Relações entre esquemas de gênero e estresse em adolescentes do sexo feminino

  • Sérgio Cardoso Barcelos CEFET/MG - Campus Araxá
  • Jorge Luiz da Silva Universidade de Franca
  • Wanderlei Abadio de Oliveira Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP/USP),
  • Cléria Maria Lobo Bittar Universidade de Franca
Palavras-chave: Esquemas de gênero, Estresse, Vulnerabilidade individual.

Resumo

Esse estudo objetivou identificar diferenças entre os perfis de esquema de gênero e estresse entre adolescentes do sexo feminino. Participaram da pesquisa 93 adolescentes do sexo feminino (idade média 16 anos; desvio padrão 0,8 anos) estudantes do Ensino Médio Profissional de uma cidade do interior de Minas Gerais. A coleta de dados ocorreu por meio da aplicação dos instrumentos: Inventário Feminino dos Esquemas de Gênero do Autoconceito e Escala de Stress para Adolescentes. Análises estatísticas (descritivas, ANOVA e post hoc de Bonferroni) foram realizadas no programa SAS. Os resultados indicaram que 11,8% do total de participantes foram classificadas com estresse, sendo os maiores percentuais entre as meninas heteroesquemáticas masculinas e as heteroesquemáticas femininas. Do total de participantes, 11,8% foram classificadas com estresse. Os maiores percentuais localizaram-se nos perfis heteroesquemático masculino (33,3%) e heteroesquemático feminino (33,3%). Notou-se que o perfil heteroesquemático masculino foi o mais vulnerável para a ocorrência de sintomas interpessoais de estresse, em comparação com os perfis: isoesquemático e heteroesquemático feminino. Concluiu-se que os estereótipos de gênero favorecem a vulnerabilidade individual para o estresse e suas diferentes formas de manifestação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sérgio Cardoso Barcelos, CEFET/MG - Campus Araxá
Curso de Educação Física
Jorge Luiz da Silva, Universidade de Franca
curso de Psicologia e pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Promoção da Saúde 
Wanderlei Abadio de Oliveira, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP/USP),
Departamento de Psicologia
Cléria Maria Lobo Bittar, Universidade de Franca
Docente do curso de Psicologia e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Promoção da Saúde da Universidade de Franca

Referências

Carvalho, P. D. e outros (2011). Condutas de risco à saúde e indicadores de estresse psicossocial em adolescentes estudantes do Ensino Médio. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, 27(11), 2095-2105. doi.org/10.1590/S0102-311X2011001100003

Caputo, E. L.; Rombaldi, A. J & Silva, M. C. (2017). Sintomas de estresse pré-competitivo em atletas adolescentes de handebol. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. Porto Alegre, 39(1), 68-72. doi.org/10.1016/j.rbce.2016.01.006

Crivelatti, M. M. B.; Durman, S. & Hofstatter, L. M (2006). Sofrimento psíquico na adolescência. Texto & Contexto Enfermagem. Florianópolis, 15, 64-70. doi.org/10.1590/S0104-07072006000500007

Fitzpatrick, M. J. & Mcpherson, B. J. (2010). Coloring within the lines: gender stereotypes in contemporary coloring books. Sex Roles. Springer, 62, 127-137. doi.org/10.1007/s11199-009-9703-8

Giavoni, A (2002). Estereótipos sexuais aplicados às nadadoras. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. Brasília, 10(2), 27-32.

Giavoni, A. & Tamayo, Á. (2005). Inventário Feminino dos Esquemas de Gênero do Autoconceito (IFEGA). Estudos de Psicologia. Natal, 10(1), 25-34. doi.org/10.1590/S1413-294X2005000100004

Gonzaga, L. R. V (2013). Estresse na adolescência: problema e solução. Psicologia em Estudo. Maringá, 18(1)181-183. doi.org/10.1590/S1413-73722013000100019

Just, A. P. & Enumo, S. R. F (2015). Problemas emocionais e de comportamento na adolescência: o papel do estresse. Boletim Paulista de Psicologia. São Paulo, 35(89), 350-370.

Kulik, L (2006). Gender, gender identity, ethnicity, and stereotyping of children

Lee, C.

Melo, G.F. & Giavoni, A (2010). O perfil psicológico de atletas baseado na teoria do individualismo e do coletivismo. Revista Brasileira de Psicologia do Esporte. São Paulo, 3(1), 2-18.

Melo, G.F.; Giavoni, A. & Troccoli, B.T (2004). Estereótipos de gênero aplicados a mulheres atletas. Psicologia: Teoria e Pesquisa. Brasília, 20(3), 251-256. doi.org/10.1590/S0102-37722004000300006

Mezulis, A. H. e outros (2010). Gender differences in the cognitive vulnerability-stress model of depression in the transition to adolescence. Cognitive Therapy and Research. Springer, 34, 501-513. doi.org/10.1007/s10608-009-9281-7

Pinto, A. A. e outros (2017). Associação entre estresse percebido na adolescência, peso corporal e relacionamentos amorosos. Revista Paulista de Pediatria, São Paulo, 35(4), 422-428. doi.org/10.1590/1984-0462/;2017;35;4;00012

Range, L.M. & Jenkins, S.R (2016). Who benefits from Pennebaker

Sadir, M. A.; Bignotto, M. M. & Lipp, M. E. N (2010). Stress e qualidade de vida: influência de algumas variáveis pessoais. Paidéia. Ribeirão Preto, 20(45), 3-81. doi.org/10.1590/S0103-863X2010000100010

Starr, C.R. & Zurbriggen, E.L (2017). Sandra Bem

Tricoli, V. A. C. & Lipp, M. E. N. (2005). Escala de Stress para Adolescentes

Publicado
2018-12-31
Como Citar
Barcelos, S. C., Silva, J. L. da, Oliveira, W. A. de, & Bittar, C. M. L. (2018). Relações entre esquemas de gênero e estresse em adolescentes do sexo feminino. Perspectivas Em Psicologia, 22(2). https://doi.org/10.14393/PPv22n2a2018-09