Proposição de Simbologia para Cartas Derivadas para o Mapeamento Topográfico do Município de Campo Largo – PR

Gilaida Natingue, Luciene Stamato Delazari, Claudia Robbi Sluter

Resumo


O presente trabalho aborda a proposição da simbologia para as cartas topográficas na escala 1:5.000, derivadas das cartas topográficas 1:2.000. As categorias de feições que existem no Município de Campo Largo - PR foram submetidas à análise de percepção, baseada em tamanhos mínimos, previamente apresentados por outros autores (). Para cada classe de feições foi identificada a primitiva gráfica utilizada na carta original e foi avaliada a possibilidade de manter a primitiva ou modificar sua representação na carta derivada. Na maioria dos casos, a toponímia ficou ilegível, algumas edificações isoladas ficaram aglomeradas e alguns símbolos ficaram imperceptíveis com a redução da escala. A pesquisa mostrou que os símbolos das vias, dos rios e de algumas edificações podem ser aplicados na carta derivada, desde que sejam observados os conceitos da linguagem cartográfica e teorias da semiologia gráfica para não comprometer o processo da comunicação cartográfica. A proposta de simbologia de uma carta exige o cumprimento das regras e especificações para a manutenção da consistência lógica entre cartas de escalas subsequentes, tal como as cartas de 1:25.000 e 1:50.000 que seguem as normatizações estabelecidas pela CONCAR.

Palavras-chave


Cartas topográficas; Simbologia; Percepção de símbolos

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1808-0936 | Periódico indexado à seguintes bases de dados: Periódicos CAPES, Google Scholar, WorldCat, DOAJ, Latindex | Índice h5=7, mediana h5=9 (Google Scholar)