A imaginação como fundamento das ciências experimentais

  • Pablo Henrique Santos Figueiredo UFU
Palavras-chave: Hume; imaginação; ciência.

Resumo

David Hume, em seus livros Tratado da Natureza Humana e Investigação Acerca do Entendimento Humano, propõe a divisão da mente humana em percepções fortes e vivas, as quais recebem o nome de impressões, e suas cópias, que, por sua vez, recebem o nome de ideias. Estas percepções da mente também se dividem em duas: memória e imaginação. A primeira, com maiores graus de força e vivacidade, e a segunda com menores graus de força e vivacidade. As percepções da mente se relacionam a partir das relações filosóficas, que são princípios de associação e dissociação de ideias. A relação da imaginação com as ciências empíricas é o principal aspecto deste trabalho, de modo que, no decorrer do texto, os aspectos que fomentam esta relação serão trabalhados, ilustrando a importância que tem a imaginação no advento das ciências experimentais.

Abstract: David Hume, in his books A Treatise Of Human Nature and An Enquiry Concerning Human Understanding, proposes the division of human mind in in strong, lively perceptions, which are called impressions, and their copies, which, in turn, receive the name of ideas. These perceptions of the mind are also divided into two: memory and imagination. The first, with higher degrees of force and vivacity, and the second with lower degrees of force and vivacity.  The perceptions of the mind are related from the philosophical relations, which are the principles of association and dissociation of ideas. The ratio of the imagination with the empirical sciences is the main aspect of this work, so that, throughout the text, aspects that foster this relationship will be worked out, illustrating the importance of the imagination in the advent of experimental sciences.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CHIBENI, Silvio Seno. Hume e as Bases Científicas da Tese de que Não Há Acaso no Mundo. PRINCIPIA, Revista internacional de epistemologia. 2013, vol. 16, n. 2, p. 229-254.

COVENTRY, Angela M. Hume: a guide for the perplexed. Londres: Continuum, 2007.

______. Compreender Hume. Tradução de Hélio Magri Filho. Petrópolis: Vozes, 2011.

DELEUZE, Gilles. Empirismo e subjetividade: ensaio sobre a natureza humana segundo Hume. Tradução de Luiz B. L. Orlandi. São Paulo: Editora 34, 2001.

HINRICHS, Roger A.; KLEIBACH, Merlin. Energia e Meio Ambiente. Tradução de Flávio Maron Vichi e Leonardo Freire de Mello. São Paulo: Thomson Learning, 2002.

HUME, David. A Treatise of Human Nature. New York: Oxford University Press, 2000.

______. Tratado Da Natureza Humana. Tradução de Déborah Danowski. São Paulo: Ed. da Unesp, 2000.

______. Investigação Acerca Do Entendimento Humano. São Paulo: Ed. da Unesp, 1999.

LOCKE, John. Ensaio Acerca do Entendimento Humano. Tradução de Anoar Aiex. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

STROMINGER, Gerhard. Hume’s Theory of Imagination. Hume Studies, v. VI, n. II, p. 91-118, November, 1980.

VALADARES, Alexandre Arbex. A Teoria da Causalidade Imaginária na Filosofia de Hume. KRITERION, Belo Horizonte, nº 119, Jun.2009, p. 251-268.

Publicado
2020-07-15
Como Citar
Santos Figueiredo, P. H. (2020). A imaginação como fundamento das ciências experimentais. Revista Primordium, 4(8). https://doi.org/10.14393/REPRIM-v4n8a2019-50396
Seção
Artigos