DIGESTIBILIDADE DO EXTRATO ETÉREO E NITROGÊNIO DE HÍBRIDOS DE SORGO EM FRANGOS DE CORTE

  • João Paulo Rodrigues Bueno
  • Ana Paula Lobato Borges Queiroz
  • Evandro de Abreu Fernandes
  • Carolina Magalhães Caires Carvalho
  • Fernanda Heloisa Litz
  • Naiara Simarro Fagundes

Resumo

Objetivou-se avaliar a digestibilidade do extrato etéreo (EE) e do nitrogênio (N) de rações formuladas com de milho e híbridos de sorgo para frangos de corte. Foram utilizados 75 aves, machos da linhagem CobbAvian 48 pesados e dispostos aleatoriamente em 25 gaiolas, num delineamento interamente casualizado de cinco tratamentos e cinco repetições. Os tratamentos foram: 60% ração testemunha à base de farelo de soja (RT)+ 40% de milho moído, RT+ Sorgo A(amostra comercial), RT+ Sorgo B(amostra parental de pesquisa AS4620), RT+ Sorgo C(amostra parental de pesquisa DKB550), RT+ Sorgo D (amostra parental de pesquisa AS4610). Foi feita coleta total de excretas das aves dos 14 aos 22 dias de idade para posterior análise em laboratório, a partir desse valores juntamente com os das rações, foram feitos os cálculos para digestibilidade de EE e N. As variáveis foram submetidas à análise de variância e comparadas através do teste de Tukey Foi observado no período estudado, que a ração com o milho obteve melhor digestibilidade do N quando comparado aos híbridos de sorgo, enquanto que para os valores de digestibilidade de EE não houve diferenças significativas. Justifica-se o uso do sorgo como substituto do milho levando em consideração o valor de digestibilidade de EE, porém quando da digestibilidade de N o milho apresenta melhor valor.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2013-06-06