Reflexões sobre o plantão de atendimento psicológico a partir da caracterização de usuários/as e demandas

  • Jussane Alexandre Risczik Universidade Paranaense
  • Samara Cecilia Bolico Strassburg Universidade Paranaense
  • Alessandra Vieira Fernandes Universidade Paranaense
Palavras-chave: Saúde mental, Atendimento psicológico, Serviço-escola, Plantão psicológico

Resumo

O Plantão Psicológico é uma modalidade clínica destinada à demanda psicológica emergencial. A fim de contribuir, de modo teórico e prático, esse estudo descreve e analisa o perfil de usuários/as atendidos no Plantão Psicológico e as demandas identificadas. Participaram da investigação 47 usuários/as atendidos/as por plantonistas entre uma a três sessões. Os dados foram coletados nas Fichas de Registros de Plantão de Atendimento Psicológico, sendo analisados via estatística descritiva. Evidenciamos que o gênero feminino foi o público atendido com predominância. A maioria do público atendido foi de adolescentes entre 12 e 18 anos de idade, em contraste ao grupo etário de 40 a 65 anos de idade, a minoria a buscar o serviço de plantão psicológico. Concernente às demandas identificadas, verificamos a predominância de conflitos familiares e depressão, seguidas das queixas de ideação e/ou tentativa de suicídio e ansiedade. Percebemos que os atendimentos possibilitaram o processo de ressignificação do sofrimento relatado pelos/as usuários/as, os/as quais expressaram sua relevância no momento vivenciado por eles/as, por promover novas perspectivas, autoconhecimento e desmistificação do atendimento psicológico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jussane Alexandre Risczik, Universidade Paranaense

Graduanda em Psicologia na Universidade Paranaense, Paraná, Brasil.

Samara Cecilia Bolico Strassburg, Universidade Paranaense

Graduanda em Psicologia na Universidade Paranaense, Paraná, Brasil.

Alessandra Vieira Fernandes, Universidade Paranaense

Mestre em Educação Física pela Universidade Estadual de Maringá, Paraná, Brasil; responsável técnica do Centro de Psicologia Aplicada na Universidade Paranaense, Campus Francisco Beltrão, Paraná, Brasil; integrante do Grupo de Estudos do Lazer (GEL/UEM).

Referências

ARAÚJO, T. A.; PINHO, P. S.; ALMEIDA, M. M. G. Prevalência de transtornos mentais comuns em mulheres e sua relação com as características sociodemográficas e o trabalho doméstico. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., Recife, v. 5, n. 3, p. 337-348, 2005.

BRASIL. Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília, DF.

BRASIL. Ministério da Educação. Plano Nacional de Extensão Universitária. Fórum de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas Brasileiras e SESu/MEC. Edição Atualizada Brasil 2000/2001. Brasília: MEC, 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Rastreamento. Cadernos de Atenção Básica, Brasília, v. 2, n. 29, p. 1-98, 2013.

BENTO, E. S. Q. et al. Caracterização dos usuários do plantão psicológico no Hospital Universitário Lauro Wanderley. In: ENCONTRO DE EXTENSÃO, 14., 2013, João Pessoa. Anais […]. João Pessoa: 2013.

CHAVES, P. B.; HENRIQUES, W. M. Plantão psicológico: de frente com o inesperado. Psicologia Argumento, Curitiba, v. 26, n. 53, p. 151-157, abr.-jun. 2017.

CURY, V. E. Plantão psicológico em clínica-escola. In: MAHFOUD, M. (org.). Plantão psicológico: Novos horizontes. São Paulo: Companhia Ilimitada, 2012. p. 115-116.

FARINHA, M. G.; SOUZA, T. M. C. Plantão psicológico na delegacia da mulher experiência de atendimento sócio-clínico. Revista da SPAGESP, São Paulo, v. 17, n. 1, p. 65-79, 2016.

FIGUEIREDO, M. A. et al. Principais queixas atendidas pelo plantão psicológico no Hospital Universitário: dados comparativos. In: ENCONTRO DE EXTENSÃO, 15., 2013, João Pessoa. Anais […]. João Pessoa: 2013.

FONAPRACE – Fórum Nacional de Pró-Reitores de Assuntos Comunitários e Estudantis. IV Pesquisa do perfil do socioeconômico e cultural dos estudantes de graduação das instituições federais de ensino superior brasileiras. Brasília: Fonaprace, 2016. Disponível em: http://www.andifes.org.br/wp-content/uploads/2017/11/Pesquisa-de-Perfil-dos-Graduanso-das-IFES_2014.pdf. Acesso em: 10 dez. 2018.

FURIGO, R. C. P. L. Plantão psicológico: uma prática que se consolida. Boletim de Psicologia, São Paulo, v. 58, n. 129, p. 185-192, 2008.

GONÇALVES, L. O.; FARINHA, M. G.; GOTO, T. A. Plantão psicológico em Unidade Básica de Saúde: atendimento em abordagem humanista-fenomenológica. Revista da Abordagem Gestáltica, Goiânia, v. 22, n. 2, p. 225-232, 2016.

IHME – Institute for Health Metrics and Evaluation. Global burden of disease. Universidade de Washington: 2016.

