A importância social e simbólica do mito

do estabelecimento da mitologia como ciência à atualidade

  • Ana Maria Saldanha Instituto Politécnico de Macau (IPM)
Palavras-chave: Mito, Mitologia, Imaginário social, Representações simbólicas, Sociedades humanas

Resumo

O mito corresponde à narração de um tempo passado original, precursor de todos os tempos, nos quais poderemos encontrar os modelos e exemplos que determinam e dão sentido à vida. Tendo acompanhado o Homem desde os primórdios da humanidade, o mito encontra-se enraizado nos comportamentos humanos, explicando simbolicamente factos humanos e naturais. No seguimento de um trabalho anterior, no qual procuramos compreender ontologicamente quer a função social do mito, quer o estabelecimento da mitologia como ciência, pretendemos, desta feita, compreender a importância social e simbólica do mito, desde que se estabeleceu como ciência, até à atualidade.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Maria Saldanha, Instituto Politécnico de Macau (IPM)

Professora Adjunta Convidada Instituto Politécnico de Macau (IPM)

Pós-doutoramento em Sociologia da Literatura pela FCLAr-UNESP(Brasil)

Doutoramento em Literatura Comparada (Université Stendhal - Grenoble III (França) / Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (Portugal))

Mestrado na (Université Stendhal - Grenoble III (França))

Licenciatura Letras e Literaturas Modernas - variante de Estudos Portugueses (FCSH-Universidade Nova de Lisboa)

Referências

ADORNO, Theodor W. Palestra sobre lírica e sociedade. In: Notas de Literatura I. Tradução de Jorge de Almeida. São Paulo: Editora 34 Ltda, 2003.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. 9ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1995.

DURAND, Gilbert. A imaginação simbólica. Tradução de Eliane Fittipaldi. São Paulo: Cultrix/EDUSP, 1988.

______________. O imaginário: ensaio acerca das ciências e da filosofia da imagem. Tradução de Renée Eve Levié. Rio de Janeiro: DIFEL, 1998.

ELIADE, Mircea. Mito e realidade. Tradução de Pola Civelli. São Paulo: Perspectiva, 1972.

HOLANDA, Isméria de Oliveira; PAIVA, Antonio Cristian Saraiva. A literatura lésbica entre o virtual e o impresso. In: Dossiê Literatura e Memória, vol. 3, nº 2, 2015. Disponível em: http://www.culturaememoria.com.br/revista/index.php/cmd/article/view/56

JUNG, Carl G. O homem e seus símbolos. Tradução de Maria Lúcia Pinho. São Paulo: Nova Fronteira, 2008.

LOURO, Guacira Lopes. O corpo estranho: Ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

MEYERHOFF, Hans. O tempo na literatura. Tradução de Myriam Campello. São Paulo: Mcgraw do Brasil, 1976.

PLATÃO. Diálogos I: Mênon, Banquete, Fedro. Rio de Janeiro: Ediouro, 1996.

POLESSO, Natalia Borges. Marília acorda. In: Amora. Porto Alegre: Não Editora, 2015. p. 132-136.

TREVISAN, João Silvério. Devassos no paraíso: A homossexualidade no Brasil, da colônia à atualidade. 5ª. ed. Rio de Janeiro: Record, 2018.

VAINFAS, Ronaldo. Homoerotismo feminino e o Santo Ofício. In: DEL PRIORE, Mary; BASSANEZI, Carla. (Org.). História das mulheres no Brasil. 9. ed. São Paulo: Contexto, 2008. p. 115-124.

Publicado
2019-07-09
Como Citar
SALDANHA, A. M. A importância social e simbólica do mito. Téssera, v. 1, n. 2, p. 05-23, 9 jul. 2019.
Seção
Artigos