Relato de experiência de uma oficina sobre sexualidade com jovens de uma escola pública de Uberlândia, Minas Gerais

  • Mariana Vasconcelos Paranaiba Universidade Federal de Uberlândia
  • Gabriela Ferreira de Camargos Rosa Universidade Federal de Uberlândia
  • Mariana Hasse Universidade Federal de Uberlândia
  • Elisa Toffoli Rodrigues Universidade Federal de Uberlândia
Palavras-chave: Sexualidade, Educação da população, Redução de danos

Resumo

De acordo com as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de Medicina, compete aos estudantes de medicina conhecer, vivenciar e efetivar as políticas públicas de saúde. Diante disso, nós, três estudantes de medicina da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e 2 coordenadoras, docentes do curso, elaboramos um projeto de extensão, com início em março de 2018 e término em janeiro de 2019. O objetivo foi abordar o conceito de redução de danos, através da educação popular em saúde, em uma escola pública da cidade. Iniciamos o projeto com a pactuação das atividades com a escola escolhida. Optamos por uma escola situada na área central da cidade que oferecia ensino médio noturno, na modalidade regular e também do programa de Educação para Jovens e Adultos. Dentre os diversos temas sugeridos o tópico sexualidade apareceu na maioria dos votos. Foi desenvolvida uma oficina sobre sexualidade em quatro etapas: aquecimento, atividade 1, atividade 2 e feedback. Participaram da oficina 52 estudantes de três turmas diferentes, uma de cada ano do Ensino Médio. Conseguimos, com dificuldade, envolver a maior parte dos participantes, permitindo a participação e exposição de ideias diversas, surgimento de polêmicas e informações enriquecedoras a todo o grupo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Vasconcelos Paranaiba, Universidade Federal de Uberlândia

Graduanda em Medicina na Universidade Federal de Uberlândia, Minas Gerais, Brasil.

Gabriela Ferreira de Camargos Rosa, Universidade Federal de Uberlândia

Graduada em Medicina pela Universidade Federal de Uberlândia, Minas Gerais, Brasil. 

Mariana Hasse, Universidade Federal de Uberlândia

Doutora em Enfermagem pela Universidade de São Paulo, Brasil; professora adjunta do Eixo de Saúde Coletiva na Universidade Federal de Uberlândia, Minas Gerais, Brasil. 

Elisa Toffoli Rodrigues, Universidade Federal de Uberlândia

Doutoranda em Saúde Coletiva na Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, Brasil; professora da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Uberlândia, Minas Gerais, Brasil.

Referências

ALEMAYEHU, B. et al. Epidemiology of intestinal helminthiasis among school children with emphasis on Schistosoma mansoni infection in Wolaita zone, Southern Ethiopia. Biomed Central, Londres, v. 17, n. 587, p. 2-10, 2017. Doi: 10.1186/s12889-017-4499-x.

AGUIRRE, A. A. et al. The one health approach to toxoplasmosis: epidemiology, control and prevention strategies. EcoHealth, New York, NY, v. 16, n. 2, p. 378-90, 2019. Doi: 10.1007/s10393-019-01405-7.

ANDRADE, A. M. et al. Intestinal obstruction in a 3-year-old girl by Ascaris lumbricoides infestation: case report and review of the literature. Medicine, Baltimore, v. 94, n. 16, p. 1-3, 2015. Doi: 10.1097/MD.0000000000000655.

ANGELUCI, C. H. G. et al. Avaliação da prevalência de parasitoses intestinais em escolares do Município de Formosa-GO. Sinergia, São Paulo, v. 14, n. 3, p. 227-232, 2013.

BISSATI, K. E. et al. Global initiative for congenital toxoplasmosis: an observational and international comparative clinical analysis. Emerging Microbes and Infections. Philadelphia, v.7, n. 165, p. 1-14, 2018. Doi: 10.1038/s41426-018-0164-4.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de Vigilância em Saúde. Brasília, DF: MS, 2016.

DUFLOTH, D. B. et al. Pesquisa sobre a contaminação de hortaliças por ovos e larvas de nematódeos e cistos de protozoários como método de estudo. Revista de Patologia Tropical, Goiânia, v. 42, n. 4, p. 443-454, 2013. Doi: 10.5216/rpt.v42i4.27923.

GABANI, F. L.; MAEBARA, C. M. L.; PIMENTA-FERRARI, R. A. Pediculose nos centros de educação infantil: conhecimentos e práticas dos trabalhadores. Escola Anna Nery Revista Enfermagem, Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, p. 309-371, 2010. Doi: 10.1590/S1414-81452010000200014.

LAGO, M. L.; PITREZ, M. C. Toxoplasmose, interdicisplinaridade e geografia. Scientia Medica, Porto Alegre, v. 20, n. 1, p. 3-4, 2010. Doi: 10.15448/1980-6108.2010.1.6949.

MACIEL, G. P.; TASCA, T.; De CARLI, G. A. Aspectos clínicos, patogênese e diagnóstico de T. vaginalis. Jornal Brasileiro de Patologia Médica e Laboratorial, Rio de Janeiro, v. 40, n. 3, p. 152-160, 2004. Doi: 10.1590/S1676-24442004000300005.

MARINHO, J. C. B.; SILVA, J. A.; FERREIRA, M. A educação em saúde como proposta transversal: analisando os Parâmetros Curriculares Nacionais e algumas concepções docentes. História, Ciências, Saúde, Rio de Janeiro, v. 22, n. 2, p. 429-443, 2015. Doi: 10.1590/S0104-59702014005000025.

MORAIS, A. G.; ALBUQUERQUE, E. B. C.; BRANDÃO, A. C. P. A. Refletindo sobre a língua escrita e sobre sua notação no final da educação infantil. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 97, n. 247, p. 519-533, 2016. Doi: 10.1590/s2176-6681/277833582.

NEVES, D. P. et al. Parasitologia humana. 13. ed. São Paulo: Atheneu, 2016.

OLIVEIRA, F. L. B. de; ALMEIDA JUNIOR, J. J. de. Motivações de acadêmicos de enfermagem atuantes em projetos de extensão universitária: a experiência da Faculdade Ciências da Saúde do TRAIRI/UFRN. Espaço para a Saúde, Londrina, v. 16, n. 1, p. 40- 47, 2015. Doi: 10.22421/1517-7130.2015v16n1p40.

SCHALL V. T., STRUCHINER, M. Educação em saúde: novas perspectivas. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.15, supl. 2, 1999. Doi: 10.1590/S0102-311X1999000600001.

TOSCANI, N. V. et al. Desenvolvimento e análise de jogo educativo para crianças visando à prevenção de doenças parasitológicas. Interface: Comunicação, Saúde e Educação. Botucatu, v. 11, n. 22, p. 281-294, 2007. Doi: 10.1590/S1414-32832007000200008.

UNITED NATIONS (ONU). Millennium development goal 8: taking stock of the global partnershipfor evelopment. MDG Gap Task Force. Report 2015.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Global incidence and prevalence of selected curable sexually transmitted infections – 2008. Geneva: WHO, 2012.

Publicado
2020-01-22
Como Citar
PARANAIBA, M. V.; ROSA, G. F. DE C.; HASSE, M.; RODRIGUES, E. T. Relato de experiência de uma oficina sobre sexualidade com jovens de uma escola pública de Uberlândia, Minas Gerais. Revista Em Extensão, v. 18, n. 2, p. 142-154, 22 jan. 2020.
Seção
Relatos de Experiência