Caracterização espectral de corais do Sudoeste do Atlântico

  • Thais Andrade Galvão de Medeiros
  • José Carlos Sícoli Seoane
  • Cassia Cristina de Azevedo Cubas Jonck
  • Cátia Fernandes Barbosa
  • Gustavo Macedo de Mello Baptista
  • Marjorie Csekö Nolasco
Palavras-chave: Assinaturas espectrai, Corais do Atlântico Sul, Análise de derivadas, NDVI

Resumo

Os recifes de coral são um dos ecossistemas mais ricos e diversos na Terra e atualmente tem sofrido diversos impactos sejam eles naturais ou antrópicos. O sensoriamento remoto tem se transformado em um mecanismo na busca da conservação destes ambientes. Conhecer as respostas espectrais dos organismos estudados aumenta a eficiência do uso desta ferramenta nos estudos ambientais. Este trabalho tem como finalidade aumentar o conhecimento acerca dos dados espectrais de corais saudáveis e branqueados coletados no Atlântico Sul. Para isto foram utilizadas diversas análises tais como: análise de médias, derivadas e Ãndice de Vegetação por Diferença Normalizada (NDVI- Normalized Difference Vegetation Index). Ao todo foram coletados 67 dados espectrais de corais e hidrocoral saudáveis e branqueados de diversas espécies endêmicas, de grande resistência e encontradas em outros recifes do Atlântico, as quais são: Agaricia agaricites, Favia gravida, Mussismilia braziliensis, Mussismilia harttii, Porites astreoides, Siderastrea stellata e o hidrocoral Milepora alcicornis. Os resultados mostram que a maioria dos corais e o hidrocoral coletados são classificados como corais marrons, e que a espécie P. astreoides, diferente do observado em outros recifes no mundo, seria classificada como azul. As técnicas utilizadas corroboraram com outros trabalhos previamente publicados revelando que é possível separar espectralmente corais saudáveis e branqueados. As diferenças observadas nas derivadas sugerem que seja possível separar estes corais em diferentes espécies, indo além da classificação geral: marrom e azul e a análise do NDVI mostrou a proximidade existente entre os corais branqueados e a espécie P.astreoides, e que provavelmente esta relação esteja relacionada com a concentração de clorofila-a nestes organismos.
Publicado
2018-09-30
Seção
Artigos Originais