703
Seção
Dossiê: Periodização histórico-cultural do desenvolvimento humano

Referências

ARCE, A.; MARTINS, L. M. A Educação Infantil e o Ensino Fundamental de Nove Anos. In: ARCE, A.; MARTINS, L. M. (org.). 3. ed. Alínea: Campinas, 2013.

BRASIL, Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf. Acesso em: 30 de março de 2019. https://doi.org/10.22409/mov.v5i8.472

BRASIL. Ministério da Saúde. Recomendação No 019, de 08 de outubro de 2015. Recomendações do Ministério da Saúde para adoção de práticas não medicalizantes e para a publicação de protocolos municipais e estaduais de dispensação de metilfenidato para prevenir a excessiva medicalização de crianças e adolescentes. Disponível em: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2015/outubro/01/Recomenda----es-para-Prevenir-excessiva-Medicaliza----o-de-Crian--a-e-Adolescentes.pdf. Acesso em: 29 de março de 2019. https://doi.org/10.11606/t.17.2007.tde-02092007-204350

BRASIL, 1998. Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. Referenciais curriculares nacionais para a educação infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/volume3.pdf. Acesso em: 22 jul. 2018. https://doi.org/10.5007/1984-8951.2011v12n101p148

BRASIL, 1996. Planalto do Governo. Lei de Diretrizes e Bases. Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm. Acesso em: 22 jul. 2018. https://doi.org/10.11606/d.2.2017.tde-03102017-105747

BRECHT, B. A vida de Galileu. São Paulo: Abril Cultural, 1977.

DIAS, L. C. D. Considerações acerca do transtorno de conduta. 2012. 19 f. Monografia (Especialização) - Curso de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012. Disponível em: . Acesso em: 18 abr. 2016. https://doi.org/10.29289/259453942018v28s1059

DUARTE, N. Concepções afirmativas e negativas sobre o ato de ensinar. Cad. CEDES [online, v. 19. N. 44, p. 85-106, abril. 1998. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32621998000100008&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em 12 dez. 2016. https://doi.org/10.1590/s0101-32621998000100008

ELKONIN, D. Sobre el problema de la periodizacion del desarrollo psíquico en la infancia. In: DAVIDOV, V. & SHUARE. M. (org.). La psicologia evolutiva y pedagógica en la URSS. Moscú: Editorial Progresso, 1987. https://doi.org/10.5093/rhp2019a14

KEENAN, K.; SHAW, D. The development of coercive family processes: The interaction between aversive toddler behavior and parenting factors. In: J. McCord (Org.). Coercion and punishment in long-term perspectives. Cambridge: Cambridge University Press, 1988. https://doi.org/10.1017/cbo9780511527906.010

KOPNIN, P. V. A dialética como lógica e teoria do conhecimento. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

LEONTIEV, A. N. El desarrollo psíquico del niño en la edad preescolar. In: DAVIDOV, V.; SHUARE. M. (org.). La psicologia evolutiva y pedagógica en la URSS. Moscú: Editorial Progresso, 1987.
MUKHINA, V. Psicologia da idade pré-escolar. Tradução: Claudia Berliner. São Paulo: Martins Fontes, 1995.
NOSELLA, P. Ética e pesquisa. Educação & Sociedade, Campinas, v. 20, n. 102, p. 255-273, jan./abr. 2008. https://doi.org/10.1590/s0101-73302008000100013
PASQUALINI, J. C.; FERRACIOLI, M. U. A questão da agressividade em contexto escolar: desenvolvimento infantil e práticas educativas. In: ARCE, A.; MARTINS, L. M. (org.). Ensinando aos pequenos de zero a três anos. 2. ed. Campinas: Editora Alínea, 2012. https://doi.org/10.5016/dt000618034

PASQUALINI, J. C. Princípios para a organização do ensino na perspectiva histórico- cultural: um estudo a partir da prática do professor. 2010. 268 f. Tese (Doutorado em Educação Escolar) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara.

PATTO, M. H. S. A produção do fracasso escolar: histórias de submissão e rebeldia. São Paulo: T. A. Queiroz, 1999.

PATTO, M. H. S. O fracasso escolar como objeto de estudo. Cadernos de pesquisa, São Paulo, n. 65, p. 72-77, mai. 1988.

PATTO, M. H. S. Psicologia e ideologia: uma introdução crítica à psicologia escolar. São Paulo: T. A. Queiroz, 1984.

PATTO, M. H. S. Privação cultural e educação pré-primária. São Paulo: José Olympio editora, 1973.

PORTELINHA, A. M. S.; ZOIA, E. T.; PASQUALOTTO, L. C.; COELHO, R. T.; SBARDELOTTO, V. S. A educação infantil no contexto das discussões da Base Nacional Comum Curricular. Revista Temas & Matizes, Cascavel, v. 11, n. 20, p. 30-43, jan./jun., 2017.

PRADO JÚNIOR, C. Dialética do Conhecimento: história da dialética / lógica dialética. 3. ed. São Paulo: Brasiliense, 1960. https://doi.org/10.11606/issn.2318-8863.discurso.1993.37956

ROSSLER, J. H. A dimensão retórica e valorativa do núcleo teórico-conceitual do ideário construtivista. In: ROSSLER, J. H. Sedução e alienação no discurso construtivista. Campinas: Autores Associados, 2006. Coleção Educação Contemporânea.

SAGAN, C. Ciência e Esperança. In: O mundo assombrado pelos demônios. São Paulo: Companhia das Letras, 1996. https://doi.org/10.13037/gr.vol26n76.544
SAVIANI, D. Perspectiva marxiana do problema da subjetividade-intersubjetividade. In: DUARTE, N. et al. Crítica ao fetichismo da individualidade. Campinas: Autores Associados, 2004.
SILVA, C. R. da. Análise da dinâmica de formação do caráter e aprodução da queixa escolar na educação infantil: contribuições à luz da psicologia histórico-cultural e da pedagogia histórico-crítica. 2017. 261 f. Tese (Doutorado em Educação Escolar). Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual paulista Júlio de Mesquita Filho, Araraquara, 2017.

SOUZA, B. P. (org). Orientação à queixa escolar. São Paulo: Casa do psicólogo, 2007.

SOUZA, M. C. B. R. de. A concepção de criança para o enfoque histórico-cultural. 2007. 154 f. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual paulista Júlio de Mesquita Filho, Marília, 2007.

VIGOTSKI, L. S. Sete aulas de L. S. Vigotski sobre fundamentos da pedologia. Organização [e tradução]: Zoia Prestes e Elizabeth Tunes. Trad. Claudia da Costa Guimarães Santana. 1ª ed. Rio de Janeiro: E-papers, 2018. https://doi.org/10.4025/rtpe.v22i1.47437

VIGOTSKI, L. S. Psicologia Pedagógica. Tradução: Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2010. (Coleção Textos de Psicologia).

VIGOTSKI, L. S. Obras escogidas. Tradução: Lydia Kuper. Madrid: Visor Distribuiciones, 1996. v. 4.