As potencialidades da educação popular na construção curricular da formação em nutrição

  • Célia Maria Patriarca Lisbôa Universidade Federal do Rio de Janeiro http://orcid.org/0000-0001-9618-1093
  • Rute Ramos da Silva Costa Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Alexandre Brasil Carvalho da Fonseca Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Formação em Nutrição, Educação Popular em Saúde, Currículo

Resumo

Este artigo tem como objetivo abordar como os princípios da Educação Popular contribuem para a construção do currículo do curso de Nutrição de uma instituição pública federal, que passou pelo processo de interiorização universitária. Especialmente quatro disciplinas elegeram os princípios da Pedagogia Freiriana como referência teórico-metodológica para apresentar e discutir conteúdos referentes à segurança alimentar e nutricional e à humanização no âmbito da saúde, visando ao enfrentamento das distintas desigualdades que ocorrem no município de Macaé, Rio de Janeiro. Consideramos que o processo de interiorização das universidades públicas federais viabiliza a articulação entre a universidade e a comunidade local na perspectiva da construção conjunta de saberes e da promoção da autonomia. Utilizamos o caminho metodológico da análise documental do Projeto Pedagógico (PP) do curso e entrevistas com docentes das referidas disciplinas. A educação popular contribui para a formação do nutricionista, sobretudo, pela superação do modelo tecnicista biologicista, auxiliando na estruturação de um perfil educador, capaz de contribuir para a autonomia dos sujeitos e o autocuidado em saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Célia Maria Patriarca Lisbôa, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutora em Educação em Ciências e Saúde pelo Instituto NUTES de Educação em Ciências e Saúde, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil, com período sanduíche na Universidade de Barcelona, Espanha; professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Campus Aloísio Teixeira, Brasil.

Rute Ramos da Silva Costa, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutora em Educação em Ciências e Saúde pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil; professora assistente A na Universidade Federal do Rio de Janeiro, Campus Aloísio Teixeira, Brasil.

Alexandre Brasil Carvalho da Fonseca, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo, Brasil, com estágio pós-doutoral pela Universidade de Barcelona, Espanha; professor associado da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil; diretor do Instituto NUTES de Educação em Ciências e Saúde.

Referências

BIAZOTI, A.; ALMEIDA, N.; TAVARES, P. (org.) Caderno de metodologias: inspirações e experimentações na construção do conhecimento agroecológico. Viçosa: Editora Universidade Federal de Viçosa, 2017.

BRASIL. Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 1961. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 27 dez. 1961. Seção 1, p. 11429.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado. 1988.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. 1996. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/lei9394_ldbn1.pdf. Acesso em: 22 ago. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Institui diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em nutrição. Resolução CNE/CES 5, de 7 de novembro de 2001. Diário Oficial [da] República federativa do Brasil. Brasília, DF, 9 nov. 2001. Seção 1, p. 39.

BRASIL. Lei de Segurança Alimentar e Nutricional. Brasília, DF, 2006. Disponível em: http://www4.planalto.gov.br/consea/conferencia/documentos/lei-de-seguranca-alimentar-e-nutricional. Acesso em: 22 ago. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Superior. Fórum de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas Brasileiras. Institucionalização da Extensão nas Universidades Públicas Brasileiras: estudo comparativo 1993/2004. Belo Horizonte: COOPMED, 2007.

BRASIL. Lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 17 jun. 2009. Seção 1, p. 2.

BRASIL. Decreto nº 7.272, de 25 de agosto de 2010. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 26 ago. 2010. Seção 1, p. 6.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Política Nacional de Educação Popular em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2012a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Alimentação e Nutrição. Brasília: Ministério da Saúde, 2012b.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Marco de referência de educação alimentar e nutricional para as políticas públicas. Brasília, DF: MDS; Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, 2012c.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Superior. A democratização e expansão da educação superior no país 2003 – 2014. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=16762-balanco-social-sesu-2003-2014&Itemid=30192 . Acesso em: 22 ago. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira. 2. ed. Brasília, DF: MS, 2014.

