Por uma (re)dimensão artefatual da "Psique Humana" - Teoria Ator-Rede e Psicologia

  • Idonézia Collodel-Benetti Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, Florianópolis
  • João Paulo Roberti Junior Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, Florianópolis
Palavras-chave: Psicologia, Teoria ator-rede, Simetria.

Resumo

A Psicologia tem a característica singular de rever com elevada frequência as suas próprias categorias analíticas e os seus preceitos teórico-metodológicos. Um desses momentos de questionamento vem das reflexões levantadas pela perspectiva dos Estudos Sociotécnicos ou Teoria Ator-Rede de Bruno Latour. Este ensaio, com delineamento qualitativo e de problematização teórica, tem como objetivo colocar em discussão uma série de estudos e debates que se têm realizado sobre a Teoria Ator-Rede e suas contribuições para a Psicologia. O foco será o modo como são tratadas as associações entre humanos e não humanos e as apreciações como o social, a rede, o sujeito/objeto. Assim, foram sistematizados alguns conceitos e princípios da perspectiva sociotécnica e de simetria generalizada. Incluiu-se um rastreamento dos trabalhos produzidos na Psicologia, a partir da perspectiva sociotécnica da Teoria Ator-Rede. Os resultados apontam para novas concepções da relação entre Psicologia e Teoria-Ator Rede.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Idonézia Collodel-Benetti, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, Florianópolis
Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, Florianópolis
João Paulo Roberti Junior, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, Florianópolis
Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, Florianópolis

Referências

Arendt, R. J. (2006). O que nós psicólogos podemos aprender com a teoria ator-rede? Interações, v. 12(22), 57-86.

Arendt, R. J. (2010). Enfim: e a tua Psicologia, como é, e para quê? In: Ferreira, A. L., Freira, L. L., Moraes, M. e Arendt, R. J. Teoria Ator-Rede e Psicologia. (pp. 17-39). Rio de Janeiro: NAU.

Akrich, M. & Latour, B. (1992). A summary of a convenient vocabulary of the semiotics for human and nonhuman assemblies. In: Bijker, W. e Law, J. (ed.). Shaping Technology, Building Society: studies in sociotechnical change (pp. 123-146). Cambridge, MIT Press.

Bijker, W. & Pinch, T. (1989). The Social Construction of Facts and Artifacts: or how the Sociology of Science and Sociology of Technology might benefit each other. In: Bijker, W., Pinch, T. e Hughes, P. (ed.). The Social Construction of Technological Systems (pp. 17-50). Cambridge: MIT Press.

Bloor, D. (1999). Anti Latour. Studies in History and Philosophy of Sciences, v.30 (1), p.81-112. doi.org/10.1016/S0039-3681(98)00038-7

Bloor, D. (2009) Conhecimento e Imaginário Social. São Paulo: Editora da Unesp.

Bonamigo, I. S. (2010). A Teoria Ator-Rede como dispositivo teórico-metodológico de análise da produção de violências na contemporaneidade. In: Ferreira, A. L., Freira, L. L., Moraes, M. e Arendt, R. J. Teoria Ator-Rede e Psicologia. (pp. 67-80). Rio de Janeiro: NAU.

Bruno, F. (2010). Prefácio. In: Ferreira, A. A. L.; Freira, Leticia de Luna; Moraes, M.; Arendt, R. J. Teoria Ator-Rede e Psicologia. (pp. 5-7). Rio de Janeiro: NAU.

Callon, M. (1989). Society in the Making: the study of technology as a tool for sociological analysis. In: Bijker, W., Pinch, T., Hughes, P. (ed.). The Social Construction of Technological Systems. (pp. 83-104). Cambridge: MIT Press.

Ferreira, A. L., L, L, Moraes, M. & Arendt, R. (2010). Teoria Ator-rede e Psicologia. 1. ed. Rio de Janeiro: Nau Editora. doi.org/10.1590/S0102-37722010000500005

Freire, L. (2006). Seguindo Bruno Latour: notas para uma antropologia simétrica. Comum, v. 11(26), 46-65.

Kuhn, T. (1962). A estrutura das revoluções cientificas. Chicago: editora Perspectivas.

Latour, B. (1999a). Factures/Fractures: from de concept of network to the concept of attachment. (pp. 20-36). Autumn.

Latour, B. (1999b). On Recalling ANT. In: Hassard, J. e Law, J. (ed.). Actor-Network-Theory and After. (pp. 15-25). Oxford: Blackwell. doi.org/10.1111/j.1467-954X.1999.tb03480.x

Latour, B. (2001a). A Esperança de Pandora: ensaios sobre a realidade dos estudos científicos. Bauru, Edusc.

Latour, B. (2001b). Le Métier de Chercheur Regard d

Latour, B. (2002). Reflexão Sobre o Culto Moderno dos Deuses Fe(i)tiches. Bauru: Edusc.

Latour, B. (2003). Un Monde Pluriel Mais Commun: entretiens avec François Ewald. Luxembourg:

Latour, B. (2005). Jamais Fomos Modernos: ensaio de antropologia simétrica. São Paulo: Editora 34.

Latour, B. (2012). Reagregando o Social: uma introdução á teoria do ator-rede. Bauru: Edusc.

Latour, B. & Woolgar, S. (2006). La Vie de Laboratoire: la production des faits scientifiques. Paris: La Découverte.

Law, J. (1999). After ANT: complexity, naming and topology. In: In: Hassard, J. e Law, J. (ed.). Actor-Network-Theory and After. (pp. 1-14). Oxford: Blackwell. doi.org/10.1111/j.1467-954X.1999.tb03479.x

Law, J. (2004). After Method: mess in social science research. Londres: Routledge.

Law, J. (2006). Traduction/Trahison: notes on ANT. Convergencia, v.13(42), 47-72.

Moraes, M. (2005) A ciência como rede de atores: ressonâncias filosóficas. História,

Ciências e Saúde. v. 11(2), 321-333. doi.org/10.1590/S0104-59702004000200006

Pereira, H. (2010). Jung e o laboratório da alma: a psicologia analítica examinada pela teoria ator-rede. Curitiba: Juruá.

Rifiotis, T., Segata, J., Màximo, M. E. & Cruz, F. G. (2011). Redes sociotécnicas: hibridismos e multiplicidade de agências na pesquisa da Cibercultura. In: Lacerda, J. e Barreto, V. (org.). Comunicação, Educação e Vivência: saberes e vivencias em teorias e pesquisa na América Latina. (pp. 236-265). João Pessoa: EDUFPB; EDUFRN.

Segata, J. (2012). Reagregando o Social: uma introdução á Teoria Ator-Rede. Ilha: revista de Antropologia, v. 14(1), 238-243.

Skinner, B. F. (1974). Sobre o Behaviorismo. São Paulo: Cultrix.

Tsalis, A. C., Ferreira, A. A. L., Moraes, M. O. & Arendt, R. J. O que nós psicólogos podemos aprender com a teoria ator-rede? Interações, 12(22), 57-86.

Ziemkendorf, M. (2007). Actor-Network Theory. Berlin: GRIN Verlag.

Publicado
2018-12-31
Como Citar
Collodel-Benetti, I., & Roberti Junior, J. P. (2018). Por uma (re)dimensão artefatual da "Psique Humana" - Teoria Ator-Rede e Psicologia. Perspectivas Em Psicologia, 22(2). https://doi.org/10.14393/PPv22n2a2018-11