LANDRETH, G. Child-centered play therapy in Elementary Schools. Guidance & Counseling, v. 28, p. 17-29, 1993.

MAHFOUD, M. A vivência de um desafio: plantão psicológico. In: ROSENBERG, R. L. Aconselhamento psicológico centrado na pessoa. São Paulo: EPU, 1987.

MERCURI, E.; POLYDORO, S. A. J. (org.). Estudante universitário: características e experiências de formação. Taubaté: Cabral Editora e Livraria Universitária. 2004.

MOZENA, H.; CURY, V. E. Plantão psicológico em um serviço de assistência judiciária. Memorandum, Belo Horizonte, v. 19, p. 65-78, 2010.

OLIVEIRA, M. S.; LUCENA-SANTOS, P.; BORTOLON, C. Clientela adulta de serviço psicológico: características clínicas e sociodemográficas. Psicologia: Teoria e Prática, v. 15, n. 2, p. 192-202, ago. 2013.

OMS – Organização Mundial da Saúde. Depression and other common mental disorders: global health estimates. 2017. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/254610/WHO-MSD-MER-2017.2-eng.pdf. Acesso em: 10 jun. 2019.

PAPALIA, D. E.; OLDS, S. W.; FELDMAN, R. D. Desenvolvimento humano. Porto Alegre: Artmed, 2010.

PAPARELLI, R. B.; NOGUEIRA-MARTINS, M. C. F. Psicólogos em formação: vivências e demandas em plantão psicológico. Psicologia Ciência e Profissão, v. 27, n. 1, p. 64-79, 2007. Doi: 10.1590/S1414-98932007000100006.

PERCHES, T. H. P. Plantão psicológico: o processo de mudança psicológica sob a perspectiva da psicologia humanista. 2009. 146 f. Tese (Doutorado) – Pontifícia Universidade de Campinas, Campinas, 2009.

PERCHES, T.; CURY, V. E. Plantão psicológico em Hospital Geral: um estudo fenomenológico. Psicologia Reflexão e Crítica, v. 20, n. 3, p. 472-479, 2007. Doi: 10.1590/S0102-79722007000300015.

PERCHES, T.; CURY, V. E. Plantão psicológico em hospital e o processo de mudança psicológica. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 29, n. 3, p. 313-320, 2013. Doi: 10.1590/S0102-37722013000300009.

PIZZIO, A.; KLEIN, K. Qualidade de vida no trabalho e adoecimento no cotidiano de docentes do Ensino Superior. Educação & Sociedade, Campinas, v. 36, n. 131, p. 493-513, abr.-jun. 2015.

PORTO, M. Intervenção em Psicologia em uma Universidade na Amazônia Sul Ocidental. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 37, n. 4, p. 897-908, out.-dez. 2017. Doi: 10.1590/1982-3703004212016 .

PRODÓCIMO, N. F.; HUEB, M. F. D. Acolhimento psicológico na clínica escola: um relato de experiência. Perspectivas em Psicologia, Catalão, v. 16, n. 1, p. 45-56, 2012.

RAMOS, M. T. Plantão psicológico em instituição de longa permanência para idosos: um estudo fenomenológico. 2012. 169 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, 2012.

ROGERS, C. Client-centered therapy: its current practice, implications and theory. London: Constable, 1951.

ROSARIO, A. B.; NETO, F. K. Plantão psicológico em uma clínica-escola de psicologia: saúde pública e psicanálise. A peste, São Paulo, v. 7, n. 1, 37-48, 2015. Doi: 10.5546/peste.v7i1.30463.

SCORSOLINI-COMIN, F. Plantão psicológico centrado na pessoa: intervenção etnopsicológica em terreiro de Umbanda. Temas em psicologia, Ribeirão Preto, v. 22, n. 4, p. 885-899, 2014. Doi: 10.9788/TP2014.4-16.

SOUZA, B. N.; SOUZA, A. M. Plantão psicológico no HUBFS: uma experiência de assistência à comunidade. Revista NUFEN, São Paulo, v. 3, n. 1, p. 200-209, 2011.

SOUZA, F. P.; SANTOS, D. F. G.; VIVIAN, A. G. Motivos da busca de atendimento psicológico em uma clínica escola da Região Metropolitana de Porto Alegre/RS. Aletheia, Canoas, n. 43-44, p. 24-36, ago. 2014.

STALIANO, P. et al. Plantão psicológico na clínica-escola de psicologia da Universidade Federal da Grande Dourados. Realização, Dourados, v. 4, n. 8, p. 33-45, 2017. Doi: 10.30612/re-ufgd.v4i8.7183.

TASSINARI, M. A. A clínica da urgência psicológica: contribuições da abordagem centrada na pessoa. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2003.

TASSINARI, M. A. A; DURANGE, W. Plantão psicológico e sua inserção na contemporaneidade. Revista NUFEN, São Paulo, v. 3, n. 1, p. 41-64, 2011.

Publicado
2020-01-22
Como Citar
RISCZIK, J. A.; STRASSBURG, S. C. B.; FERNANDES, A. V. Reflexões sobre o plantão de atendimento psicológico a partir da caracterização de usuários/as e demandas. Em Extensão, v. 18, n. 2, p. 03-18, 22 jan. 2020.
Seção
Artigos Originais