A atuação do estagiário de Psicologia: um relato de experiência

  • Gustavo Souza Zanatta Universidade Luterana do Brasil
  • Patricky Batista da Silva Universidade Luterana do Brasil
  • Marcelo Augusto Zacarias Universidade Luterana do Brasil
Palavras-chave: Experiência, Estágio, Clínica, Psicologia.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo relatar as experiências vivenciadas pelos estagiários de psicologia do Centro Universitário Luterano de Manaus - ULBRA, no Ministério Público do Estado do Amazonas, Procuradoria-Geral de Justiça (MPAM-PGJ), em um programa de atenção às vítimas de violência e vulnerabilidade social, situado na cidade de Manaus, Amazonas, no período de novembro de 2017 a maio de 2018, totalizando seis meses. A ideia inicial partiu da disciplina de Estágio Específico em Ênfase, onde a disciplina proporcionou os primeiros atendimentos clínicos de abordagem psicanalítica e supervisão. Todo o processo foi dinâmico e gradativo, com o professor/supervisor auxiliando e sanando as dúvidas. As experiências do estágio no programa proporcionaram aos acadêmicos um espaço de entendimento, aplicação e consolidação dos conhecimentos teóricos, vinculados junto à prática dos atendimentos e supervisões com os psicólogos do programa. Dentro deste contexto foi possível perceber que mesmo sendo um programa desenvolvido no âmbito jurídico para subsidiar o trabalho dos promotores, o psicossocial trabalha visando sempre à pessoa/família atendida como principal foco de emancipação, empoderamento e ressignificação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Souza Zanatta, Universidade Luterana do Brasil
Curso de Psicologia
Patricky Batista da Silva, Universidade Luterana do Brasil
Curso de Psicologia
Marcelo Augusto Zacarias, Universidade Luterana do Brasil
Universidade Luterana do Brasil

Referências

Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de Graduação em Psicologia. Resolução CNE/CES 5/2011. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 de março de 2011. Seção 1, p.19.

Caires, S. & Almeida, L. S. (2000). A experiência de estágio académico: Oportunidades de formação e desenvolvimento do estudante. Psicologia, 14(2), 235-250. Recuperado em 21 de junho de 2018. Disponível em http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0874-20492000000200008&lng=pt&tlng=pt.

Cury, B. M. (2013). Reflexões sobre a formação do psicólogo no Brasil: a importância dos estágios curriculares. Psicologia em Revista, 19 (1), 149-151. Recuperado em 20 de junho de 2018, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-11682013000100012&lng=pt&tlng=pt.

Ferreira Neto, J. L. (2010). Uma genealogia da formação do psicólogo brasileiro. Memorandum, 18, 130-142. Recuperado em 06 de junho de 2018. Disponível em http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/a18/ferreiraneto01.pdf.

Figueiredo, L. C. M. (1996). Revisitando as psicologias. Da epistemologia à ética das práticas e discursos psicológicos. São Paulo / Petropólis: EDUC / Vozes.

Gabel, C. L. M. & Soares, H.P. Contribuições da terapia familiar sistêmica para a escolha profissional. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 2006, 7 (1), pp. 57

Ministério Público do Estado do Amazonas (2016). Programa de Atenção às Pessoas em Situação de Vulnerabilidade Psicossocial

Monteiro, F. S. (2012). O papel do psicólogo no atendimento às vítimas e autores de violência doméstica. Monografia, Centro Universitário de Brasília

Monteiro, N. R. Oliveira & Nunes, M. L.T. (2008). Supervisor de psicologia clínica: um professor idealizado? Psico-USF, 13(2), 287-296.

Oliveira. T. I. (1999). Núcleo de Estudos e Pesquisa em Psicoterapia Breve. Psicologia: Teoria e Prática, Universidade Presbiteriana Mackenzie, 1(2), 9-19.

Peres, J. F. P, Mercante, J. P. & Nasselo, A. G. (2005). Promovendo resiliência em vítimas de trauma psicológico. Rev Psiquiatr, 27(2), 131-138. doi.org/10.1590/S0101-81082005000200003

Piaget, J. (1976). Psicologia e Pedagogia. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Saint-Clair, B. & Navolar, A. B. B. (2004). Terapia Cognitivo-Comportamentais: Conceitos e Pressupostos Teóricos, n. 04, Curitiba, jul. Recuperado em 18 de junho de 2018. Disponível em: www.utp.br/psico.utp.online.

Tondo, C. T. G. (1998). Terapia familiar: Bases, caminhos percorridos e perspectivas. Em Y.S. Souza & M.L.T. Nunes (Org.) Família, organizações e aprendizagem (pp.37-104). Porto Alegre, RS: PUCRS.

Wayskop, G. (1997). Brincar na pré-escola. São Paulo: Cortez.

Publicado
2018-12-31
Como Citar
Zanatta, G. S., Silva, P. B. da, & Zacarias, M. A. (2018). A atuação do estagiário de Psicologia: um relato de experiência. Perspectivas Em Psicologia, 22(2). https://doi.org/10.14393/PPv22n2a2018-12