O psicológo e as doenças neurodegenerativas na infância

  • Thayse Maria Ferreira Dules Silva Faculdade de Ensino Regional Alternativa
Palavras-chave: Psicologia, Morte, Doenças Progressivas.

Resumo

É relatada a experiência de uma psicóloga frente a doenças neurodegenerativas na infância no setor de neuro estimulação de uma instituição de reabilitação. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, amparada pelos pressupostos teórico-metodológicos da Neurociência, relatando a experiência profissional diante de dois casos específicos. O profissional de psicologia precisa ter traquejo teórico metodológico para lidar com as diversas nuances de atendimentos complexos com a facticidade da morte presente sem, no entanto, distanciar-se de sua natureza humana elaborando seus próprios lutos reconhecendo suas limitações diante de doenças progressivas que culminarão na maioria das vezes na morte do seu paciente.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thayse Maria Ferreira Dules Silva, Faculdade de Ensino Regional Alternativa
Faculdade de Ensino Regional Alternativa

Referências

Beaud, S. & Weber, F. (1998). Guide de l

Cagnin, S. (2010). A pesquisa em neuropsicologia: desenvolvimento histórico, questões teóricas e metodológicas. Psicologia em Pesquisa, 4(2), 118-134.

Callegaro, M. M., Landeira-Fernandez, J. (2007). Pesquisas em neurociência e suas implicações na prática psicoterápica. Psicoterapias: abordagens atuais, 851-872.

Imanishi, H. A., & Silva, L. L. D. (2016). Despersonalização nos hospitais: o estádio do espelho como operador teórico. Revista da SBPH, 19(1), 41-56.

Kovács, M. J. (1992). Morte e desenvolvimento humano. Casa do Psicólogo.

Lorencetti, A., & Pessuto Simonetti, J. (2005). As estratégias de enfrentamento de pacientes durante o tratamento de radioterapia. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 13(6). doi.org/10.1590/S0104-11692005000600005

Medeiros, L. A.; Lustosa, M. A. (2011). A difícil tarefa de falar sobre morte no hospital. Revista da SBPH, Rio de Janeiro, 14 (2), 203-227.

Torres, L. F. B. et al. (1997) Estudo por microscopia eletrônica em doenças neurodegenerativas na infância. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, São Paulo, 5(4) 788-794. doi.org/10.1590/S0004-282X1997000500016.

Turato, E. R. Tratado da metodologia da pesquisa clínico-qualitativa. Petrópolis RJ. Editora Vozes, 2003.

Publicado
2018-12-31
Como Citar
Dules Silva, T. M. F. (2018). O psicológo e as doenças neurodegenerativas na infância. Perspectivas Em Psicologia, 22(2). https://doi.org/10.14393/PPv22n2a2018-03