BRITO, L. C. A importância dos estudos sobre interiorização da universidade e reestruturação territorial. Espaço e Economia, Fortaleza, v. 4, 2014, p. 1-16. Doi: 10.4000/espacoeconomia.802.

BURITY, V. et al. Direito humano à alimentação adequada no contexto da segurança alimentar e nutricional. Brasília, DF: ABRANDH, 2010.

CORDEIRO, R. A. et al. A formação acadêmica a partir da perspectiva da educação popular e humanização em saúde: relato de experiência da disciplina Saúde da Comunidade. Demetra, Rio de Janeiro, v. 12, n. 4, p. 939-951, 2017. Doi: 10.12957/demetra.2017.28408.

COSTA, N. M. S. C. Revisitando os estudos e eventos sobre a formação do nutricionista no Brasil. Revista de Nutrição, Campinas, v. 12, n. 1, p. 5-19, jan./abr. 1999. Doi: 10.1590/S1415-52731999000100001.

DUARTE, R. Entrevistas em pesquisas qualitativas. Educar, Curitiba, n. 24, p. 213-225, 2004. Doi: 10.1590/0104-4060.357.

FONSECA, A. B. et al. Modernidade alimentar e consumo de alimentos: contribuições sócio-antropológicas para a pesquisa em nutrição. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n. 9, p. 3.853-3.862, 2011. Doi: 10.1590/S1413-81232011001000021.

FREIRE, P. Cartas à Guiné-Bissau: registros de uma experiência em Processo. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 58. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

GODOY, A. S. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 35, n. 3, p. 20-29, maio/jun. 1995. Doi: 10.1590/S0034-75901995000300004.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. C. Análise textual discursiva: processo reconstrutivo de múltiplas faces. Ciência e Educação, Bauru, v. 12, n. 1, p. 117-128, 2006. Doi: 10.1590/S1516-73132006000100009.

MOTTA, D. G.; OLIVEIRA, M. R. M.; BOOG, M. C. F. A formação universitária em nutrição. Pro-posições, Campinas, v. 14, n. 1(40), p. 69-86, jan./abr. 2003.

QUEIROZ, D. T. et al. Observação participante na pesquisa qualitativa: conceitos e aplicações na área da saúde. Revista de Enfermagem UERJ, Rio de Janeiro, v. 15, n. 2, p. 276-283, abr./jun., 2007.

RICARDO, R. Macaé terá novo campus da UFRJ. 2009. Disponível em: http://www.faperj.br/?id=1418.2.7. Acesso em: 25 set. 2018.

SILVA, A. C. De Vargas a Itamar: políticas e programas de alimentação e nutrição. Estudos Avançados, São Paulo, v. 9, n. 23, p. 87-107, 1995. Doi: 10.1590/S0103-40141995000100007.

SILVA, S. R. A.; FARIA, T. J. P. Migração em Macaé: impactos da industrialização no processo de urbanização. Vértices, Campos do Goytacases, v. 14, n. 2, p. 111-132, 2012. Doi: 10.5935/1809-2667.20120047.

STEFANINI, M. L. R. Merenda escolar: história, evolução e contribuição no atendimento das necessidades nutricionais da criança. 1997. 101 f. Tese (Doutorado em Saúde Pública). Universidade de São Paulo (Departamento de Nutrição da Faculdade de Saúde Pública), São Paulo, 1997.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Pró-Reitoria de Graduação. Campus UFRJ-Macaé Professor Aloísio Teixeira. Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Nutrição. 2. ed. Macaé: UFRJ, 2013.

VILLARDI, M. L., CYRINO, E. G., BERBEL, N. A. N. A metodologia da problematização no ensino em saúde: suas etapas e possibilidades. In: A problematização em educação em saúde: percepções dos professores tutores e alunos. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2015. p. 45-52.

Publicado
2020-03-13
Como Citar
LISBÔA, C. M. P.; COSTA, R. R. DA S.; FONSECA, A. B. C. DA. As potencialidades da educação popular na construção curricular da formação em nutrição. Revista de Educação Popular, v. 19, n. 1, p. 3-23, 13 mar. 2020.
Seção
Artigos Originais