Debates acerca das apropriações da ética kantiana: dúvidas sobre o construtivismo de John Rawls

Palavras-chave: Kant, Rawls, ética, construtivismo, realismo

Resumo

Este artigo procura colocar em foco a interpretação de John Rawls (1921-2002) acerca da ética de Immanuel Kant (1724-1804). Sendo Rawls, talvez, o autor contemporâneo que mais ecos encontrou lançando uma teoria política original que reclama para si uma herança kantiana, faz-se de grande importância esclarecer os pontos centrais de sua apropriação e os questionamentos levantados por outros comentadores de Kant que possuem leituras conflitantes do filósofo de Königsberg. Assim, tratarei, em primeiro lugar, do forte formalismo que Rawls atribui a Kant, derivado, em grande parte, de seu foco na primeira formulação do imperativo categórico em detrimento das demais. Em seguida, abordarei a consequência particular que o professor de Harvard extrai daí e que batiza de construtivismo ético: além de o imperativo categórico se constituir num procedimento vazio de teste das máximas particulares, esse procedimento verdadeiramente cria os princípios morais a partir da razão. Anteriormente à atividade racional, inexistem fatos morais. Por fim, trarei um brevíssimo resumo das críticas dirigidas por outros autores a essa caracterização construtivista do pensamento moral kantiano, buscando apresentar os argumentos dos que preferem enquadrar Kant como um realista em moral.

Debates surrounding appropriations of Kantian ethics: doubts about John Rawls' constructivism

 Abstract: This article seeks to throw light on John Rawls’s (1921-2002) interpretation of Immanuel Kant’s (1724-1804) ethics. Being Rawls, perhaps, the contemporary author that has found more repercussion proposing a political theory which claims a kantian inheritance, it’s greatly important to clarify the central points of his appropriation and the questionings arisen by others Kant’s commentators which have conflicting views about the German philosopher. Therefore, first of all, I will consider the Strong formalism that Rawls attributesto Kant, derived mainly of his focus on the categorical imperative’s first formulacion, to the detriment of the others. Then, I willl talk about the particular consequence the Harvard’s professor draws from that, which he baptizes ethical constructivism: not only the categorical imperative is simply an empty procedure to test the particular maxims, but also this procedure truly creates the moral principles from reason alone. Previous to the racional activity, there is no moral facts. Finally, I will bring a brief summary of the critics made by other authors to that constructivist caracterization of the kantian moral thought, trying to introduce the arguments of those who prefer to classify Kant as a moral realist.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo da Encarnação Galvão França, Universidad de Navarra

Graduado em Direito pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2015), Mestre em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2018). Doutorando em Filosofia pela Universidad de Navarra, em Pamplona, Espanha. Tem experiência na área de Filosofia do Direito e Filosofia Moral, com ênfase particular na ética de Kant, além de direito natural, teorias da justiça e fundamentos da vida intelectual.

E-mail: guengalfra@gmail.com . ORCID:  https://orcid.org/0000-0002-6453-2845

Publicado
2020-10-22
Como Citar
da Encarnação Galvão França, G. (2020). Debates acerca das apropriações da ética kantiana: dúvidas sobre o construtivismo de John Rawls. Revista Primordium, 5(9), 95-134. https://doi.org/10.14393/REPRIM-v5n9a2020-56172
Seção
Artigos