Comprovação da estrutura fatorial da medida de condutas antissociais e delitivas em jovens

  • Maria de Fátima de Matos Maia Universidade Estadual de Montes Claros, Montes Claros - MG
  • Nilton Soares Formiga Universidade Potiguar, Natal-RN
  • Thatiana Maia Tolentino Universidade Estadual de Montes Claros, Montes Claros - MG
  • Celina Aparecida Gonçalves Lima Universidade Estadual de Montes Claros, Montes Claros - MG
  • Berenilde Valéria de Oliveira Sousa Universidade Estadual de Montes Claros, Montes Claros - MG
Palavras-chave: Condutas antissociais, Condutas delitivas, Jovens estudantes, Análise fatorial.

Resumo

Pesquisadores em distintas áreas das ciências humanas e sociais têm procurado esclarecer os motivos dos jovens apresentarem comportamentos de violência simbólica e intensa. A testagem psicológica responde de forma preditiva aos porquês das condutas transgressoras. Este estudo pretende verificar se a estrutura fatorial da escala de condutas antissociais e delitivas ainda existe. 691 sujeitos de 12 a 19 anos dos dois gêneros participaram do estudo, em distintos níveis do ensino público na cidade de Montes Claros-MG, respondendo a um questionário sociodemográfico e à escala de condutas antissociais e delitivas. Foram utilizados os programas SPSS, para a estatística descritiva, e o AMOS 21.0, para análise fatorial confirmatória. O modelo bifatorial oblíquo revelou melhores indicadores psicométricos, confirmando resultados de estudos no Brasil e fora dele. Assim, as dimensões das condutas antissociais e delitivas vêm se mantendo confiáveis e válidas quanto ao construto psicológico, podendo ser utilizado para mensurar a conduta desviante na população juvenil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria de Fátima de Matos Maia, Universidade Estadual de Montes Claros, Montes Claros - MG
Líder do Grupo Integrado de Pesquisa em Psicologia do Esporte, Exercício e Saúde, Saúde Ocupacional e Mídia.
Nilton Soares Formiga, Universidade Potiguar, Natal-RN
professor da Pós-graduação em Administração e Psicologia Organizacional (nível doutorado e mestrado)
Thatiana Maia Tolentino, Universidade Estadual de Montes Claros, Montes Claros - MG
Membro do Grupo Integrado de Pesquisa em Psicologia do Esporte, Exercício e Saúde, Saúde Ocupacional e Mídia.
Celina Aparecida Gonçalves Lima, Universidade Estadual de Montes Claros, Montes Claros - MG
Membro do Grupo Integrado de Pesquisa em Psicologia do Esporte, Exercício e Saúde, Saúde Ocupacional e Mídia.
Berenilde Valéria de Oliveira Sousa, Universidade Estadual de Montes Claros, Montes Claros - MG
Membro do Grupo Integrado de Pesquisa em Psicologia do Esporte, Exercício e Saúde, Saúde Ocupacional e Mídia.

Referências

Born, R.T., & Bradley, D.C. (2005). Structure And Function Of Visual Area Mt. Annual Review Of Neuroscience. 28,157-189. doi.org/10.1146/annurev.neuro.26.041002.131052

Byrne, B. M. (1989). A primer of LISREL: Basic applications and programming for confirmatory factor analytic models. New York: Springer

Dias, J., Conde, R., Formiga, N., & Abrunhosa G. Rui. (2014). International self-report delinquency (ISRD3): tradução e adaptação ao contexto cabo-verdiano. Liberabit, 20(2), 335-351.

Duarte, V., Santos, M., Cruz, O., & Grangeia, H. (2015). Delinquência Juvenil: Explicações e Implicações, Castêlo da Maia: Edições ISMAI.

Faul F., Erdfelder E., Buchner A., & Lang A.-G. (2009). Statistical power analyses using G*Power 3.1: tests for correlation and regression analyses. Behavior Research Methods, 41, 1149

Formiga, N. S., & Diniz, A. S. (2011). Estilo da Orientação Cultural e Condutas Desviantes: Testagem de um Modelo Teórico. Psicologia em Pesquisa, 5(1), 02-11.

Formiga, N. S., Duarte, V., Neves, S., Machado, M., & Machado, F. (2015). Escala de condutas antissociais e delitivas: estrutura fatorial da versão portuguesa. Revista Reflexão e Crítica, 28 (4), 718-727. doi.org/10.1590/1678-7153.201528409

Formiga, N.S. (2002). Condutas antissociais e delitivas: uma explicação em termos de valores humanos. Dissertação de Mestrado não publicada. Universidade Federal da Paraíba. PB, Brasil.

