Inundação Costeira por Elevação do Nível do Mar em Imbé e Tramandaí - RS

Palavras-chave: Inundação costeira, Modelo digital de elevação., Elevação do nível do mar., Gestão costeira.

Resumo

Uma das consequências da elevação do nível do mar é predispor a população e o ecossistema à inundação costeira. A vulnerabilidade pode causar distintos impactos dependendo da cota do terreno e da extensão da área ocupada. Imbé e Tramandaí localizados no litoral norte do RS são dois municípios que apresentam cotas baixas e áreas densamente ocupadas.  Através de levantamentos topográficos do terreno foi conduzida uma modelagem digital para determinação das cotas de inundação. Foram considerados sete cenários de elevação do nível do mar, a partir de um conjunto de eventos marinhos extremos registrados na área de estudo, resultantes da soma das variáveis oscilação mareal e sub-mareal. Também, foram somadas as oscilações da onda por galgamento. Além das condições de mar atual foram incorporada nesta análise as projeções futuras da variação do nível do mar de acordo com o IPCC. A menor cota de subida do nível foi de 2,07 m e a maior de 4,33 m. Os mapas gerados possibilitaram a descrição da vulnerabilidade à subida do nível do mar, bem como reconhecer os locais com maior inundação. A análise dos resultados permitiu observar que a extensão das áreas vulneráveis tende a aumentar e que os planos de gestão costeira dos municípios devem abordar a questão de inundação para que se possa mitigar as consequências deste processo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Fatima da Silva, UFRGS

Ana possui graduação em Oceanografia pela Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI), completada em 2006 e mestrado pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), finalizado em 2010. Atualmente cursando o doutorado na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, na área de Geologia Marinha. Atua em Projetos de Pesquisas do Centro de Estudos de Geologia Costeira e Oceânica (CECO). Foi professora substituta na Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) e atualmente é professora horista da Universidade do Sul de Santa Catarina (UNISUL). Tem experiência nas áreas de Gerenciamento Costeiro, Geologia Marinha, Geomorfologia Costeira e Educação Ambiental.

Elírio Ernestino Toldo Junior, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Centro de Estudos de Geologia Costeira e Oceânica

Graduado em Geologia e Doutorado em Geociências pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professor Titular no Departamento de Mineralogia e Petrologia (DEMIPE-IG-UFRGS), responsável pelas disciplinas de Sedimentologia I, Geologia Marinha e Costeira no curso de Graduação em Geologia, e Processos Costeiros no Programa de Pós-Graduação em Geociências. Autor de publicações científicas em periódicos nacionais e internacionais, desenvolvimento de software e produtos tecnológicos, orientações de Teses de Doutorado, Dissertações de Mestrado e supervisão de Pós-doutorado. Editor Convidado do Deep Sea Research II e Editor Convidado do Environmental Monitoring and Assessment.

Arnold Van Rooijen, The University of Western Australia, School of Earth Sciences, WA, Australia.

Arnold van Rooijen obteve seu mestrado na Universidade de Tecnologia de Delft em 2011 no campo da engenharia costeira e morfologia. Em setembro de 2011, ingressou na Deltares como engenheiro / pesquisador costeiro na unidade de Sistemas Marinhos e Costeiros. Desde então, ele esteve envolvido em vários estudos morfológicos ao longo da costa holandesa, bem como em vários projetos de pesquisa internacionais (por exemplo, EUA, Iraque, Cingapura, Nova Zelândia) relacionados à hidro e à morfodinâmica costeiras. Em outubro de 2015, Arnold foi nomeado representante local da Deltares na Austrália Ocidental. Ele combina essa posição com sua pesquisa de doutorado na University of Western Australia, em Perth. Sua pesquisa enfoca a interação entre vegetação costeira e hidro e morfodinâmica.

Cláudia Franca Abreu, The University of Western Australia, School of Agriculture and Environment

Cláudia é formada em oceanografia e possui mestrado em Engenharia e Gestão Costeira e Marinha. Atualmente doutoranda na escola de Agricultura e Meio Ambiente em Geografia Humana da Universidade da Austrália Ocidental. A pesquisa de Claudia é sobre a revitalização da cultura e sua relação com o bem-estar e a resiliência indígena. Ela trabalha com o povo guarani do sul do Brasil. Ela também tem interesse na adaptação climática das comunidades indígenas nas áreas costeiras.

Jorge Luiz Rodrigues Filho, Universidade do Estado de Santa Catarina

Jorge fez graduação em Ciências Biológicas na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Na mesma instituição, cursou mestrado e doutorado em Ecologia e Recursos Naturais pelo PPGERN. Entre os anos de doutorado (2009- 2013), atuou como consultor/pesquisador no Instituto Internacional de Ecologia (IIE) , onde atuou em uma série de projetos e de estudos em distintas fases de licenciamento ambiental de empreendimentos hidrelétricos (Caracterização ambiental, EIAs e PBAs). Atualmente, é professor efetivo da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC/Laguna-SC), onde coordena o Laboratório de Ecologia. Em suas pesquisas, procura usar teoria ecológica e métodos estatísticos em questões que envolvem o uso e a conservação de recursos naturais em ecossistemas aquáticos.

Ronaldo dos Santos Rocha, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Possui graduação em Engenharia Cartográfica pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1987), Mestrado em Ciências Geodésicas pela Universidade Federal do Paraná (1994) e Doutorado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (2002). Atualmente é Professor Associado da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, coordenador do LACAAP - Laboratório de Cartografia Aplicada da UFRGS e membro da Comissão de Graduação do Curso de Engenharia Cartográfica. Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em Cartografia, Geodésia e Geoprocessamento, atuando principalmente nos seguintes temas: Cadastro urbano e rural, qualidade cartográfica, geoprocessamento,rede geodésica, cartografia digital e sistemas de informações geográficas. Atualmente é Presidente da Associação Brasileira de Engenheiros Cartógrafos regional Rio Grande do Sul.

Robson dos Santos Aquino, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Possui mestrado em geociências, área de concentração geologia marinha, cursado no programa de pós graduação em Geociênias da Ufrgs. É graduado em Geologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2000), e técnico em hidrologia formado no Instituto de pesquisas hidráulicas da Ufrgs (1994). é técnico administrativo da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em Gravimetria, topografia e cartografia, atuando principalmente nos seguintes temas: geodésia, levantamentos topográficos e métodos geofísicos potenciais (magnetometria e gravimetria).

Publicado
2020-09-22
Como Citar
SILVA, A. F. DA; TOLDO JUNIOR, E. E.; VAN ROOIJEN, A.; ABREU, C. F.; RODRIGUES FILHO, J. L.; ROCHA, R. DOS S.; AQUINO, R. DOS S. Inundação Costeira por Elevação do Nível do Mar em Imbé e Tramandaí - RS. Revista Brasileira de Cartografia, v. 72, n. 3, p. 541-557, 22 set. 2020.
Seção
Artigos Originais