A “NOITE ESCURA DA ALMA” NO LABIRINTO DO SER POÉTICO

  • Pe. Antoniel CEPESI/UEPB
  • Maria Goretti Ribeiro UEPB
Palavras-chave: Poesia, Processo de individuação, Labirinto Simbólico

Resumo

Interpretamos a metáfora “noite escura da alma”, construída pelo poeta místico espanhol São João da Cruz, no poema Noche oscura, estabelecendo uma analogia com o processo de individuação teorizado por Jung. Tomando a imagem do labirinto como símbolo do difícil e obscuro caminho da psique, no tempo da revisão dos erros existenciais, analisaremos a trajetória da alma/anima em busca do deus transcendente/Self, evidenciando os arquétipos Anima/Eros, Self, proeminentes no poema em virtude do motivo da busca, para a realização do hierosgamos/sizígia da alma com o Amado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. Tradução de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

CAMPBELL, Joseph. O herói de mil faces. Tradução de Adail Ubirajara Sobral. São Paulo: Pensamento, 2000.

CATECISMO DA IGRAJA CATÓLICA. São Paulo: Edições Loyola, 1999.

CHEVALIER, Jean. GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos. Tradução de Vera da Costa e Silva et al. 11. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1997.

CRUZ, São João da. Poesias completas. Lisboa: Assírio e Alvin, 1989.

HARDING, Mary Esther. Os mistérios da mulher. Tradução de Maria Elci Spaccaquerche Barbosa e Vilma Hissako Tanaka. 3. ed. São Paulo: Paulus, 1985.

JUNG, Carl Gustav. Os arquétipos e o inconsciente coletivo. Tradução Maria Luiza Appy e Dora Mariana R. Ferreira da Silva. Petrópolis: Vozes, 2000.

JUNG, Carl Gustav. A natureza da psique. Tradução de Dom Mateus Ramalho Rocha. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 1998.

JUNG, Carl Gustav. Símbolos de transformação. Tradução de Eva Stern. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1995.

JUNG, Carl Gustav. O espírito da arte e na ciência. Tradução Maria de Morais Barros. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1991.

JUNG, Carl Gustav. Aion. Tradução Pe. Mateus Ramalho Rocha. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1988.

JUNG, Carl Gustav. Tipos psicológicos. Tradução de Álvaro Cabral. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1987.

JUNG, Carl Gustav (org.). O homem e seus símbolos. Tradução de Maria Lúcia Pinho. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, s.d.

JUNG, Emma. Animus e Anima. Tradução de Dante Pignatari. São Paulo: Cultrix, 1991.

PLATÃO. A República. São Paulo: Martin Claret, 2000.

PLATÃO. O Banquete. Tradução de Manuel de Oliveira Pulquério, Maria Teresa Schiappa de Azevedo e José Ribeiro Ferreira. Lisboa; São Paulo: Verbo, 1973.

SANFORD, J. Mal: o lado sombrio da realidade. Tradução de Sílvio José Pilon e João Silvério Trevisan. 2. ed. São Paulo: Paulinas, 1988. (Coleção amor e Psique).

Publicado
2019-12-17