Estar presente no museu

improvisação em dança em relação a exposições de artes visuais

Palavras-chave: Improvação, Dança, Mediação, Presença, Museu de arte

Resumo

Este texto apresenta duas propostas entre dança e artes visuais realizadas no Museu Universitário de Arte (MUnA) da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). A primeira pensa sobre uma prática de improvisação em dança baseada na experiência estética estabelecida no museu; a segunda discute um processo de composição em tempo real na dança, realizado a partir da relação com obras de arte, espaço arquitetônico e público do museu. A partir dessas experiências, surgem reflexões sobre a noção de estado de presença como forma de vivenciar experiências estéticas, mais sensíveis, atentas, integrais (tanto para o improvisador quanto para o público de arte). Por fim, pretende-se destacar como a improvisação pode desdobrar múltiplos processos de criação e aprendizagem da arte.  

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Mourão Arslan, Universidade Federal de Uberlândia

Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo, Brasil; professora da Universidade Federal de Uberlândia, Minas Gerais, Brasil

Patrícia Chavarelli Vilela da Silva, Universidade Federal de Uberlândia

Mestrado em Artes Visuais pela Universidad Internacional Tres Fronteras, Paraguay; professora da Universidade Federal de Uberlândia, Minas Gerais, Brasil

Referências

DEWEY, J. Arte como experiência. São Paulo: Martins Fontes, 2010. 648 p.

GUERRERO, M. F. Improvisação em dança: sobre as relações entre restrição e possibilidade. 2006. Monografia (Especialização em Estudos Contemporâneos em Dança) – Programa de Pós-Graduação em Dança, Escola de Dança, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2006.

GUERRERO, M. F. Sobre as restrições compositivas implicadas na improvisação em dança. 2008. 93 f. Dissertação (Mestrado em Dança) – Programa de Pós-Graduação em Dança, Escola de Dança, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2008.

KLOETZEL, M.; PAVLIK, C. Site dance: choreographers and the lure of alternative spaces. Publisher: University Press of Florida, 2011. 336 p.

MUNIZ, Z. M. Improvisação como processo de composição na dança contemporânea. 2004. Dissertação (Mestrado em Teatro) – Programa de Pós-Graduação em Teatro, Centro de Artes, Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2004.

MUNIZ, Z. M. A improvisação como um elemento transformador da função do coreógrafo na dança. 2014. Tese (Doutorado em Teatro) – Programa de Pós-Graduação em Teatro, Centro de Artes, Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2014.

SILVA, C. M. F. A casa como universo em expansão. In: ENCONTRO NACIONAL DA ANPAP. ARTE: SEUS ESPAÇOS E/EM NOSSO TEMPO, 25., 2016, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: Editora da ANPAP, 2016. p. 1.453-1.468.

SHUSTERMAN, R. Somaesthetics: a disciplinary proposal. The Journal of Aesthetics and Art Criticism, New Jersey, v. 57, n. 3, p. 299-313, 1999. Doi: 10.2307/432196.

SHUSTERMAN, R. Consciência corporal. Rio de Janeiro: E Realizações, 2012. 352 p.

Publicado
2019-09-18
Como Citar
ARSLAN, L. M.; SILVA, P. C. V. DA. Estar presente no museu. Revista Em Extensão, v. 18, n. 1, p. 215-229, 18 set. 2019.
Seção
Relatos de Experiência