Estar presente no museu

improvisação em dança em relação a exposições de artes visuais

Palavras-chave: Improvação, Dança, Mediação, Presença, Museu de arte

Resumo

Este texto apresenta duas propostas entre dança e artes visuais realizadas no Museu Universitário de Arte (MUnA) da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). A primeira pensa sobre uma prática de improvisação em dança baseada na experiência estética estabelecida no museu; a segunda discute um processo de composição em tempo real na dança, realizado a partir da relação com obras de arte, espaço arquitetônico e público do museu. A partir dessas experiências, surgem reflexões sobre a noção de estado de presença como forma de vivenciar experiências estéticas, mais sensíveis, atentas, integrais (tanto para o improvisador quanto para o público de arte). Por fim, pretende-se destacar como a improvisação pode desdobrar múltiplos processos de criação e aprendizagem da arte.  

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Mourão Arslan, Universidade Federal de Uberlândia

Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo, Brasil; professora da Universidade Federal de Uberlândia, Minas Gerais, Brasil

Patrícia Chavarelli Vilela da Silva, Universidade Federal de Uberlândia

Mestrado em Artes Visuais pela Universidad Internacional Tres Fronteras, Paraguay; professora da Universidade Federal de Uberlândia, Minas Gerais, Brasil

Referências

DEWEY, J. Arte como experiência. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

GUERRERO, Mara Francischini. Improvisação em Dança: Sobre as Relações entre Restrição e Possibilidade. Monografia (Especialização em Estudos Contemporâneos em Dança) Programa de Pós-Graduação em Dança, Escola de Dança, Universidade Federal da Bahia, Salvador. 2006.

______. Sobre as restrições compositivas implicadas na improvisação em dança. Dissertação (Mestrado em Dança) Programa de Pós-Graduação em Dança, Escola de Dança, Universidade Federal da Bahia, Salvador. 2008.

MUNIZ, Zilá. Improvisação como processo de composição na dança contemporânea. Dissertação (Mestrado em Teatro). Programa de Pós-Graduação em Teatro, Centro de Artes, Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2004.

______. A improvisação como um elemento transformador da função do coreógrafo na dança. Tese (Doutorado em Teatro). Programa de Pós-Graduação em Teatro, Centro de Artes, Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2014.

KLOETZEL, Melanie. PAVLIK, Carolin. Site Dance: Choreographers and the Lure of Alternative Spaces. Publisher: University Press of Florida, 2011.

SILVA, C.MF. A casa como universo em expansão. In: 25º Encontro Nacional da ANPAP. Arte: seus espaços e/em nosso tempo., 2016, Porto Alegre. Anais (recurso eletrônico) do XXV Encontro da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas.. Porto Alegre: Editora da ANPAP, 2016. v. 01. p. 1453-1468.

SHUSTERMAN, Richard. Somaesthetics: a disciplinary proposal, Journal of Aesthetics and Art Criticism (n. 57), p. 299

______.Consciência corporal. Rio de Janeiro: E Realizações, 2012.

Publicado
2019-09-18
Como Citar
ARSLAN, L. M.; SILVA, P. C. V. DA. Estar presente no museu. Revista Em Extensão, v. 18, n. 1, p. 215-229, 18 set. 2019.
Seção
Relatos de Experiência