Formiga, N.S. (2003). Fidedignidade da escala de condutas antissociais e delitivas ao contexto brasileiro. Psicologia em Estudo, 8(2), 133-138. doi.org/10.1590/S1413-73722003000200014

Formiga, N.S., & Gouveia, V.V. (2003). Valores Humanos e condutas antissociais e delitivas. Psicologia: Teoria e Prática 7(2)-134-170.

Formiga, N.S., Souza, M.A., Estevam, I., & Omar, A. (2016). Evidência empírica da Escala de Condutas Antissociais e Delitivas em adolescentes argentinos. Boletim Academia Paulista de Psicologia, 36-124-140.

Fornell, C., & Larcker, D. (1981). Structural Equation Models with Unobservable Variables and Measurement Error: Algebra and Statistics. Journal of Marketing Research, 18(3), 382-388.

Hair, J. F., Anderson, R. E., Tatham, R. L., & Black, W. (2009). Análise Multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman. doi.org/10.1177/002224378101800313

Jager, M. E., Altermann, B., F., Perrone, C. M., Silva, S. S., & Garcia, D. A. C. (2014). O adolescente no contexto da saúde pública brasileira: reflexões sobre o PROSAD. O adolescente no contexto da saúde pública brasileira: reflexões sobre o PROSAD. Psicologia em Estudo, 19(2), 211-221. https://dx.doi.org/10.1590/1413-737221567004

Joreskög, K., & Sörbom, D. (1989). LISREL 7 user's reference guide. Mooresville: Scientific Software.

Kazdin, A. E., & Buela-Casal, G. (1998). Conducta antisocial. Madrid: Pirâmide.

Maroco, J. (2010). Análise de equações estruturais. Lisboa, Portugal: Report Number.

Moffitt, T. E. (1993). Adolescence-limited and life-course-persistent antisocial behavior: A developmental taxonomy. Psychological Review, 100(4), 674-701. doi.org/10.1037/0033-295X.100.4.674

Morgado, A. M., & Vale-Dias, M. L. (2014). Adolescência e delinquência: variáveis significativas para a construção de um modelo explicativo. Psicologia, Saúde & Doenças, 15(1), 277-291. doi.org/10.15309/14psd150122

Morizot J., & Kazemian L. (2015) 1 Introduction: Understanding Criminal and Antisocial Behavior Within a Developmental and Multidisciplinary Perspective. In: Morizot J., Kazemian L. (eds) The Development of Criminal and Antisocial Behavior. Springer, Cham. doi.org/10.1007/978-3-319-08720-7_1

Negreiros, J. (2008). Delinquências juvenis: trajectórias, intervenções e prevenção. Porto: Livpsic.

Neumann, C. S., Hare, R. D., & Pardini, D. A. (2015), Antisociality and the Construct of Psychopathy: Data From Across the Globe. Journal Personality, 83, 678

Rocha, M. C. O., Formiga, N. S., & Lopes, E. J. (2013). Una medida de la conducta desviada: La verificación empírica de estrutura fatorial de reclusos em Brasil. Eureka - Revista de investigação científica em psicologia, 10(2), 164-178.

Seisdedos, N. C. (1988). Cuestionario A-D de condutas antissociais- delictivas. Madri: TEA.

Silva, A.P., & Salles, J.M.F. (2010). A violência na escola: abordagens teóricas e propostas de prevenção. Educar em Revista, 2, 217-232. https://dx.doi.org/10.1590/S0104-40602010000500013

Sintra,C. I. F., Lopes, P., & Formiga, N. S. (2011). Condutas antissociais e delitivas e habilidades sociais em contexto forense. Psicologia Argumento, 29 (66), 383-399.

Van De Vijver, F., & Leung, K. (1997). Methods and data analysis for cross-cultural research. Thousand Oaks, CA: Sage Publications. doi.org/10.1590/S0103-166X2008000100006

Vasconcelos, T. C., Gouveia, V. V., Pimentel, C. E, & Pessoa, V. S. (2008). Condutas desviantes e traços de personalidade: testagem de um modelo causal. Revista Estudos de Psicologia, Campinas, 25(1), 55-65.

Publicado
2018-12-31
Como Citar
Maia, M. de F. de M., Formiga, N. S., Tolentino, T. M., Lima, C. A. G., & Sousa, B. V. de O. (2018). Comprovação da estrutura fatorial da medida de condutas antissociais e delitivas em jovens. Perspectivas Em Psicologia, 22(2). https://doi.org/10.14393/PPv22n2a2018-10