Políticas Públicas para a população LGBT no Brasil

Revisão de literatura

  • Isadora Cechin Filipiack Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS, São Leopoldo – RS
  • Icaro Bonamigo Gaspodin Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS, São Leopoldo, RS)
Palavras-chave: Políticas Públicas, LGBT, Preconceito

Resumo

O objetivo deste estudo é apresentar as principais políticas públicas para a população LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, travestis e transgêneros) no Brasil e os principais obstáculos para sua efetividade. Por meio de uma revisão sistemática da literatura, mapeou-se a produção científica disponível no Portal de Periódicos da CAPES e na Biblioteca Virtual em Saúde- publicada entre 2008 e 2018- com a seguinte combinação de descritores: “políticas públicas” e “LGBT”. De um total bruto de 83 trabalhos, após análise dos critérios de inclusão, 10 foram selecionados para compor a presente revisão. Os resultados apresentam as principais políticas públicas desenvolvidas para o público LGBT, sendo a maioria relacionada à saúde. Os
principais obstáculos para a efetividade dos programas se referem ao preconceito e ao despreparo de profissionais para lidar com as especificidades das demandas do referido público.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isadora Cechin Filipiack, Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS, São Leopoldo – RS

Acadêmica do curso de Psicologia pela Faculdade Meridional IMED - Campus Passo
Fundo/RS (2015) e bolsista PROBIC pela FAPERGS. 

Icaro Bonamigo Gaspodin, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS, São Leopoldo, RS)

Psicólogo pela Faculdade Meridional (IMED, Passo Fundo, 2014) e mestre em Psicologia pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS, São Leopoldo, 2017) com bolsa parcial da CAPES. Atualmente, é doutorando em Psicologia na UNISINOS com bolsa parcial da CAPES e professor do curso de graduação em Psicologia da IMED.

Referências

Albuquerque, G. A., Garcia, C. L., Alves, M. J. H., Queiroz, C. M. H. T., & Adami, F. (2013). Homossexualidade e o direito à saúde: um desafio para as políticas públicas de saúde no Brasil. Saúde em Debate, 37(98), 516-524. Doi: doi.org/10.1590/S0103-11042013000300015

American Psychological Association. (2011). Definition of terms: Sex, gender, gender identity, sexual orientation. Recuperado de: http: //www.apa.org/pi/lgbt/resources/sexuality-definitions.pdf

Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais. (n. d.). Manual de comunicação LGBT. Brasil. Conselho Nacional de Combate à Discriminação. (2004). Brasil Sem Homofobia: Programa de combate à violência e à discriminação contra LGTB e promoção da cidadania homossexual. Brasília, DF. Recuperado de: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/brasil_sem_homofobia.pdf

Brasil. Departamento de apoio à gestão participativa, secretaria de gestão estratégica e participativa & Ministério da Saúde. (2008a). Saúde da população de gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais. Revista Saúde Pública, 42(3), 570-573. doi.org/10.1590/S0034-89102008000300027

Brasil. Ministério da Saúde. (2007). Plano integrado de enfrentamento da feminização da epidemia de AIDS e outras DST. Brasília, DF. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/plano_feminizacao_final.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. (2007a). Plano nacional de enfrentamento da epidemia de AIDS e das DST entre gays, HSH e travestis. Brasília, DF. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/plano_enfrentamento_epidemia_aids_hsh.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. (2011). Carta dos direitos dos usuários da saúde. Brasília, DF. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cartas_direitos_usuarios_saude_3ed.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. (2013). Política nacional de saúde integral de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais. Brasília, DF. Recuperado de: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_saude_lesbicas_gays.pdf

Brasil. Ministério dos Direitos Humanos. (2018). Violência LGBTFóbicas no Brasil: dados da violência. Brasília, DF. Recuperado de https://www.mdh.gov.br/biblioteca/consultorias/lgbt/violencia-lgbtfobicas-no-brasil-dados-da-violencia.

Brasil. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. (2008). Anais da conferência nacional de gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais –GLBT. Brasília, DF. Recuperado de http://www.mdh.gov.br/informacao-ao-cidadao/participacao-social/old/cncd-lgbt/conferencias/anais-1a-conferencia-nacional-lgbt-2.

Brasil. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. (2009). Plano nacional de promoção da cidadania e direitos humanos de LGBT. Brasília, DF. Recuperado de http://www.arco-iris.org.br/wp-content/uploads/2010/07/planolgbt.pdf.

Broilo, R. & Akerman, J. (2015). Políticas públicas de saúde para a população LGBT no Brasil: identidades sexuais e novas zonas de exclusão. Revista Cadernos de Gênero e Diversidade, 1, 232-250. Recuperado dehttps://portalseer.ufba.br/index.php/cadgendiv/article/view/13571/doi.org/10.9771/cgd.v1i1.13571.

Cerqueira-Santos, E., Calvetti, P. U., Rocha, K. B., Moura, A., Barbosa, L. H., & Hermel, J. (2010). Percepção de Usuários Gays, Lésbicas, Bissexuais e Transgêneros, Transexuais e Travestis do Sistema Único de Saúde. Revista Interamericana de Psicologia/Interamerican Journal of Psychology, 44(2), 235-245. Recuperado de http://www.redalyc.org/pdf/284/28420641004.pdf.

Conselho Regional de Psicologia da 6° Região. (2011). Psicologia e diversidade sexual. Cadernos Temáticos Conselho Regional de Psicologia de São Paulo. Recuperado de http://www.crpsp.org.br/portal/comunicacao/cadernos_tematicos/11/frames/fr_indice.aspx.

Costa, L. D., Barros, A. D., Prado, E. A. J., Sousa, M. F., Cavadinha, E. T., & Mendonça, A. V. M. (2017). Competência cultural e atenção à saúde da população de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais (LGBT). Tempus, actas de saúde coletiva, 11(1), 105-119. doi:10.18569/tempus.v11i1.2314.

