Onicomicose

esclarecimento junto a alunos das escolas públicas de Diamantina, Minas Gerais, Brasil

  • Valéria Macedo Cardoso Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
  • Ellen Cassandra Alkmim Mendes Universidade Federal do Vale do Jequitinhonha e Mucuri
Palavras-chave: Onicomicose, Ensino fundamental, Educação em saúde

Resumo

A incidência, prevalência e morbidade da onicomicose, a tornam um problema de saúde pública evidente. O diagnóstico clínico, baseado somente nas características clínicas das lesões, tem se revelado insuficiente, levando a erros terapêuticos. O diagnóstico micológico é extremamente importante para definir a verdadeira causa da lesão e auxiliar na escolha da terapêutica adequada. Nesse sentido, acadêmicos de Farmácia da Universidade Federal do Vale do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) procuraram conscientizar alunos do 9º ano do ensino fundamental das escolas públicas de Diamantina sobre as formas de contágio, sintomas, diagnóstico, tratamento e profilaxia das micoses de unha por meio de palestras e cartilha orientadora sobre o tema. Além dessa ação, exames micológicos foram realizados em amostras de raspas de unha de alunos que apresentavam sinais da presença de micose de unha, sendo diagnosticado um caso positivo e encaminhado ao médico dermatologista, o qual indicou a terapia medicamentosa apropriada. Foi realizado o acompanhamento do tratamento até a evidência de cura. A abordagem, além de cumprir seu objetivo, que é a extensão, envolveu atividade de pesquisa e de intervenção social, beneficiando todos os atuantes: escola, alunos, bolsistas, curso e universidade, enriquecendo a produção universitária e contribuindo para a qualidade de vida da população.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valéria Macedo Cardoso, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Doutora em Microbiologia (Microbiologia de Alimentos) pela Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil; professora adjunta da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, campus Diamantina, Minas Gerais, Brasil; coordenadora do projeto de extensão “Dermatofitoses: esclarecimento junto a alunos das escolas públicas do município de Diamantina, Minas Gerais”.

 

Ellen Cassandra Alkmim Mendes, Universidade Federal do Vale do Jequitinhonha e Mucuri

Graduanda em Farmácia na Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Minas Gerais, Brasil.  

 

Referências

ARENAS, R.; TORRES-GUERRERO, E. Onychomycosis. In: TOSTI, A. Nail Disorders. 2019. p. 31-35. Doi: 10.1016/B978-0-323-54433-7.00004-0.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Manual de Microbiologia Clínica para o Controle de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde. Brasília: Anvisa, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Edital ProExt. Brasília: MEC, 2015. Disponível em:<http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=15149-edital-proext-2015&Itemid=30192>. Acesso em: 7 de março 2019.

BROOKS, G. F. et al. Microbiologia médica de Jawetz, Melnick e Adelberg. 25. ed. Porto Alegre, RS: McGraw-Hill, 2012.

CFF – Conselho Federal de Farmácia. Resolução nº 596, de 21 de fevereiro de 2014. Dispõe sobre o Código de Ética Farmacêutica, o Código de Processo Ético e estabelece as infrações e as regras de aplicação das sanções disciplinares. 2014. Disponível em: http://www.cff.org.br/userfiles/file/resolucoes/596.pdf. Acesso em: 26 fev. 2019.

ONICOMICOSE. Diário do Nordeste, Fortaleza, 12 ago. 2014. Disponível em: http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/cadernos/vida/onicomicose-1.1075238. Acesso em: 22 de junho de 2017.

FELDSTEIN, S. et al. Antifungal therapy for onychomycosis in children. Clinics in Dermatology, v. 33, n. 1, p. 333-339, maio-jun. 2015. Doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.clindermatol.2014.12.010.

KAUR, R.; KASHYAP, B.; BHALLA, P. Onychomycosis epidemiology, diagnosis and management. Indian J. Med. Microbiol., v. 26, n. 2, p. 108-116, jun. 2008. Doi: 10.4103/0255-0857.40522.

LIPNER, S. R.; SCHER, R. K. Onychomycosis: clinical overview and diagnosis. Journal of the American Academy of Dermatology, New York, v. 80, n. 4, p. 835-851, 2019. Doi: 10.1016/j.jaad.2018.03.062.

LÓPEZ-JODRA, O.; TORRES-RODRIGUEZ, J. M. Especies fúngicas poco comunes responsables de onicomicosis. Rev. Iberoam. Micol., v. 16, n. 1, p. S11-S15, jan. 1999. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/238794577_Especies_fungicas_poco_comunes_responsables_de_onicomicosis/download. Acesso em 11 de março de 2019.

MEZZARI, A. et al. Prevalência de micoses superficiais e cutâneas em pacientes atendidos numa atividade de extensão universitária. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, João Pessoa, v. 21, n. 2, p. 151-156, 2017. Doi: 10.4034/RBCS.2017.21.02.

RICH, P. et al. Diagnosis, clinical implications, and complications of onychomycosis. Semin Cutan. Med. Surg., v. 32, S5-S8, jun. 2013.

RUBIO, M. C. et al. Perspectiva micológica de los dermatofitos en el ser humano. Rev. Iberoam. Micol, v. 16, p. 16-22, 1999. Disponível em: http://www.reviberoammicol.com/1999-16/016022.pdf. Acesso em: 8 mar. 2019.

VLAHOVIC, T. C. Onychomycosis evaluation, treatment options, managing recurrence, and patient outcomes. Clin. Pediatr. Med. Surg., v. 33, p. 305-318, jul. 2016. Doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.cpm.2016.02.001.

Publicado
2020-01-22
Como Citar
MACEDO CARDOSO, V.; MENDES, E. C. A. Onicomicose. Revista Em Extensão, v. 18, n. 2, p. 114-122, 22 jan. 2020.
Seção
Relatos de Experiência