O estágio curricular supervisionado em espaços não escolares

contribuições para a formação inicial de pedagogos

  • Ana Lúcia Nunes Pereira Universidade do Estado da Bahia
  • Marina Graziela Feldmann Pontifícia Universidade Cat´ólica de São Paulo
Palavras-chave: Estágio Curricular Supervisionado, Educação não escolar, Formação docente, Pedagogia

Resumo

O estudo analisa o estágio curricular supervisionado em espaços não escolares e suas contribuições para formação inicial de pedagogos. Partimos da seguinte questão: qual a contribuição formativa que o estágio curricular supervisionado em espaços não escolares possibilita aos estudantes do Curso de Pedagogia da Universidade do Estado da Bahia? Apresentamos como objetivos de investigação: identificar a articulação entre o currículo, a cultura e a formação no estágio nesses espaços; analisar se o estágio em espaços não escolares tem contribuído com a formação dos acadêmicos. A investigação se inscreve dentro dos princípios da pesquisa qualitativa, desenvolvida em duas fases interdependentes. A primeira composta por uma pesquisa bibliográfica e análise de documentos sobre o referido campo de estudo; a segunda se constituiu numa investigação do fenômeno, na qual se busca resgatar a visão dos sujeitos envolvidos no processo de formação. Os sujeitos desse trabalho foram 30 estudantes de pedagogia e cinco docentes coordenadores do estágio curricular. No olhar dos sujeitos pesquisados o estágio em espaços não escolares mostrou-se como importante campo para ampliação e atuação do profissional pedagogo; espaço de construção da formação e humanização; também explicitou o distanciamento entre a teoria e a prática no desenvolvimento de suas ações.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Lúcia Nunes Pereira, Universidade do Estado da Bahia

Doutora em Educação (Currículo) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Brasil; professora assistente da Universidade do Estado da Bahia, Brasil.

Marina Graziela Feldmann, Pontifícia Universidade Cat´ólica de São Paulo

Doutora em Educação (Currículo) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Brasil; professora titular da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; líder do Grupo de Pesquisa Formação de Professores e Cotidiano Escolar.

 

Referências

BRANDÃO, C. R. O que é educação? 33. ed. São Paulo: Brasiliense, 1995.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional da Educação. Parecer CNE/CP 28/2001. Diário Oficial da União, Brasília, Seção 1, p. 31, 18 jan. 2002.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CP nº 1/2006, de 15 de maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Pedagogia, Licenciatura. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf. Acesso em: 15 jun. 2019.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

Disponível em: https://pt.scribd.com/document/40797211/Acerca-da-ampliacao-dos-espacos-de-atuacao-pofissional-do-pedagogo. Acesso em: 15 jun. 2019.

FELDMANN, M. G. A Questão da formação de professores e o ensino de arte na escola brasileira: alguns apontamentos. Olhar de professor, Ponta Grossa, v. 11, n. 1, p. 169-182, 2008.

FELDMANN, M. G. Formação de professores e cotidiano escolar. In: FELDMANN, M. G. (org.). Formação de professores e escola na contemporaneidade. São Paulo: SENAC, 2009. p. 71-80.

FONSÊCA, F. N. Acerca da ampliação dos espaços de atuação profissional do pedagogo: inquietações, ponderações e cautelas.

FREIRE, P. Educação e mudança. 12. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

FREIRE, P. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 1992.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GIMENO SACRISTÁN, J. Que cultura considerar na educação e para quem? In: GIMENO SACRISTÁN, J. Educar e conviver na cultura global: as exigências da cidadania. Porto Alegre: Artmed, 2002. p. 201-258.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para mudança e incerteza. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

SANCHES VÁZQUEZ, A. Filosofia da práxis. Tradução de Maria Encarnación Moya. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

TURATO, E. R. As definições de amostra e de sujeito em pesquisa qualitativa. In: TURATO, E. R. Tratado da metodologia da pesquisa clínico-qualitativa. Petrópolis: Vozes, 2003. p. 351-369.

UNEB – Universidade do Estado da Bahia. Regimento Geral. 2012. Disponível em: https://portal.uneb.br/transparencia/legislacao-e-normas. Acesso em: 15 jun. 2019.

UNEB – Universidade do Estado da Bahia. Regulamento do Estágio. Disponível em: https://portal.uneb.br/transparencia/legislacao-e-normas. Acesso em: 15 jun. 2019.

Publicado
2020-03-13
Como Citar
PEREIRA, A. L. N.; FELDMANN, M. G. O estágio curricular supervisionado em espaços não escolares. Revista de Educação Popular, v. 19, n. 1, p. 102-125, 13 mar. 2020.
Seção
Artigos Originais