CONDIÇÃO OVARIANA DE VACAS HOLANDESAS NO INÍCIO DO PROGRAMA REPRODUTIVO

  • Carla Cristian Campos
  • Estevão Vieira Resende
  • Luísa Cunha Carneiro
  • Anderson Kloster Munhoz
  • Ricarda Maria dos Santos

Resumo

O anestro pós-parto denota um estado de completa inatividade sexual, sem manifestações de cio, por se tratar de um período de transição durante o qual a funcionalidade do eixo hipotálamo-hipófise-ovário-útero se recupera da gestação anterior. O retorno da atividade ovariana no pós-parto pode ser afetado negativamente por diversos fatores, tais como balanço energético negativo (BEN), a perda de escore de condição corporal (ECC), a estação do ano na qual ocorre o parto, deficiências nutricionais no período de transição, partos distócicos, retenção de placenta, infecções uterinas e doenças de caráter metabólico. Avaliaram-se as condições corporal e ovariana de 168 vacas Holandesas lactantes entre 30 e 90 dias pós-parto (DPP) e classificaram-nas em quatro categorias: ovários com presença de folículos pequenos (Categoria 1: até 10 mm); ovários com folículos médios (Categoria 2: 10 a 18 mm); ovários com folículos grandes (Categoria 3: acima de 20 mm); e ovários com presença de corpo lúteo (CL) (Categoria 4). As vacas classificadas nas categorias 1, 2 e 3 foram consideradas em anestro. O ECC e os DPP não influenciaram a condição ovariana. Foram encontradas 15 vacas (8,93%) na categoria 1, 34 (20,24%) na categoria 2, 4 (2,38%) na categoria 3 e 115 (68,45%) na categoria 4. Não houve efeito dos DPP na porcentagem de vacas com presença de CL, porém houve a tendência (P = 0,074) de vacas com melhor condição corporal (≥ 2,75) apresentarem maiores taxas de ciclicidade (74,44%).

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2013-06-05
Seção
Reprodução Animal