Ferraz, D., & Kraiczyk, J. (2010). Revista de Psicologia da UNESP, 9(1), 70-82. Recuperado de http://www.escoladesaude.pr.gov.br/arquivos/File/genero_e_saude_2.pdf.

Gaspodini, I. B., & Falcke, D. (2018a). Relações entre preconceito e crenças sobre diversidade sexual e de gênero em psicólogos/as brasileiros/as. Psicologia: Ciência e Profissão, 38(4), 744-757. doi:10.1590/1982-3703001752017.

Gaspodini, I. B., & Falcke, D. (2018b). Sexual and gender diversity in clinical practice in psychology. Paidéia, 28, e2827. doi:10.1590/1982-4327e2827.

Guimarães, R. C. P., Cavadinha, E. T., Mendonça, A. V. M., Sousa, M. F. (2017). Assistência à saúde da população LGBT em uma capital brasileira: o que dizem os agentes comunitários de saúde?. Tempus, Actas de Saúde Coletiva, 11(1), 121-139. doi:10.18569/tempus.v11i1.2327.

Jesus, J. G., (2013). O conceito de heterocentrismo: um conjunto de crenças enviesadas e sua permanência. Psico-USF, 18(3), 363-372. doi:10.1590/S1413-82712013000300003.doi.org/10.1590/S1413-82712013000300003.

Lima, N. T., & Santana, J. P. (2006) Saúde coletiva como compromisso: a trajetória da ABRASCO. Rio de Janeiro: Fiocruz

.Mello, L., Avelar, R. B., & Brito, W. (2014). Políticas públicas de segurança para a população LGBT no Brasil. Estudos Feministas, 22(1), 297-320. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2014000100016.doi.org/10.1590/S0104-026X2014000100016.

Mello, L., Avelar, R. B., & Maroja, D. (2012). Por onde andam as políticas públicas para a população LGBT no Brasil. Revista Sociedade e Estado, 27(2), 289-312. doi.org/10.1590/S0102-69922012000200005.

Mello, L., Perilo, M., Braz, C. A., & Pedrosa, C. (2011). Políticas de saúde para lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais no Brasil: em busca da universalidade, integralidade e equidade. Sexualidad, Salud y Sociedad –Revista Latinoamericana, 9, 7-28. doi.org/10.1590/S1984-64872011000400002.

Mendes, K. D. S., Silveira, R. C. C. P., & Galvão, M. C. (2008). Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enfermagem, 17(4), 758-764. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072008000400018.

Meyer, I. H. (2003). Prejudice, social stress, and mental health in lesbian, gay, and bisexual populations: Conceptual issues and research evidence. Psychological Bulletin, 129(5), 674–697. doi:10.1037/0033-2909.129.5.674.

Ministério da Saúde. (2016). Departamento passa a utilizar nomenclatura “IST” no lugar de “DST”. Recuperado de http://www.aids.gov.br/pt-br/noticias/departamento-passa-utilizar-nomenclatura-ist-no-lugar-de-dst.

Moher, D., Liberati, A., Tetzlaff, J. Altman, D. G., & The Prisma Group. (2015). Principais itens para relatar revisões sistemáticas e meta-análises: A recomendação PRISMA. (T. F. Galvão & T. de S. A. Pansani, Trads.) Epidemiologia e Serviços de Saúde, 24(2), 335-342. doi:10.5123/S1679-49742015000200017.

Popadiuk, G. S., Oliveira, D. C., & Signorelli, M. C. (2017). A política nacional de saúde integral de lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros (LGBT) e o acesso processo transexualizador no sistema único de saúde (SUS): avanços e desafios. Ciência & Saúde Coletiva, 22(5), 1509-1520. doi.org/10.1590/1413-81232017225.32782016.

Prado, E. A. J., & Sousa, M. F. de. (2017). Políticas públicas e a saúde da população LGBT: uma revisão integrativa. Tempus, Actas de Saúde Coletiva, 11(1), 69-80. doi:10.18569/tempus.v11i1.1895.

Programa conjunto das nações unidas sobre HIV/AIDS. (2017). Conheça a Zero Discriminação. Recuperado de https://unaids.org.br/2017/03/conheca_zerodiscriminacao/

Sampaio, J. V. & Germano, I. M. P. (2014). Políticas públicas e crítica queer: algumas questões sobre identidade. Psicologia & Sociedade, 26(2), 290-300. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-71822014000200006&script=sci_abstract&tlng=pt. doi.org/10.1590/S0102-71822014000200006.

Silva, J. W. S. B., Filho, C. N. S., Bezerra, H. M. C., Duarte, K. V. N., & Quinino, L. R. M. (2017). Políticas públicas de saúde voltadas à população LGBT e à atuação do controle social. Revista de Saúde Pública do Paraná, 18(1), 140-149. doi:10.5433/15177130-2017v18n1p140.

Souza, C. (2006). Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias,8(16), 20-45. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/soc/n16/a03n16. doi.org/10.1590/S1517-45222006000200003.

Zoltowski, A. P. C., Costa, A. B., Teixeira, M. A. P., & Koller, S. H. (2014). Qualidade metodológica das revisões sistemáticas em periódicos de psicologia brasileiros. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 30(1), 97-104. doi.org/10.1590/S0102-37722014000100012.

Publicado
2020-01-02
Como Citar
Cechin Filipiack, I., & Bonamigo Gaspodini, I. (2020). Políticas Públicas para a população LGBT no Brasil. Perspectivas Em Psicologia, 23(2), 40 - 56. Recuperado de http://www.seer.ufu.br/index.php/perspectivasempsicologia/article/view/52211