A questão de gênero numa perspectiva decolonial

  • Gabriella da Silva Mendes Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Alexandre Brasil Carvalho da Fonseca Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Gênero, Decolonialidade

Resumo

Este artigo tem por objetivo refletir a respeito das questões de gênero, a partir da perspectiva de análise da decolonialidade. Estudos da temática mostram que o gênero pode ser uma forma de colonialidade, que produz discursos que escondem a multiplicidade da vivência das relações fora do “sistema mundo da colonial modernidade”. Dessa forma, tentaremos compreender como as relações de gênero se viram modificadas historicamente pelo colonialismo, a partir de uma breve revisão de literatura, para pensar nas possibilidades de uma perspectiva decolonial para a questão de gênero. Utilizando como metodologia a revisão sistemática, este artigo não se pretendeu a responder tão complexas questões que abordam o tema, e sim realizar um mapeamento.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriella da Silva Mendes, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Mestre em Educação, Ciência e Saúde pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil; editora da Página de Divulgação Científica e História da Ciência: Meninas na Ciência.

Alexandre Brasil Carvalho da Fonseca , Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo, Brasil, com estágio de pós-doutoramento na Universidade de Barcelona, Espanha; professor associado da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil; diretor do Instituto NUTES de Educação em Ciências e Saúde.

Referências

BADINTER, E. Rumo equivocado: o feminismo e alguns destinos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

BALLESTRIN, L. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 11, p. 89-117, 2013. Doi: 10.1590/S0103-33522013000200004.

BEZERRA, L. Gênero, raça e classe: um olhar interseccional sobre a violência simbólica no cotidiano da universidade. Revista Feminismos, Salvador, v. 6, n. 2, maio-ago. 2018.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

BUTLER, J. Actos perfomativos e constituição de género. Um ensaio sobre fenomenologia e teoria feminista. In: MACEDO, A. G.; RAYNER, F. (org.). Gênero, cultura visual e performance: antologia crítica. Minho: Universidade do Minho/Húmus, 2011.

CASHMORE, E. Dicionário de relações étnica e raciais. São Paulo: Selo Negro, 2000.

COLAÇO, T. L. Novas perspectivas para a antropologia jurídica na América Latina: o direito e o pensamento decolonial. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2012.

COSTA, C. L. Feminismo, tradução cultural e a descolonização do saber. Fragmentos, Florianópolis, v. 21, n. 2, 2010.

CURIEL, O. Descolonizando el feminismo: una perspectiva desde América Latina y el Caribe. In: PRIMER COLOQUIO LATINOAMERICANO SOBRE PRAXIS Y PENSAMIENTO FEMINISTA. 2009. Disponível em: http://bdigital.unal.edu.co/39749/. Acesso em: 19 jun. 2019.

CUSICANQUI, S. R. Ch’ixinakak utxiwa: una reflexión sobre prácticas y discursos descolonizadores. Buenos Aires: Tinta Limón Ediciones, 2010.

DIAS, L. O. O feminismo decolonial de Maria Lugones. In: ENCONTRO DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO – ENEPED, 5., Dourados, 2013. Anais [...].Dourados: Editora da UFGD, 2013.

ESPINOSA-MIÑOSO, Y. Una crítica descolonial a la epistemologia feminista crítica. El Cotidiano, México, n. 184, mar.-abr. 2014.

FIGUEIREDO, C. V. S. Estudos subalternos uma introdução. Raído, Dourados, v. 4, n. 7, 2010.

GALVÃO, T. F.; PEREIRA, M. G. Revisões sistemáticas da literatura: passos para sua elaboração. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 23, n. 1, mar. 2014. Doi: 10.5123/S1679-49742014000100018.

GOMES, C. M. Gênero como categoria de análise decolonial. Civitas, Porto Alegre, v. 18, n. 1, 2018. Doi: 10.15448/1984-7289.2018.1.28209.

