Ações de inclusão social para pessoas diagnosticadas com hanseníase

Palavras-chave: Rede Social, Hanseníase, Educação em Saúde.

Resumo

O objetivo deste texto é relatar as experiências de extensionistas com a criação de uma rede social de apoio constituída por indivíduos que contribuíram para a reabilitação física e social de pacientes com hanseníase, participantes de um grupo de apoio inclusivo no município de Picos, Piauí. Trata-se de um relato de experiência do projeto de extensão “Controle de Comunicantes de Hanseníase de Picos”, realizado no período de março a dezembro de 2015. As redes sociais foram formadas com a ajuda da comunidade do bairro em busca de espaços de inclusão, para promover uma interação entre a comunidade e os constituintes do grupo. Durante o Diagnóstico Social, foi possível identificar que o bairro escolhido sofria com problemas sociais como a falta de mobilidade urbana e saneamento básico, presença de terrenos baldios, utilizados como depósito de lixo e coleta de lixo inadequada. Buscou-se também utilizar unidades de saúde, igrejas e pontos comerciais como locais estratégicos para dar suporte à rede social. Elaborou-se um mapa, no qual foram identificados todos os pontos. Conclui-se que a hanseníase em Picos é endêmica e está relacionada com fatores políticos, econômicos, sociais, educacionais, culturais e demográficos, além do grau de organização e qualidade dos serviços de saúde.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Priska Bezerra Leal, Universidade Federal do Piauí

Especialista em Unidade de Terapia Intensiva pela Faculdade do Médio Parnaíba, Piauí, Brasil

Victorugo Guedes Alencar Correia, Universidade Federal do Piauí

Especialista em Gestão em Saúde pela Universidade Federal do Paiuí, Brasil

Eduardo de Oliveira Martins Dantas, Universidade Federal do Piauí

Especialista em Saúde Pública (Saúde da Família) pela Faculdade Entre Rios, Piauí, Brasil

Suyanne Freire de Macêdo, Universidade Federal do Piauí

Doutoranda em Saúde Coletiva na Universidade Estadual do Ceará, Brasil; professora assistente da Universidade Federal do Piauí, Brasil

Referências

ALENCAR, C. H. M. Padrões epidemiológicos da hanseníase em área de alto risco de transmissão nos estados do Maranhão, Pará, Tocantins e Piauí: 2001-2009. 2011. 313 f. Tese (Doutorado em Saúde Pública) – Departamento de Saúde Comunitária, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2011.

ALVES, S. N. et al. Ações de educação e saúde relacionadas à pediculose na educação infantil. Em Extensão, Uberlândia, v. 14, n. 1, p. 126-133, 2015. Doi: 10.14393/REE_v14n12015_rel04.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Manual de Prevenção de Incapacidades. 3. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2008. 135 p. (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão e da Regulação do Trabalho em Saúde. Câmara de Regulação do Trabalho em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 34 p. (Série E. Legislação em Saúde).

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de Vigilância em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. 812 p.

COROLIANO-MARINUS, M. W. L. et al. Saúde do escolar: uma abordagem educativa sobre Hanseníase. Saúde & Transformação Social, Florianópolis, v. 3, n. 1, p. 72-78, 2012.

COSTA, L. A. et al. Análise epidemiológica da hanseníase na Microrregião de Tucuruí, Amazônia brasileira, com alto percentual de incapacidade física e de casos entre jovens. Revista Pan-Amazônica de Saúde, Ananideua, v. 8, n. 3, p. 9-17, 2017. Doi: 10.5123/s2176-62232017000300002.

FREITAS, B. H. B. M.; CORTELA, D. C. B.; FERREIRA, S. M. B. Tendência da hanseníase em menores de 15 anos em Mato Grosso (Brasil), 2001-2013. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 15, p. 1- 10, 2017. Doi: 10.1590/1980-549720180016.

GEIB, L. T. C. Determinantes sociais da saúde do idoso. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, p. 123-133, 2012.

HOLT, F.; GILLAM, S. J.; NGONDI, J. M. Improving access to medicines for neglected tropical diseases in developing countries: lessons from three emerging economies. PLoS Neglected Tropical Diseases, San Francisco, v. 6, n. 2, 2012. Doi: 10.1371/journal.pntd.0001390.

LOPES, V. A. S.; RANGEL, E. M. Hanseníase e vulnerabilidade social: uma análise do perfil socioeconômico de usuários em tratamento irregular. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 38, n. 103, p. 817-829, 2014. Doi: 10.5935/0103-1104.20140074.

NERY, J. S. et al. Effect of the Brazilian conditional cash transfer and primary health care programs on the new case detection rate of leprosy. PLoS Neglected Tropical Diseases, San Francisco, v. 8, n. 11, 2014. Doi: 10.1371/journal.pntd.0003357.

OMS – ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Registro epidemiológico semanal 92. 2017. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/255149/1/WER9217.pdf. Acesso em: 30 ago. 2018.

PEREIRA, D. Z. A lesão social da hanseníase em mulheres curadas. 2017. 110 f. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017. Doi: 10.11606/T.6.2018.tde-09022018-103111.

PINHEIRO, M. G. C. et al. O enfermeiro e a temática da hanseníase no contexto escolar: relato de experiência. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental, Rio de Janeiro, v. 7, n. 3, p. 2.774-2.780, 2015.

SANTOS, D. A. S. et al. Prevalência de casos de hanseníase. JNUOL, Recife, v. 11, Supl. 10, p. 4.045-4.055, 2017.

SIMPSON, C. A.; FONSÊCA, C. T.; SANTOS, V. R. C. Perfil do doente de hanseníase no estado da Paraíba. Hansenologia Internationalis, São Paulo, v. 35, n. 2, p. 33-40, 2010.

Publicado
2019-09-18
Como Citar
LEAL, A. P. B.; CORREIA, V. G. A.; DANTAS, E. DE O. M.; MACÊDO, S. F. DE. Ações de inclusão social para pessoas diagnosticadas com hanseníase . Revista Em Extensão, v. 18, n. 1, p. 154-164, 18 set. 2019.
Seção
Relatos de Experiência