DE FIGURA SIMBÓLICA A EMBLEMA DA EDUCAÇÃO

CRUZANDO OLHARES SOBRE O LABIRINTO

Palavras-chave: Labirinto. Educação Iniciática. Aprendizagem. Interioridade

Resumo

A figura simbólica do labirinto revela-se um complexo mítico-simbólico extremamente pregnante do imaginário mítico e do imaginário educacional. Este artigo dialoga com autores que estudaram a sua simbólica e construção e indaga sobre as implicações educacionais que decorrem da figura simbólica do labirinto. Tomando o labirinto como emblema da educação entendida como transmutação espiritual, constata que toda a educação iniciática, deve seguir os ensinamentos que dele derivam e criar condições para que o iniciado entre no seu interior, se descubra a si próprio e compreenda o sentido da sua profundidade. Trata-se de um processo mais da ordem da experiência, da descoberta e da aprendizagem do que do ensino, onde o protagonista é o próprio aprendente

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alberto Filipe Ribeiro de Abreu Araujo, Universidade do Minho
http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4357520J6: Professor Catedrático do Departamento de Teoria da Educação e Educação Artística e Física do Instituto de Educação (IE) da Universidade do Minho (UM) e investigador integrado do Centro de Investigação em Educação (CIEd) do Instituto de Educação da Universidade do Minho (Braga
Joaquim Machado de Araújo, Universidade Católica Portuguesa – Porto – Portugal

É professor auxiliar convidado e membro do Conselho Científico da Faculdade de Educação e Psicologia

Referências

AGOSTINHO de HIPONA, A verdadeira religião/De uera religione. Edição bilíngue português/latim, Tradução de Paula Oliveira e Silva e Manuel Ramos. Porto: Edições Afrontamento, Porto, 2012.
ARAÚJO, Alberto Filipe; ARAÚJO, Joaquim Machado. Dédalo e o labirinto. A figura simbólica do labirinto como emblema da educação, Itinerários de Filosofia da Educação, nº 9, 2º semestre de 2010, 5-20
BACHELARD, Gaston. La Terre et les Rêveries de la Volonté. 8è réimp.. Paris: Librairie José Corti, 1976.
___________. La Terre et les Rêveries du Repos. Essai sur les images de l’intimité. 16è réimp.. Paris: José Corti, 1992.
CASTRO, Federico Gómez R. de Castro. Navegar en el Labirinto. In BENITO, Agustín Escolano; Díaz, José María Hernández (Coords.). La memoria y el deseo. Cultura de la escuela y educación deseada. Valencia: Tirant lo Blanch, 2002, pp. 495-517.
DÉTIENNE, Marcel ; VERNANT, Jean-Pierre. Métis. As astúcias da inteligência. Trad. de Filomena Hirata. São Paulo : Odysseus Editora, 2008.
DURAND, Gilbert. Permanences & Metamorphoses du Labyrinthe. In LAMBERT, Jean-Clarence (Sous la dir. de). Le Labyrinthe. Forme. Métaphore. Paris-Lisbonne: Centre Culturel Portugais/Fondation Calouste Gulbenkian, 1985, pp. 9-12. [Colóquio organizado, em Maio de 1984, no quadro do Festival do Labirinto, em Paris, no Centro Cultural da Fundação Calouste Gulbenkian]
___________. Perenidade, Derivações e Desgate do Mito. In CHAUVIN, Danièle (Textos reunidos por). Campos do Imaginário. Trad. de Maria João Batalha Reis. Lisboa: Instituto Piaget, 1998, pp. 91-118.
___________; SUN, CHAOYING. Mythe, thèmes et variations. Paris: Desclée de Brouwer, 2002.
FREITAS, Lima de. O Labirinto. Lisboa: Arcádia, 1975.
FRONTISI-DUCROUX, Françoise. Dédale. Mythologie de l’artisant en Grèce ancienne. Paris: La Découverte & Syros, 2000.
LLÉDO, Emilio. Memoria de la ética. Barcelona: Herder, 1994.
MOSCATO, Maria Teresa (1998). Il Sentiero nel Labirinto. Miti e metafore nel processo educativo. Brescia: Editrice la Scuola.
SANTARCANGELI, Paolo. Le livre des labyrinthes: histoire d’un mythe et d’un symbole. Trad. de Monique Lacau. Paris: Gallimard, 1974.
YATES, Frances Amelia. A arte da memória. Trad. de Flavia Bancher. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.
Publicado
2019-12-17