ESTUDO RETROSPECTIVO DE CÃES POSITIVOS PARA CINOMOSE, EM ENSAIO IMUNOCROMATOGRÁFICO, ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DE UBERABA-MG

  • Jandra Pacheco Santos
  • Cleibiane Evangelista Franco Borges
  • Carla Cunha Locce
  • Álvaro Ferreira Junior
  • Eustáquio Resende Bittar
  • Denise Rocha Ayres
  • Joely Ferreira Figueiredo Bittar

Resumo

A Cinomose canina é causada por um vírus do gênero Morbillivirus pertencente à família Paramyxoviridae. O tropismo viral pelos leucócitos pode levar à leucopenia com linfopenia, seguida de imunossupressão. Além disso, também pode ser observada trombocitopenia imunomediada. A detecção de antígenos virais, em swabs das conjuntivas de cães suspeitos de estarem infectados com cinomose, pode ser feita por meio da técnica de imunocromatografia. A infecção com o vírus da cinomose pode ser prevenida através da vacinação dos animais. A determinação da associação entre a infecção pelo Morbillivirus e alterações hematológicas e/ou bioquímicas em cães naturalmente infectados, pode auxiliar no acompanhamento do animal enfermo. Neste estudo retrospectivo, foram analisados os dados hematológicos e bioquímicos de 149 cães, de diferentes raças e idades, atendidos no Hospital Veterinário de Uberaba, Minas Gerais, no período entre os anos de 2008 a 2012, todos com diagnóstico positivo para antígenos virais de cinomose. 18,79% foram vacinados; 45,63% não eram vacinados e 35,57% estavam com vacinação atrasada. Em relação ás alterações hematológicas, obteve-se em maior quantidade: 48,32% anemia; 26,10% desidratação e 50,33% trompocitopenia. Já nas alterações de leucometria, observou-se em maior quantidade: 42,21% com valores normais de leucócitos; 57,71% linfopenia. A maioria dos casos positivos ocorreram no período seco do ano.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2013-06-06
Seção
Epidemiologia e Saúde Pública