GONZATTO, R. Como se escreve: decolonial ou descolonial? 2015. Disponível em http://www.gonzatto.com/decolonial-ou-descolonial/. Acessado em: 8 maio 2019.

GRAÇAS, S. T. Gênero e raça na contemporaneidade: um diálogo entre Silva Rivera Cusicanqui e a Marcha Mundial das Mulheres. Caderno de Relações Internacionais, v. 10, n. 1, 2017. Doi: 10.17771/PUCRio.CadRI.30425.

LIMA COSTA, C. Feminismos decoloniais para além do humano. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 3, set.-dez. 2014. Doi: 10.1590/S0104-026X2014000300012.

LANDER, E. (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais: perspectivas latinoamericanas, Buenos Aires: Clacso, 2005. (Colleción Sur Sur).

LUGONES, M. Colonialidad y género. Tabula Rasa, Bogotá, n. 9, jul.-dic. 2008. Doi: 10.25058/20112742.340.

LUGONES, M. Heterosexualism and the colonial: modern gender system. Hypatia, v. 22, n. 1, 2007. Doi: 10.1353/hyp.2006.0067.

LUGONES, M. Subjetividad esclava, colonialidad de género, marginalidad y opresiones múltiples. In: LUGONES, M. Pensando los feminismos en Bolivia. La Paz: Bolivia, 2012. P. 129-140. (Série Foros, 2).

LUGONES, M. Rumo a um feminismo decolonial. Revista de Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 3, 2014. Doi: 10.1590/S0104-026X2014000300013.

MENDOZA, B. La epistemología del sur, la colonialidad del género y el feminismo latino-americano. In: MINOSO, Y. E. (org.). Aproximaciones críticas a las prácticas teórico-políticas del feminismo latinoamericano. Buenos Aires: En la Frontera, 2010.

OLIVEIRA, L. F.; CANDAU, V. M. F. Pedagogia decolonial e educação antirracista e intercultural no Brasil. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 26, n.1. p. 15-40, 2010. Doi: 10.1590/S0102-46982010000100002.

PEREIRA, P. P. G. As estruturas elementares da violência. Cadernos Pagu, Campinas, v. 29, jul.-dez. 2007. Doi: 10.1590/S0104-83332007000200018.

PISCITELLI, A. Recriando a (categoria) mulher? In: ALGRANTI, L. (org.). A prática feminista e o conceito de gênero. Campinas: IFCH/Unicamp, 2012. p. 7-42. (Textos Didáticos, 48).

QUIJANO, A. Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, B. S.; MENESES, M. P. (org.). Epistemologias do sul. São Paulo: Cortez, 2010. p. 73-118.

SANTOS, G. Novos atores sociais nas políticas culturais: reflexões sobre a participação social nas políticas para culturas populares. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE POLÍTICAS CULTURAIS, 2., 2011, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2011.

SEGATO, R. Gênero e colonialidade: em busca de chaves de leitura e de um vocabulário estratégico descolonial. E-Cadernos CES, Coimbra, 2012. Doi: 10.4000/eces.1533.

SPIVAK, G. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

WALSH, C. Interculturalidade crítica e pedagogia decolonial: in-surgir, re-existir e re-viver. In: CANDAU, V. M. (org.). Educação intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2009. p. 12-43.

WALSH, C. (ed.). Pedagogías decoloniales: prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Quito, Ecuador: Ediciones Abya-Yala, 2013.

WALSH, C. Shifting the geopolitics of critical knowledge: decolonial thought and cultural studies “others” in the Andes. Cultural Studies, v. 21, 2007. Doi: 10.1080/09502380601162530.

Publicado
2020-03-13
Como Citar
MENDES, G. DA S.; FONSECA , A. B. C. DA. A questão de gênero numa perspectiva decolonial. Revista de Educação Popular, v. 19, n. 1, p. 82-101, 13 mar. 2020.
Seção
Artigos Originais