Metodologia para a elaboração de estrutura salarial em instituições de ensino

Palavras-chave: Plano de carreira, cargos e salários, Médias salariais, Salários em escolas privadas, Remuneração por cargo

Resumo

Estabelecer uma estrutura salarial que permita que uma organização alcance seus objetivos e, ao mesmo tempo, seja compatível com o mercado é sempre um grande desafio. Salários justos aumentam os níveis de motivação, retêm talentos e reforçam o comprometimento dos colaboradores. Esta pesquisa propõe uma metodologia indexada para o estabelecimento de valores salariais para os cargos de uma instituição de ensino, considerando os pisos salariais das respectivas classes trabalhistas e as médias salariais praticadas no mercado. Foram criados Fatores de Experiência, Fatores Mínimos de Remuneração e Fatores finais de Remuneração. Ao estabelecer-se o valor mínimo ou máximo que a instituição deseja pagar a seus colaboradores, apurou-se a estrutura salarial para todos os cargos da instituição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BANCO NACIONAL DE EMPREGOS (BNE). 2019. Disponível em: <https://www.bne.com.br/>. Acesso em: 09 mar. 2019.

BARBOSA FILHO, F.H; PESSOA, S.A. A carreira de professor estadual no Brasil: os casos de São Paulo e Rio Grande do Sul. Revista de Administração Pública, v. 45, n. 4, p. 965-1001, 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/s0034-76122011000400004

BBC NEWS. 2018. Salários altos, prestígio, apoio ao estudo: as lições dos países que tratam bem seus professores. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/geral-45680063>. Acesso em: 10 jan. 2020.

BRASIL. Decreto-Lei n. 5442, de 01 de maio de 1943. Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Decreto-Lei/Del5452compilado.htm>. Acesso em: 08 abr. 2019.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2016]. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 06 abr. 2019.

BRASIL. Lei n.13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF., 26 jun. 2014. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm>. Acesso em: 10 abr. 2019.

CARROL, S. J. Business strategies and compensation systems. In: BAKIN, D.B.; GÔMEZ-MEJÍA, L.R. New perspectives on compensation. Englewood Cliffs: Prentice Hall, 1987.

CHIAVENATO, I. Recursos humanos: o capital humano das organizações. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

CHIAVENATO, I. Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. 4. ed. Barueri: Manole, 2014.

DRUCKER, P. Management, tasks, responsibilities, practices. New York: Harper and Row Publishers, 1974.

MELLO E SOUZA, A. Determinantes da aprendizagem em escolas municipais. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, v. 13, n. 49, p. 413-434, 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/s0104-40362005000400002

MILKOVICK, G.T; BOUDREAU, J.W. Human resources management. New York: Richard D. Irwin, 1994.

PALAZZO, J.; GOMES, C.A. Plano de carreira e avaliação dos professores: encontros e desencontros. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, v. 17, n. 63, p. 205-234, 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/s0104-40362009000200003

PATTON, T. Pay. New York: Free Press, 1977.

PEREIRA, G.L.; ALVES, T. Contribuições da produção acadêmica recente sobre remuneração docente para discussão da Meta 17 do PNE. FINEDUCA – Revista de Financiamento da Educação, v. 5, n. 1, p. 1-21, 2015.

SALÁRIO BR. 2019. Pesquisa salarial no Brasil. Disponível em: <http://www.salariobr.com/>. Acesso em: 09 mar. 2019.

SILVA, M.L.L.; LEÃO, D.O. A gestão escolar democrática e o princípio de valorização e reconhecimento do trabalho do professor. Revista de Gestão e Avaliação Educacional, v. 7, n. 16, p. 77-90, 2018. DOI: https://doi.org/10.5902/2318133832901

SINDICATO DOS AUXILIARES DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (SAAERJ). 2019. CCT Estadão 2018-2019 SAAERJ. Disponível em: <http://saaerj.org.br/pdf/CCT-Estadao-2018-2019.PDF>. Acesso em: 01 mar. 2019.

SINDICATO DOS AUXILIARES DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DE SÃO PAULO (SAAESP). 2019. Convenção Coletiva de Trabalho 2018/2019 – Auxiliares de Administração Escolar no Ensino Básico. Disponível em: <http://www.saaesp.org.br/convencao-coletiva-de-trabalho-20182019-auxiliares-de-administracao-escolar-no-ensino-basico>. Acesso em: 08 mar. 2019.

SINDICATO DOS PROFESSORES (SINPRO) NITERÓI E REGIÃO. 2019. SINEPE/RJ. Disponível em: <http://www.sineperj.org.br/admIN/upload/convencao/CCT2018-2019Nitero769i1.pdf>. Acesso em: 08 mar. 2019.

TRABALHA BRASIL. 2019. Média Salarial. Disponível em <https://www.trabalhabrasil.com.br/media-salarial>. Acesso em: 09 mar. 2019.

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO (TST). 2003. Súmula 351. Professor - Repouso semanal remunerado. Disponível em: <http://www.tst.jus.br/sumulas>. Acesso em: 08 abr. 2019.

WALLACE, M.J. Sustaining success with alternative rewards. In: ROCK, M.L.; BERGER, L.A. The compensation handbook. New York: McGraw-Hill, 1991. DOI: https://doi.org/10.1002/9781118881255.ch1

WALLACE, M.J.; FAY, C.H. Compensation theory and practice. Boston: PWS-Kent, 1983.

Publicado
2020-02-06
Como Citar
Dias, S. M. A., Marques, R. N., & Mendes, F. H. (2020). Metodologia para a elaboração de estrutura salarial em instituições de ensino. Revista Educação E Políticas Em Debate, 8(3), 451 - 466. https://doi.org/10.14393/REPOD-v8n3a2019-50384
Seção
Artigos de Demanda Contínua