Considerações adaptativas e morfológicas dos ossos do membro torácico do Tapirus terrestris (Perissodactyla, tapiridae)

  • Saulo Gonçalves Pereira Universidade Federal de Uberlândia - UFU Faculdade Patos de Minas - FPM
  • Daniela Cristina Silva Borges UFU FPM FCJP
  • Felipe César de Araújo Machado UNIPAM
  • Alex Rodrigo Borges FCJP FPM
  • André Luiz Quagliatto Santos UFU

Resumo

Tapirus terrestris é um dos maiores mamíferos das Américas, distribui-se desde o sul do Brasil e Argentina, até o norte do continente sul-americano. Objetivou-se, com esse estudo, traçar um breve histórico do surgimento dos tapirídeos através de uma revisão de literatura e apresentar as adaptações morfológicas e ambientais dos ossos do cíngulo escapular, braço, antebraço e mão de T. terrestris. Utilizaram-se quatro esqueletos de antas doados ao Laboratório de Ensino e Pesquisa em Animais Silvestres da Universidade Federal de Uberlândia. Os ossos foram minuciosamente analisados e descritos. Os tapirídeos surgiram na Terra no início do Pleistoceno e na América do Sul no Mioceno. O esqueleto do cíngulo escapular e braço de T. terrestris é constituído pelos ossos escápula e úmero, respectivamente. Esses ossos na espécie estudada são bastante protuberantes e desenvolvidos. Os ossos que constituem o esqueleto do antebraço de T. terrestris são a ulna e o rádio, já os ossos da mão os ossos do carpo, metacarpo, falanges e sesamóides. Os ossos de T. terrestris são protuberantes e resistentes com acidentes que, aparentemente, auxiliam no deslocamento cursorial. Por ser um animal cursorial tem adaptações morfológicas específicas que se relacionam ao seu nicho e habitat.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Saulo Gonçalves Pereira, Universidade Federal de Uberlândia - UFU Faculdade Patos de Minas - FPM
Graduado em Ciências Biológicas Bacharel/Licenciatura, pelo Centro Universitário de Patos de Minas (UNIPAM) . Pós-graduado em Didática e Docência do ensino Superior pela Faculdade Patos de Minas(2009). Mestre em Ciências Veterinárias na área de concentração - Saúde Animal pela Universidade Federal de Uberlândia (2013) Doutor em Ciências Veterinárias na linha de pesquisa Saúde Animal 
Daniela Cristina Silva Borges, UFU FPM FCJP
Graduada em Ciências Biológicas Bacharel/Licenciatura, pelo Centro Universitário de Patos de Minas (UNIPAM) . Pós-graduada em Didática e Docência do ensino Superior pela Faculdade Patos de Minas(2009). Mestra em Ciências Veterinárias na área de concentração - Saúde Animal pela Universidade Federal de Uberlândia (2013) e atualmente cursa o doutorado em Ciências Veterinárias na linha de pesquisa Saúde Animal ( Morfologia de Animais Silvestres) pela Universidade Federal de Uberlândia (2014). Professora do curso de Ciências Biológicas da Faculdade Cidade de João Pinheiro e da Faculdade Patos de Minas. Tem experiência na área de Zoologia, Morfologia e Evolução.
Felipe César de Araújo Machado, UNIPAM
Graduado em Secretariado e Relações públicas. Graduando em Medicina Veterinária.
Alex Rodrigo Borges, FCJP FPM

Graduação em FISIOTERAPIA

1993 - 1996

Centro Universitário do Cerrado Patrocínio 

Mestrado em Educação

2009 - 2011

Universidade Federal de Uberlândia 

André Luiz Quagliatto Santos, UFU
Graduado em Medicina Veterinária pela Universidade Federal de Uberlândia (1983). Possui mestrado em Anatomia dos Animais Domésticos e Silvestres pela Universidade de São Paulo (1990) e doutorado em Anatomia dos Animais Domésticos e Silvestres pela Universidade de São Paulo (1992). Atualmente é professor titular da Universidade Federal de Uberlândia. Coordenador Técnico do Laboratório de Ensino e Pesquisa em Animais Silvestres (LAPAS) da UFU. Responsável pelo atendimento clínico a Animais Selvagens no Hospital Veterinário da UFU. Tem experiência na área de Morfologia, com ênfase em Anatomia Animal, atuando principalmente nos seguintes temas: animais silvestres, anatomia, ontogenia óssea, contenção famacológica, répteis.
Publicado
2019-04-04
Seção
Animais Silvestres