Assistência estudantil e promoção de Direitos Humanos

a formação integral e a permanência estudantil

  • Mariana Coelho da Silveira Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais
Palavras-chave: Permanência, Direitos Humanos, Formação, Educação

Resumo

Este trabalho tem o propósito de apresentar a experiência da implementação de um Edital da Assistência Estudantil de uma Instituição da Rede Federal de Ensino Profissional e Tecnológica cujo objetivo é estimular ações de promoção de Direitos Humanos, diversidades, de combate às opressões e enfrentamento das discriminações vivenciadas pelos estudantes. Trata-se de um estudo descritivo da experiência desenvolvida, trazendo um exame crítico e qualitativo da importância da formação integral para a permanência dos estudantes. Assim, este ensaio parte dos princípios da Política Nacional de Assistência Estudantil (2010) e dialoga com reflexões de Paulo Freire (1987). Essas reflexões são muito apropriadas ao momento histórico contemporâneo e ao desenvolvimento do trabalho da Assistência Estudantil que vem compreendendo a permanência estudantil também como a promoção e a ampliação dos valores éticos de liberdade, igualdade e democracia evidenciados por meio dos processos educativos fomentados pelo Edital proposto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Coelho da Silveira, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais

Mestre em Educação pela Universidade Federal de Lavras, Minas Gerais, Brasil; assistente social e coordenadora de Programas de Acesso e Temáticas das Juventudes do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, Campus Nepomuceno, Minas Gerais, Brasil.

Referências

BRASIL. Decreto n.º 6.096 de 24 de abril de 2007. Institui o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni). 2007. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6096.html. Acesso em: 22 jun. 2019.

BRASIL. Decreto nº 7.234, de 10 de junho de 2010. Dispõe sobre o Programa Nacional de Assistência Estudantil (PNAES). 2010. Disponível em: http://www.planalto.gov.br. Acesso em: 22 jun. 2019.

BRASIL. Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais nas instituições federais de ensino técnico e de nível médio e dá ouras providências. 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm. Acesso em: 15 jul. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Entenda as Cotas para quem estudou o Ensino Médio em Escolas Públicas. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cotas/sobre-sistema.html.2012. Acesso em: 22 jul. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Expansão da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. 2008. Disponível em: http://redefederal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=51&Itemid=79. Acesso em: 22 jun. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Expansão da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. 2016. Disponível em: http://redefederal.mec.gov.br/expansao-da-rede-federal. Acesso em: 22 jun. 2019.

CHAVES, L. G. M. Minorias e seu estudo no Brasil. Revista de Ciências Sociais, Fortaleza, v. 1, n. 1, p. 149-168, 1970.

FONAPRACE - Fórum Nacional de Pró-reitores de Assuntos Comunitários e Estudantis Revista comemorativa: 25 anos: histórias, memórias e múltiplos olhares. Uberlândia: UFU; PROEX, 2012.

FONAPRACE/ANDIFES. V Pesquisa nacional de perfil socioeconômico e cultural dos graduandos da IFES. 2018. Disponível em: https://ufla.br/images/arquivos/2019/05-maio/pesquisa-socioeconomica2018.pdf. Acesso em: 22 jun. 2019.

FACCHINI, R. “Sopa de letrinhas?”: movimento homossexual e produção de identidades coletivas nos anos 90 – um estudo a partir da cidade de São Paulo. 2002. 245 f. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GREEN, J. N. Mais amor e mais tesão: a construção de um movimento brasileiro de gays, lésbicas e travestis. Cadernos Pagu, Campinas, v. 15, p. 271-295, 2000. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8635596/3367. Acesso em: 15 jul. 2019.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Características étnico-raciais da população: um estudo das categorias de classificação classificações e identidades 2013. Rio de Janeiro: Coordenação de População e Indicadores Sociais, 2013.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro: Coordenação de População e Indicadores Sociais, 2010.

INEP – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Tabelas do Censo da Educação Superior. Brasília: INEP, 2018.

NUNAN, A. Homossexualidade: do preconceito aos padrões de consumo. Rio de Janeiro: Caravansarai, 2003.

SIMÕES, J. A.; FACCHINI, R. Na trilha do arco-íris: do homossexual ao movimento LGBT. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2009.

Publicado
2020-03-13
Como Citar
SILVEIRA, M. C. DA. Assistência estudantil e promoção de Direitos Humanos. Revista de Educação Popular, v. 19, n. 1, p. 176-192, 13 mar. 2020.
Seção
Artigos Originais