Estimativa da Escolha do Modo de Viagem Utilizando Geoestatística: um Estudo de Caso Brasileiro

Palavras-chave: Geoestatística, Krigagem Indicadora, Escolha Modal, Ausência de Dados

Resumo

Métodos tradicionais para a estimativa da demanda por transportes são frequentemente delineados considerando informações socioeconômicas e de viagens. As informações para conduzir tais estudos são dispendiosas e raramente disponíveis em países em desenvolvimento. Além disso, métodos convencionais não consideram as relações espaciais das variáveis e, em geral, uma quantidade considerável de dados individuais socioeconômicos e de viagem são requeridos. O objetivo principal deste trabalho é avaliar a importância de considerar informações espaciais no processo de estimativa da escolha do modo de viagem, considerando especialmente a ausência de dados disponíveis. A área de estudo é a Região Metropolitana de São Paulo (Brasil) e o conjunto de dados refere-se à Pesquisa Origem-Destino, conduzida em 2007. Esta pesquisa analisa o uso da Geoestatística na estimativa das escolhas modais. Os resultados provenientes desta abordagem geoestatística se mostraram satisfatórios. Por fim, apesar de as variáveis socioeconômicas e de viagem terem um maior poder explicativo na predição das escolhas modais, fatores espaciais contribuem para um melhor entendimento do comportamento individual relativo a viagens e fornecem informações adicionais no processo de estimativa de dados espacialmente correlacionados.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2021-02-19
Como Citar
LINDNER, A.; PITOMBO, C. S.; ASSIRATI, L.; PEDREIRA JUNIOR, J. U.; SALGUEIRO, A. R. Estimativa da Escolha do Modo de Viagem Utilizando Geoestatística: um Estudo de Caso Brasileiro . Revista Brasileira de Cartografia, v. 73, n. 1, p. 182-197, 19 fev. 2021.
Seção
Artigos Originais